”Engenhos de Ouro”, o livro: a cachaça mais nobre do Brasil ganha um guia do maior especialista brasileiro, Renato Frascino

Tempo de leitura: 4 minutos

 Rogerio Ruschel (*)

Um dos maiores especialistas em degustação de bebidas do Brasil, Renato Frascino vem avaliando e ensinando a avaliar vinhos, cachaças e águas há mais de tres décadas. Consultor de bebidas e alimentos de vinícolas e da revista de luxo Robb Report Gourmet, é consultor de alambiques, coordenador da Feira Expocachaça e autor de livros sobre vinhos e cachaças. É um talento que vem da infância: Frascino nasceu e cresceu em uma usina de açúcar e álcool do interior paulista e como é um dos  profissionais com a maior sensibilidade sensorial olfativa do Brasil, com certeza é o sommelier mais preparado para avaliar cachaças. (Abaixo, Frascino em foto da EnoEventos)
Pois Renato é o curador e pesquisador do livro “Cachaça – Engenhos de Ouro”, um livro definitivo para qualificar o nivel de excelência do destilado brasileiro. Produzida pela Editora InBook – que já publicou vários titulos sobre vinhos e cachaças – a obra será lançada em São Paulo dia 15 de dezembro no Eolo Gastronomia Bar, rua Dr. Renato Paes de Barros, 125, no Itaim Bibi, com portas abertas (veja convite na abertura deste post). Acostumado com produtos de excelência, Frascino é fã ardoroso da cachaça brasileira, que acredita que pode competir com destilados no mercado internacional. Esse é um dos objetivos do livro, como me disse por telefone: “Depois de muitos anos de estudo e pesquisas, e atuando como professor ou jurado de provas e concursos de destilados, resolvi fazer um livro com osmelhores engenhos do Brasil.”Na foto abaixo, Frascino dá uma aula de degustação de cachaças em Paraty, RJ.
     
Veja a seguir como Renato Frascino apresenta seu mais recente livro.
“O Brasil possui seu território de norte a sul e de leste a oeste apropriado à cultura da cana-de-açúcar, trazida pelos portugueses da Ilha dos Açores e da Madeira; passaram-se os séculos e a cachaça acompanhou a história do país até os dias de hoje. Essa bebida nunca esteve no lugar certo, sendo menosprezada ou no mínimo pouco valorizada. “ Abaixo, duas imagens da produção de cachaça separadas por quase dois séculos: um engenho desenhado por Jean August Debret em 1822 e um alambique moderno.

“Meu objetivo com este livro é mostrar o valor de empresários que vêm investindo na busca de excelência, com alto controle de qualidade e higiene, com tecnologia do campo ao copo e respeito ao consumidor nacional e internacional – os verdadeiros engenhos de ouro do Brasil, que elaboram uma cachaça de qualidade, em embalagens que destacam essa bebida brasileira.“

“É preciso ter cuidado quando usamos a palavra “artesanal”, mas com ela, refiro-me à cachaça elaborada dentro de padrões sanitários e técnicos elevados, envolvendo o plantio da variedade adequada de cana, o desenvolvimento das leveduras apropriadas, a destilação exímia, o armazenamento cuidadoso, seja em tonéis de madeira próprias para a tanoaria (acima) ou em tanques de aço, além da paixão do produtor, o que resultará em uma bebida de excelência.  A cachaça bem feita possui aromas primários e sabores típicos, provenientes da cana de açúcar, sendo possível identificar outros, frutados, incluindo os cítricos, assim como notas minerais. Quando armazenada em tonéis de carvalho ou em madeiras brasileiras por alguns anos, destacam-se aromas mais complexos, secundários, que vão desde mel, baunilha, coco, anis, cítricos, até frutas secas, couro e especiarias.“

“Para concluir, a cachaça, o nobre produto brasileiro, requer muito conhecimento, técnica e tecnologia, assim como embalagem elegante e muito amor de quem a elabora. O consumidor deve degustar em copos apropriados, sendo usual os típicos para “shots” e, mais recentemente, os cálices, para se apreciar melhor os aromas e sabores. A cachaça pode ser degustada tanto pura quanto em coquetéis (em copos adequados), acompanhando pratos e canapés. Independente do copo utilizado, a apreciação lenta e a moderação da dose ao consumo são recomendadas. ”

Convido o leitor do In Vino Viajas, certamente uma pessoa de muito bom gusto, a degustar o evento de lançamento e compratilhar da opinião de Renato Frascino sobre a evolução da cachaça brasileira.
Se você não puder participar mas quiser o livro CACHAÇA – ENGENHOS DE OURO, acesse o site da Inbook Editora  www.inbook.com.br

(*) Rogerio Ruschel, editor deste blogue, gosta de cachaças bem feitas e considera Renato Frascino o “Nariz de Ouro” das bebidas do Brasil.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *