A cultura do vinho e seus rótulos criativos: cartas na mesa, espantalhos no vinhedo e lenha na lareira

Tempo de leitura: 3 minutos

Por Rogerio Ruschel (*)

Para os enólogos em geral a produção de uvas e vinho é sempre uma espécie de jogo, porque nunca se sabe como vai ser o clima, qual a temperatura, a quantidade de chuva na colheita, a presença de pragas e outras dúvidas – e isso sem falar nas flutuações do mercado e se o governo não vai aumentar os impostos…
Apostando na mão – House of Cards
Mas isso fica pior ainda quando você se propõe a andar na contra-mão da correnteza e decide produzir vinhos orgânicos, o que é mais caro e mais inseguro como investimento. Os produtores e enólogos Margaret River Liz e Travis Wray confiaram em seu trabalho e na boa localização de seus vinhedos – em Caves Road, na extremidade norteda região vinícola do Rio Margaret,no oeste da Austrália.
Eles recuperaram a terra utilizando apenas princípios da biodinâmica e fizeram uma aposta alta em vinhos orgânicos. Os vizinhos disseram que era um jogo que eles iam perder, mas eles não perderam. E para comemorar a vitória sobre o azar, deram o nome de House of Cards ao vinhedo, à empresa e aos vinhos produzidos

Espantalhos, os guardiões do vinhedo

Propriedade de antiga família de produtores de vinho de prestígio, com laços estreitos com a terra, com os vinhedos e até mesmo com os edifícios históricos de Mantinea Nemea no Peloponeso, Grécia, a vinícola Spiropoulos-Meliastro mudou para métodos de agricultura biológica com um objetivo claro: para produzir uvas e vinhos de alta qualidade com o máximo de atenção à proteção do ecossistema e do meio ambiente.
 Tudo isso acabou inspirando uma figura simpática, protetora da agricultura e provavelmente universal: o espantalho. O espantalho (ou The Guardianas, em inglês) é um elemento de arte popular que tem sido objeto de fascínio para os artistas e pessoas da cidade também. Festivais são organizados em todo o mundo para celebrar a imaginação e criatividade das pessoas envolvidas na sua preparação. 
 A agência Mousegraphics contratou um artista grego conhecido por desenhar e projetar espantalhos, para representar três rótulos diferentes. A marca “Os Guardiões” é acompanhado de uma pequena frase: “Para servir e proteger os segredos de um bom vinho”, que resume o conceito de projeto e suas referências. Um livreto acompanha o produto (veja acima).
Um vinho na lareira 
Ao criar um presente de fim de ano para seus clientes e amigos, a agência de publicidade Cole & Weber utilizou vinhos produzidos por um cliente e decidiu fazer dois presentes em um. Colocou uma garrafa do vinho tinto dentro de uma embalagem imitando um pedaço de pinho (madeira para lareira), junto com uma caixa de fósforos, acompanhado de um folheto com instruções informando sobre como levar o pacote para a lareira, acendê-lo com os fósforos e desfrutar de uma taça de vinho e boa companhia junto ao fogo. É claro que  estas instruções parecem desnecessárias, mas na verdade são necessárias para ter alguma mensagem de quem está doando o presente.

(*) Rogerio Ruschel é jornalista, enófilo e gosta de jogar cartas – e de ganhar!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *