Fumacê na taça: vinhos produzidos com uvas e marijuana nos Estados Unidos

Tempo de leitura: 3 minutos

Por Rogerio Ruschel (*)

Meu prezado leitor ou leitora, já pensou em beber um baseadinho de Zinfandel ou Pinot Noir? Ou quem sabe dar um tapinha num fininho de
Chardonnay incrementado? Pois esta maluquice já está acontecendo nos Estados Unidos onde existem vinhos produzidos  com misturas de diversos tipos de marijuana, a velha maconha, ou, se preferir uma abordagem mais técnica, com a cannabis sativa.

Não sei onde você estava nos anos 70 ou 80, mas jovens produtores da California já faziam pesquisas com a mistura de ervas danadinhas com vinho desde o final dos anos 70 – e o resultado é que bebiam e fumavam (e faziam amor, tudo ao mesmo tempo!) e uma nuvem aromática flutuava acima dos vinhedos da Califórnia entre Santa Barbara e Sonoma. Pois é: misturar maconha no vinho não é ilegal em alguns estados dos Estados Unidos e pode se ampliar muito nos próximos anos, porque o uso da maconha vem avançando: cerca de 53% dos americanos apoiam a legalização da maconha agora, em comparação com cerca de 42% dos norte-americanos em 2010.

O Distrito de Columbia, onde fica a capital Washington, e quatro estados (Colorado, Washington, Oregon e Alaska) já tem iniciativas que legalizam o uso de maconha; outros 14 Estados descriminalizam a posse de determinadas quantidades (o tal uso recreativo) e 23 Estados já legalizaram a maconha medicinal. Fumar maconha em público é ilegal, mas o produto pode ser adquirido em drogarias (com receita) e até mesmo em máquinas automáticas em Seattle! Nada que seja espantoso em um pais onde se pode entrar em uma loja e comprar um fuzil, não?

A mistura de vinho com marijuana chegou pela porta da medicina: registros de espécies de ervas psicotrópicas como maconha sendo utilizadas para fins medicinais são muito antigos como entre os participantes dos cultos de Deméter e Perséfone na Grécia antiga. Arqueólogos encontraram registros que mostram que na China do século II DC o fundador da cirurgia Dr. Hua T’o usava vinho fortificado misturado com resina de marijuana para reduzir a dor durante as cirurgias. Gurus, mestres e religiosos de várias crenças (como o bonitão da foto abaixo) também bebem vinho (ou destilados) com cannabis e outras substâncias psicoativas como parte dos rituais, e entre eles os primeiros cristãos – incluindo, eventualmente, aquele hippie cabeludo chamado Jesus Cristo que multiplicava vinho, pregava paz e amor e chutou a canela dos maus políticos da Galileia.

OK, imagino que você esteja querendo saber mais sobre os vinhos com maconha. Pois bem, eu não provei ainda, mas para quem tiver interesse posso informar que sommeliers especializados (sim, já tem disso na América!) dizem que os melhores (mais equilibrados, com aromas de sabe-lá-o-que, bom corpo e final tóim!!!) são de uma vinícola chamada Muldersboch que vem produzindo vinhos tintos, brancos e rosés bem equilibrados com diferentes tipos de marijuana. O resultado são vinhos como o Mulderbosch Chenin Blanc que utiliza as ervas LA Confidential ou Tahoe OG  (Preço US$ 13.99); o Mulderbosch Faithful Hound Red Blend 2012, um vinho que se apresenta como um bordeaux que mistura as ervas Purple ou Blackberry Kush ao preço de US$ $25.00 ou ainda um colheita tardia Mulderbosch Noble que harmoniza a uva Sauvignon Blanc com as ervas Purple Haze ou Cheese e que custa US$ 29.99 uma garrafinha de 500 ml. E antes que alguém diga que estou incentivando o consumo de ervas danadinhas aqui no In Vino Viajas, já vou me adiantando: meu estimado leitor ou leitora, não faça isso em casa!

Quer saber mais? Procure a revista eletrônica especializada em cannabis em  http://www.thecannabist.co/2015/05/01/wine-weed-guide-pairings-marijuana/33764/

(*) Rogerio Ruschel é editor de In Vino Viajas em São Paulo, Brasil, onde vinho ainda é feito com uvas fermentadas e marijuana é ilegal

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *