La Rioja, Espanha, quer vinhedos, paisagem e cultura vinícola reconhecidas como Patrimonio da Humanidade pela UNESCO

Tempo de leitura: 3 minutos

Por Rogerio Ruschel (*)

Em fins de outubro de 2013 o governo da Espanha, a pedido da indústria vinícola do Pais Basco, formalizou junto à Unesco – a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – solicitação para que a “Paisaje del vino y el viñedo de Rioja” (na foto acima, no outono) seja declarada como Patrimonio da Humanidade. Esta foi a primeira vez, nos anos seguintes o pedido foi re-apresentado. Conforme a solicitação, a “Paisagem Cultural de vinho e vinhas de La Rioja e Rioja Alavesa que tem mais de 5.000 anos de história, é um desenvolvimento único e singular da cultura do vinho em território europeu.” A Batalha do Vinho, um evento turístico muito popular da cidade de Haro, é parte desta história nas últimas décadas.

A comunidade do Pais Basco aguarda ansiosa a decisão da Unesco que deve ser anunciada no próximo mes de junho de 2015. Em outubro de 2014 outra região espanhola, o Território Bobal, que inclui vinhedos certificados com a DO Utiel-Requena, solicitou que a Unesco a reconheça como “Paisagem Cultural da Humanidade, categoria criada pela Unesco em 1997 (abaixo, caves subterrâneas em Requena).

Sete regiões produtoras de vinhos atualmente já são reconhecidas como patrimônios da humanidade pela Unesco: Alto Douro, Portugal; Vinhas do Pico, Açores/Portugal; Saint-Emillion, na França; Tokay, na Hungria; Lavaux, em Genebra, Suiça; Mittelrhein, na Alemanha e Piemonte, na Itália (foto abaixo).

Além destes territórios, outros valores culturais da indústria vinícola também já são Patrimonio da Humanidade: a técnica “vite ad alberello” de 3.000 anos de cultivo de uvas de “maneira heróica” na Ilha Pantelleria, Itália e o “Qvevri”, método ancestral de elaboração de vinhos da Geórgia que data de estimados 8.000 anos (abaixo).

A área protegida pelo tombamento na região de La Rioja seria de 589 quilômetros quadrados (Área Núcleo) que inclui 63.593 hectares de vinhedos da DO Rioja Alavesa e 12.000 hectares da DO La Rioja. Segundo os coordenadores da proposta, mais da metade dos produtores da região são pequenos, com até 2 hectares cada um. Na foto abaixo o acesso subterrâneo ao Museu da Cultura do Vinho de La Rioja, em Logroño, considerado pela Unesco o melhor do mundo em sua categoria.

Segundo o Portal Catavino, da Espanha, os critérios apontados são identidade local, tradição e inovação. “O Valle del Ebro foi e é um caminho natural que serviu de estrada para diferentes povos ao longo da história. Os trabalhos da vinha e do comércio do vinho resultaram na presença e, por vezes, na absorção de outras comunidades no território. A paisagem cultural foi palco de técnicas e procedimentos de produção permeáveis e integrados a outros lugares ao longo da história, até a introdução de sistemas franceses de processamento em meados do século XIX.” Abaixo, mapa da região das Denominações de Origem.

“A Paisagem Cultural de vinho e vinhas de La Rioja e Rioja Alavesa é um modelo excepcional de continuidade de uma tradição cultural viva que começou no tempo dos romanos e tem um desenvolvimento especial durante a Idade Média para se tornar o elemento dominante a paisagem. A atividade teve seu desenvolvimento baseado em uma convivência equilibrada de tradição, desenvolvimento e inovação. Atualmente a cultura do vinho e sua paisagem são elementos fundamentais da identidade local.”

Saiba mais – In Vino Viajas é cultura:
·      Conheça seis regiões vinícolas tombadas pela Unesco em http://www.invinoviajas.com/2013/03/seis-vinhedos-patrimonio-da-humanidade/

·      Conheça a sétima região tomabada pela Unesco, o Piemonte, na Itália: http://www.invinoviajas.com/2014/06/piemonte-na-italia-e-setima-regiao/

·      A Cultura do Vinho poderá ser Patrimônio Imaterial da Humanidade pela UNESCO –  http://www.invinoviajas.com/2013/12/a-cultura-do-vinho-pode-ser-um/

·      Conheça a técnica produtiva ancestral de Pantelleria, Itália em http://www.invinoviajas.com/2014/12/tecnica-de-3000-anos-de-cultivo-de-uvas/

·      Conheça a técnica produtiva ancestral de Qvevri da Georgia em http://www.invinoviajas.com/2013/12/qvevri-cultura-do-vinho-passada-de-pai/
 (*) Rogerio Ruschel é jornalista, e mesmo trabalhando em São Paulo, Brasil, é solidário com a campanha do Pais Basco junto a Unesco.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *