França investe pesado para colocar 20 milhões de turistas no mapa de suas rotas de vinho em 2020

Tempo de leitura: 6 minutos

 

Por Rogerio Ruschel (*)
Meu caro leitor ou leitora, a França é mesmo surpreendente no que se refere a vinhos: quer receber 100 milhões de turistas em 2020, dos quais 20 milhões serão enoturistas! Esta revelação foi feita pelo Ministro das Relações Exteriores da França, Monsieur Laurent Fabius, em uma entrevista coletiva dia 10 de junho em Paris, e está alinhado com a história do país: na França foi criada a primeira Rota dos vinhos Gran Crus do mundo – na Borgonha em 1934, há 80 anos! – e atualmente cerca de 5.000 vinícolas praticam religiosamente o enoturismo e suas melhores práticas. E não custa lembrar: Bordeaux foi eleito Melhor Destino Europeu 2015 e se prepara para inaugurar um gigantesco museu especializado, a “Cidade das Civilizações do Vinho” (maquete na foto abaixo, do lado direito do rio), em 2016.

 

Para atingir esta marca o país vai desenvolver novos roteiros rurais de vinho; incentivar cruzeiros fluviais e adequar portos de rios; vai criar um fundo de investimento estatatal para financiar melhorias nas vinícolas e investir pesadamente em eventos de gastronomia. Este compromisso está assustando a concorrência e explico porque: muitos profissionais dos trades de vinho e turismo ainda consideram enoturismo uma atividade de nicho, um tipo de turismo que “complementa o turismo de sol&praia, cultural, de eventos e outros”, como ainda se ouve por aí. E só para você ter uma comparação, o Brasil – mesmo com 8.500 Km de litoral, 9 diferentes biomas e uma diversidade cultural gigantesca – recebe 6,5 milhões de turistas estrangeiros – incluindo o legado da Copa do Mundo em 2014… Na foto abaixo, a Place de La Bourse, em Bordeaux.

 

Veja alguns números:
·      Na Espanha 42.000 vinícolas receberam 2 milhões de turistas em 2014, o que gerou 50.000 empregos, segundo a Acevin
·      A associação Great Wine Capitals que reúne os 8 principais polos produtores de vinho do mundo, em oito paises, informou que em 2011 cerca de 32% do volume total dos vinhos produzidos nas cidades foram vendidas no balcão, para turistas
·      A U.S. Travel Association divulgou que a California recebeu 21 milhões de turistas em suas regiões vinicolas em 2008 – e que só o Napa Valley, o mais conhecido, recebeu 5 milhões deles
·      A Argentina recebeu a visita de 1,2 milhõões de turistas nas vinicolas associadas a Bodegas de Argentina AC, em 2011
·      O Vale dos Vinhedos, principal polo produtor de vinhos do Brasil, na serra gaúcha, recebeu e visita de 283.240 turistas em 2013.

 

Em 2014 a França recebeu 88 milhões de turistas e quer crescer cerca de 4% ao ano até 2020. É uma questão de percepção, de vontade política e de competência para realizar. Como disse o Ministro francês, “O turismo é um tesouro nacional e o vinho é um setor importante para atrair visitantes em nossas belas regiões vinícolas e apresentar parte de nossa cultura”. Veja na foto acima um dos muitos charmosos bares de rua em Dijon, capital da Borgonha. Fiquei curioso para saber qual a contribuição dos brasileiros a respeito do enoturismo francês e perguntei a Izabèle Pesinato, coordenadora no Brasil de marketing & imprensa da Atout France, a Agência de Desenvolvimento Turístico da França. Com elegância e profissionalismo ela me respondeu em menos de 48 horas. Veja a seguir.
 
Entrevista com Izabèle Pesinato, da Atout France – exclusivo.

 

R. Ruschel – Quais os cinco destinos de turismo em geral na França mais divulgados por jornalistas brasileiros?
I. Pesinato – Paris é sempre solicitada pela imprensa. As regiões mais “tradicionais” são bastante procuradas, como Provence (Riviera Francesa), região de Bordeaux, Vale do Loire e Rhône Alpes. (Veja mapa abaixo o mapa de Bordeaux.) E também existe uma procura por novidades em relação aos destinos como a Córsega e Normandia. Existe também uma solicitação por áreas temáticas de acordo com o perfil do veiculo do jornalista e as mais procuradas são: gastronomia, vinhos e aventura (roteiros de bicicleta e ski).

 

R. Ruschel – Qual o grau de interesse de jornalistas brasileiros sobre destinos ou roteiros de enoturismo e turismo relacionado a gastronomia na França?

 

I. Pesinato – Há uma grande curiosidade pelos assuntos gastronomia e enoturismo pelos jornalistas brasileiros e o interesse tem crescido com a evolução da disseminação da gastronomia francesa no Brasil.
R. Ruschel – Quais os destinos mais procurados por turistas brasileiros na França?
I. Pesinato – Os brasileiros que vão a França passam obrigatoriamente por Paris. A cidade dispõe de cerca de 85% de market-share. A segunda região é a Provence (incluindo a Riviera Francesa) e em seguida Aquitânia (com destaque para Bordeaux), Vale do Loire, Rhône Alpes, Alsácia (foto abaixo), Borgonha e Champagne, nesta ordem. Tahiti e St. Barth estão bem posicionados no turismo de luxo.

R. Ruschel – Qual o grau de interesse de turistas brasileiros sobre destinos ou roteiros de enoturismo e turismo relacionado a gastronomia na França?
I. Pesinato – Cultura e patrimônio, gastronomia e vinhos e shopping com turismo urbano são os principais aspectos atrativos de um destino para os turistas brasileiros. Assim, pontualmente sobre gastronomia e enoturismo, há uma grande curiosidade, mas são poucas as pessoas que efetivamente fazem uma viagem temática única e exclusivamente para isso. Geralmente fazem a viagem e dedicam uma, duas até três noites (quando há maior curiosidade) para o assunto, por meio de visitas às vinícolas e degustação do vinho. Como nos últimos anos os brasileiros viajaram mais e consumiram mais vinho, pode-se dizer que há um interesse em crescimento e também a mídia institucional tem colaborado para o aumento da demanda por esses roteiros, geralmente bem elaborados e com preços razoáveis. A maioria dos turistas vai para descobrir, ter um primeiro contato.  O enoturismo representa aproximadamente de 2 a 5% do total de vendas de uma operadora de turismo. (Na foto abaixo este repórter se prepara para mais um passeio em um dos muitos simpáticos vilarejos da Alsacia.)
 

Saiba um pouco mais sobre roteiros de vinho da França

Bordeaux é eleita o Melhor Destino Europeu 2015 – http://www.invinoviajas.com/2015/02/bordeaux-e-eleita-o-melhor-destino/
Bordeaux: capital do vinho e maior patrimônio urbano protegido pela Unesco – http://www.invinoviajas.com/2013/06/bordeaux-capital-do-vinho-e-maior/
Saint-Émillion, Bordeaux: atrações subterrâneas, belezas medievais e delícias gastronômicas – http://www.invinoviajas.com/2013/08/saint-emillion-bordeaux-atracoes/
Os vinhos da Alsácia: uma arte de 2.000 anos – http://www.invinoviajas.com/2013/01/os-vinhos-da-alsacia-uma-arte-de-2000/
Experimentando os sabores da Borgonha e Dijon – http://www.invinoviajas.com/2012/05/experimentando-os-sabores-da-borgonha-e/

 

(*) Rogerio Ruschel acredita que o enoturismo já deixou de ser uma ativiade de nicho há muitos anos. Agora é uma atividade de experiência turística, moderníssima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *