Cientistas australianos criam um tecido com vinho tinto: o brinde é feito na lavanderia?

Tempo de leitura: 1 minuto

Por Rogerio Ruscehel (*)
Uma equipe da Universidade da Austrália Ocidental adicionou uma bactéria ao vinho tinto e conseguiu criar um tecido parecido com o algodão, que pode ser usado para fazer roupas. Embora ainda em estágios iniciais de desenvolvimento, esta técnica de confecção de roupas de vinho poderia um dia virar moda. As pesquisas começaram em 2007 e não tem prazo para terminar.
O processo de criação de tecido de vinho começa pela adição de uma bactéria chamada Acetobacter a um lote de vinho tinto, para convertê-lo em vinagre. No processo se forma uma camada (como se fosse uma nata) sobre a superfície do vinho, que é colhida e seca sobre um manequim inflável para obter a forma desejada.
Depois que a camada seca, o manequim é esvaziado, mas o tecido mantém a sua forma. Parece muito simples, mas por enquanto o tecido de vinho ainda tem uma grande desvantagem: quando seca o tecido se torna tão frágil quanto papel de seda e porisso as roupas precisam ser mantidas úmidas durante o uso. Isso não vai ser um problema em dias quentes de verão, mas durante o inverno não dá para encarar.
Os cientistas por trás do projeto esperam juntar-se com outros especialistas, afim de tornar seu tecido vinho tinto mais resistente. Segundo o principal pesquisador, Gary Cass, a tecnologia está longe de ser perfeita, e provavelmente haverá um longo prazo antes que as pessoas possam vestir roupas feitas de Pinot Noir ou Merlot. Pessoalmente, tenho provado alguns vinhos tão ruins que eles seriam melhor aproveitados se fossem transformados em panos de chão…
Em novembro de 2013 três jovens designers da Catalunha, Espanha, desenvolveram uma tinta para uso em processos gráficos a partir de vinhos tintos. Conheça esta historia aqui: http://www.invinoviajas.com/2014/01/inovacao-como-solucao-jovens-designers/
(*) Rogerio Ruschel, editor deste blog, mora e trabalha em São Pauo, Brasil, onde é jornalista e consultor especializado em sustentabilidade.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *