Saint-Émillion, Bordeaux, patrimônio Unesco: atrações subterrâneas, belezas medievais e delícias gastronômicas

Tempo de leitura: 4 minutos

 

 

Por Rogerio Ruschel (*)
Saint-Émilion é um pequeno e charmoso vilarejo francês fundado oficialmente no século VIII por Emilio/Émillion, um santo católico que deu seu nome ao povoado – e que está no brazão da cidade, veja abaixo. Fica a uns 35 Km da cidade de Bordeaux e é uma das principais denominações de vinhos da França; ao lado de Médoc, Graves e Pomerol, é uma das mais importantes referências quando se fala em vinho Bordeaux.

 

Além do terroir adequado (veja http://invinoviajas.blogspot.com.br/2013/07/um-agradavel-passeio-pelo-terroir-de.html) a experiência ajuda: registros indicam que os romanos já plantavam vinhas na região no século II e quevinho comercial é produzido aqui desde o século VIII. Sobrevivente da idade média e declarado Patrimônio Mundial pela Unesco em 1999, o vilarejo tem 2.700 moradores e vive do vinho e do turismo. Abaixo, fotos do prédio mais antigo da cidade que ainda é funcional, uma casa na Porte de La Cadene, de 1291, que exibe seu modo construtivo.

 

No vinho a relação habitante por vinícola é provavelmente a mais elevada do mundo: para cada três moradores existe uma adega, que nesta região se chama château, mesmo que não seja um castelo de verdade. E no turismo também apresenta números assombrosos, porque recebe milhões de visitantes por ano para curtir o casario, as vielas e o ambiente.

 

Cercando a cidade estão cerca de 900 produtores de vinhos que plantam 5.400 hectares com uvas tintas Merlot (60%), Cabernet Franc (30%) e Cabernet Sauvignon (10%) – e até alguma coisa de uvas brancas, mas não muito expressivo.

 

Além do vinho e do enoturismo, a cidade tem como atrações as casinhas amontoadas, subindo e descendo ladeiras e alguns prédios realmente interessantes, como catacumbas do século XII e uma Igreja Monolítica (foi construída ou escavada com um único bloco de pedra – veja abaixo)

 

Outra atração é um monastério onde estaria o corpo de Emilio/Émillion, o monge beneditino que fundou a cidade (veja abaixo). Segundo a lenda, o monge seria um caminhante que teria vindo para a região para morrer, mas acabou atraindo muitos visitantes e fiéis depois de construir um monastério. Todas estas atrações subterrâneas estão interligadas ou são muito próximas, de maneira que é muito prático e fácil passear pela cidade.
Passear pelas ruelas, subir e descer ladeiras gastas pelo tempo, tirar dezenas de fotos de paredes seculares, prédios, torres de igrejas, campanários, monastérios, muros romanos, entrar nas muitas lojinhas, livrarias e lojas de vinhos faz parte obrigatória do roteiro.

 

No Centro de Informações bem localizado (ao lado do monastério, no centro da cidade) você consegue mapas, posteres, folhetos e outros materiais e fica sabendo de roteiros e cursos que vão enriquecer o passeio. Cursos de degustação de vinhos de 1 a 3 horas ajudam a aprender como degustar uma taça de vinho e identificar seus aromas. Informe-se também sobre um roteiro bastante popular que é um passeio de trenzinho pela região vinícola (veja abaixo), em torno da cidade, podendo parar em alguma cave para visita, degustação e compra de produtos – veja um post sobre isso em http://invinoviajas.blogspot.com.br/2013/05/saint-emilion-visita-aos-subterraneos.html

 

Não se esqueça também de degustar alguns prazeres gastonômicos, além dos vinhos. Muitos deles estão em bons restaurantes com culinária francesa, que podem ser pequenos bistrôs em vielas e ladeiras, bares ligados a caves de vinhos ou restantrantes maiores, como o principal restaurante da cidade que fica em cima da igreja subterranea (veja foto abaixo).
Outro dos prazeres que você não deve perder é desfrutar de um dos doces mais típicos da França: os macarrons. Produzidos pelas freiras, que acabaram expulsas durante a Revolução Francesa, os macarrons da cidade tem o formato de um biscoito, com creme no meio, e macios por dentro, como um tipo de bolo – veja na foto abaixo.

 

Vou encerrar com uma dica: vale a pena ir de carro alugado a Saint-Émillion. Eu estava em Bordeaux e como fica a apenas 35 Km, decidi testar meios de transporte para meus leitores: fui de ônibus e voltei de trem. Tudo muito bom e pontual como sempre, mas tem um pequeno detalhe: a estação de Saint-Émillion (veja abaixo) fica a pelo menos um km do vilarejo, não tem nada para fazer lá a não ser esperar o trem (que vai passar no horário anunciado, é claro), e é preciso encarar uma leve mas cansativa subida até o vilarejo (veja abaixo também). Além disso, de carro você pode curtir melhor a paisagem e parar onde quiser. 

 

 

(*) Rogerio Ruschel é jornalista e aprendeu a gostar de vinhos Bordeaux em Saint-Émillion.

 

5 Comentários


  1. Olá Rogério.
    Como sou apaixonada pela França, é marailhoso saber um pouco sobre estes vilarejos. Um dia vou realizar meu sonho e vou perguntar sobre tudo p/ vc. Parabéns por mostrar estas vinículas e sobre os costumes deste belo lugarejo.
    Um abrazo e obrigada.

    Responder

  2. Carmem, obrigado pela leitura. A França, como outros paises europeus, deve ser descoberta aos pouquinhos, revelando cada segredo para o viagante. Se precisar de dicas, me procure. Abs, Rogerio

    Responder

  3. Sueli, dito por você, que já deve conhecer grande parte das mais importantes regiões vinícolas do mundo, fiquei com mais vontade de voltar a Bordeaux e Saint-Emillion.
    Obrigado pelo elogio e muito grato pelo prestigio da leitura.
    Abs
    Rogerio

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *