Afinal, porque vinhos do Chile, Argentina, França, Portugal e Itália ocuparam quase 80% do mercado brasileiro em 2014?

Tempo de leitura: 5 minutos

Por Rogerio Ruschel (*)
Com um consumo per cápita de menos de 2 litros de vinho por ano, o Brasildeveria ser um mercado com grande potencial de crescimento pelo seu volume – afinal, somos o sétimo PIB do mundo (se é que ainda ocupamos esta posição) e temos 200 milhões de pretensos consumidores. Mas não é o que acontece. Bebemos pouco vinho, seja rótulos de baixo preço (segmento dominado por produtos nacionais) seja o chamado vinho fino de mesa, um mercado dominado em 80% por produtos importados. (Acima, imagem obtida no site Eu, Gourmet, de Emerson Haas). Veja nos quadros abaixo o comportamento do nosso mercado: o primeiro quadro mostra quadro que no ano 2000 os produtos importados passaram definitivamente os produtos nacionais; e o segundo quadro mostra como nossas vendas internas estão estagnadas desde 2008.
Em 2014 o Brasil importou cerca de US$ 350 milhões de vinhos finos de mesa, especialmente de seis paises: Chile, Argentina, França, Portugal, Itália e Espanha.

O especialista Adão Augusto A. Morellatto, da International Consulting fez uma análise da importação de vinhos pelo Brasil que no total aumentou 12,15 % em relação a 2013, apesar dos impostos (veja abaixo), das estratégias protecionistas das vinícolas brasileiras e do fator cambial que em 2014 aumentou em quase 15%.

Segundo Morellatto, “o principal exportador novamente foi o Chile, que representa quase 46,40% em valor das importações de vinhos finos, 35,30% em valor para todos os tipos de vinhos e 44,39% em volume. Produtos chilenos continuam crescendo no mercado brasileiro – o crescimento em 2014 foi de 25,59% – talvez porque seu preço médio esteja 25% mais econômico que os vinhos argentinos” e assim competem em igualdade com outros vinhos europeus e brasileiros.  Veja como os produtos importados estão ampliando o mercado brasileiro de vinhos.
Perguntei a Renato Frascino, o Embaixador dos vinhos chilenos no Brasil e editor da seção de Gastronomia da revista Robb Report de produtos de luxo, as razões disso. Explica Renato, “Por uma série de razões, a começar pelo clima que gera bons produtos, porque o Chile tem a Cordilheira dos Andes, os ventos do Oceano Pacifico, o calor do Deserto de Atacama e o frio da Antartica ao Sul e solos minerais com muito Cobre. Depois porque os produtores chilenos, que são empresários sérios e criativos, aproveitam isso e praticam uma enologia competente. A partir da década de 80 grandes marcas como Santa Helena, Santa Carolina e Concha y Toro abriram mercado no Brasil com vinhos varietais e uma linha básica. Veja abaixo o consumo em 2011 per capita.
Frascino continua: “Na sequência as vinicolas chilenas investiram em tecnologia e variedades viniferas, escolhendo os vales adequados com terroirs especificos para uvas específicas. Um exemplo é o Vale de Casablanca com uvas brancas Sauvignon blanc e Chardonnay e as tintas Pinot Noir e Shiraz. Outros vales como Maipo, Colchalga, Maule, Cachapoal, Curicó entre outros trabalham com uvas tintas Carmenere, Cabernet Sauvignon, Shiraz e Merlot entre outras. Com esta diversidade de solos e variedades viníferas, o Chile consolidou sua posição de grande produtor de vinhos de alta gama.”  Veja abaixo uma previsão de como será o consumo no ano de 2017 para vinhos tintos.
A Argentina apresentou um crescimento de 9,52% em relação ao ano passado e sua participação caiu um pouco, fechando 2014 com cerca de 17% do mercado de importados no Brasil, em volume e valor. Segundo Adão Morellatto, “a Argentina sofre com as políticas econômicas implantadas e mantidas pelo governo atual, que penaliza a produção e não dá sustentabilidade e condições de crescimento, devido as constantes crise de abastecimento, o que tem prejudicado todo os setores envolvidos.”
E a França? “Maior produtos mundial e mercado com o maior consumo per capita de vinhos do mundo (60 litros por pessoa) a França exportou produtos a um preço médio de US$ 10,30 p/ litro, influenciado pelo alto valor agregado do champagne, que sozinho representa 37,82% de toda exportação. Seus produtos totalizaram quase 15% de participação no mercado brasileiro de importados, praticamente o mesmo de 2013.” 
Adão Morellatto continua: “Portugal em 2014 quase alcançou a França no mercado brasileiro. Por uma pequena diferença ficou no quarto lugar, incentivado pelas influências e ações que realizam aqui, até mesmo a abertura de filiais por aqui (como a Sogrape em 2013). Participa com quase 12% de share, com crescimento de 4,50% e preços médio de US$ 3,88 p/ litro.” Eu, Rogerio Ruschel, não entendo porque Portugal não tem uma participação maior no mercado brasileiro, porque os produtos tem identidade própria, tem prestigio internacional e não existe a barreira do idioma na comunicação. Será que o mercado brasileiro não é considerado estratégico para eles?
“A Itália ficou em quinto lugar no ranking dos exportadores para o Brasil, um movimento de recuperação após um 2013 de queda, em 2014 cresceu 3,97%, com participação bem próxima de Portugal, exatos 11,13% em valor e de 11,68% em volume.”
“A Espanha talvez tenha sido a grande surpresa do ano em 2014: teve uma ligeira queda de quase -1%, e só não caiu mais, devido ao seu vinho espumante (Cava) ter crescido em participação mais de 16 %. A surpresa é que desde 2007 o vinho espanhol vinha apresentando um crescimento médio de 31% ao ano. Outros paises apresentam menos de 5% de participação, mas alguns cresceram bastante em 2014, como a Alemanha (16,72%), África do Sul (54,95%) e Estados Unidos (47,90%). Os destaques negativos ficaram por conta da Austrália (que caiu 69% em participação) e do vizinho Uruguai que continua patinando desde 2007 na mesma faixa de participação, provavelmente por falta de investimento no mercado. “
(*) Rogerio Ruschel é editor deste blogue e gosta de vinhos bons, não importando a origem – mas ficaria feliz se os produtores brasileiros reagissem em seu próprio mercado.

 

10 Comentários


  1. Acabei de voltar da Argentina….Lá só é permitido vender vinho argentino…..eu visitei vinotecas diversas e supermercados e o cenário é o mesmo….eles são patriotas …no Brasil deveria ser o mesmo….valorizar o seu produto e garantir que só produtos nacionais fossem vendidos.

    Responder

  2. Em principio parece uma boa idéia, mas alem de ser limitante para quem gostaria de experimentar outros vinhos, imagine isso ampliado para outros produtos: só poder utilizar produtos feitos no pais… Obrigado pela leitura, abs

    Responder

  3. Duas coisas: a importação não está mais subindo conforme a tendencia do gráfico exibido, pois de 2011 ate 2014 o crescimento da importação foi muito menor (e deve inclusive ter retração em 2015 por causa da alta do dólar)
    Esse gráfico dos impostos é antigo e errado: não é todos os lugares que o ICMS é 25% (no RS, p.ex. é 17%, 18% a partir do ano que vem) e o IPI dos vinhos não é 20% (a partir de dezembro vai ser 10%, antes não era nem isso… tinha vinho de R$ 100 que pagava R$ 0,73 de IPI).
    Sem falar que os vinhos importados do Mercosul e do Chile (mais da metade dos importados) não pagam II, e se importados pelos portos dos estados do ES e SC aindaganhavam um crédito fiscal no ICMS (a famosa guerra dos portos).

    Responder

  4. Isso não é patriotismo, é devido ao fato do governo argentino ter restringido fortemente as importações para evitar a saída de dólares do país

    Responder


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *