Conheça os queijos Terrincho e Azeitão, deliciosas especialidades portuguesas – e os belos lugares onde eles são feitos, como Vila Nova de Foz Côa

Tempo de leitura: 4 minutos

 

Por Rogerio Ruschel e João Monge Ferreira (*)
Portugal está definitivamente na moda em termos de turismo, investimentos, cultura e qualidade de vida. In Vino Viajas tem mostrado que publicações gerais ou especializadas como Guia Fodor’s, Wine Enthusiast, The Guardian, CNN e portais de turismo de grande importância como Trip Advisors’s sugerem que visitemos Portugal antes que os preços subam – o que será inevitável. Na foto de abertura você pode conhecer a área rural de Vila Nova de Foz Côa em foto do blog descobrirfozcoa.blogspot.pt e abaixo, a ponte Torre Dona Chama vista de Mirandela, dois concelhos portugueses onde é fabricado o queijo Terrincho.  Aliás, Vila Nova de Foz Côa é chamada de Capital do Douro Superior, e entre 30/05 e 01/06 vai realizar mais uma edição do Festival do Vinho do Douro Superior. Quando 3.000 garrafas de vinhos dos oito concelhos da região vão ser degustadas ao longo das dezoito horas da Feira de Vinhos e Sabores.

 

Os vinhos portugueses são excepcionais – e In Vino Viajas tem divulgado isso; a culinária é excitante e todos os turistas são muito bem recebidos, especialmente brasileiros. Em 2015 uma cidade portuguesa será a Capital do Turismo de Vinho da Europa (em 2014 é a espanhola Jerez de la Frontera). Ou seja: o turista é muito bem tratado em Portugal. E é um pais bonito: na foto abaixo, vista parcial de Sesimbra, um dos concelhos onde são fabricados os queijos de Azeitão.

 

Portugal tem dezenas de produtos típicos que são protegidos por denominações de origem e de qualidade, entre os quais queijos. Então como editor deste blog faço mais um brinde aos amigos de Portugal e publico abaixo informações do site português “João Sem Vinho”, nosso parceiro no além’mar, sobre dois queijos portugueses. Com a palavra João Monge Ferreira. (Abaixo, o ambiente rural de Mogadouro, terra do queijo Terrincho).

 

Por João Monge Ferreira (*)
Queijo Terrincho

 

O Terrincho (identidade com DOP – Denominação de Origem Protegida) é um queijo curado, de pasta semi-mole, branca e uniforme, ligeiramente untuosa, obtido por esgotamento lento da coalhada, após a coagulação do leite cru e puro, por acção de coalho animal. A maturação é feita por um período mínimo de 30 dias, que se pode estender até um mínimo de 90, obtendo-se assim a variante “Velho”.
Ambos têm a forma de cilindro baixo, regular, com algum abaulamento lateral nas faces, sem bordos definidos e diâmetro a oscilar entre os 13 e os 20 centímetros. O peso varia entre 600 e 1200 gramas. O Queijo Terrincho possui um sabor suave, limpo e muito característico, sendo mais forte na variedade “Velho” (veja abaixo). Também conhecido como “Queijo de Freixo”, é fabricado com leite de ovelha da raça Churra da Terra Quente.

 

A área geográfica de produção abrange os concelhos de Mogadouro, Alfândega da Fé, Moncorvo, Freixo de Espada à Cinta, Mirandela, Vila Flor, Carrazeda de Ansiães, Vila Nova de Foz Côa – que você pode conhecer na foto abaixo. O queijo Terrincho também é produzido em algumas freguesias dos concelhos de Macedo de Cavaleiros, São João da Pesqueira, Valpaços, Meda e Figueira de Castelo Rodrigo.

 

Queijo de Azeitão
O queijo de Azeitão é produzido a partir de leite de ovelha em alguns concelhos do distrito de Setúbal, particularmente em Palmela, Sesimbra e Azeitão. São queijos de forma cilíndrica e paredes abauladas, com cerca 5 cm de altura e 8 cm de diâmetro, pesando em média 250 g.

 

É vendido com cerca 20 dias de cura, normalmente envolvido em papel «vegetal». A casca é fina e macia de cor amarelo-palha. É um queijo de pasta mole, com alguns olhos, de cor amarelo-ráfia, muito «amanteigado», de sabor e aroma semelhante ao queijo da Serra, embora seja um pouco mais ácido (característico).

 

Aliás, se você estiver em Setubal, vale a pena visitar o Museu do Queijo, na Vila Nogueira do Azeitão, estrada que liga a cidade à Palmela. É muito interessante, onde você pode também provar vinhos locais como os famosos moscatéis de Setubal.
(*) Rogerio Ruschel é brasileiro, jornalista, enófilo e editor de In Vino Viajas. João Monge Ferreira é português, Editor do blog “João Sem Vinho”, Diretor Geral da organização Pequenos Produtores Portugueses, Novos Rurais/Farming Culture e EcoCasa Portuguesa. Fonte: Blog João Sem Terra – http://joaosemvinho.blogspot.com.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *