Conheça o sobreiro mais velho do mundo, que há 231 anos produz cortiça no Alentejo, Portugal, e mostra que dinheiro dá em árvores

Tempo de leitura: 2 minutos

Por Rogerio Ruschel (*)

Meu prezado leitor ou leitora, dizem que dinheiro não dá em árvore, mas conheça aqui a “The Whistler Tree”, uma árvore que está há mais de duzentos anos dando uma grande contribuição econômica (além de ecológica, social e cultural) ao negócio da vinicultura em Portugal: o mais velho sobreiro do mundo, há 231 anos produzindo cortiça!

 

O sobreiro (quercus suber) é uma espécie de carvalho de cuja casca se produz a cortiça (foto acima), um dos poucos materiais construtivos do mundo que é 100% natural, 100% ecológico e 100% reciclável. A cortiça tem sido utilizada para selar garrafas de vinho por quase cinco séculos e é produzida a partir da casca desta árvore (veja abaixo) que cresce em clima mediterrâneo na Espanha, Argélia mas especialmente em Portugal, que é produtor de 53% da cortiça do mundo, especialmente na região do Alentejo.

A cortiça é retirada de nove em nove anos das árvores mais velhas, e até de 12 em 12 anos quando são mais jovens. Os cientistas afirmam que um sobreiro muito produtivo rende cerca de 4.000 rolhas em cada colheita, em média. Pois bem: em Portugal fica a “The Whistler Tree” (árvore do assobio em livre tradução, porque em sua copa ficam muitos pásssaros), com 231 anos comprovados e ainda uma magnífica produtora de cortiça: na safra de 2000 ela rendeu 825 quilos de cortiça bruta, o suficiente para produzir 100.000 rolhas para garrafas de vinho! É espantoso: são  25.000 % a mais do que uma árvore comum! A próxima colheita da fantástica bi-centenária árvore será em 2018. Veja abaixo o processo de retirada da casca de cortiça e um depósito de cortiça bruta.

Espécie protegida por lei em Portugal desde a Idade Média, além de seu grande valor econômico, o sobreiro tem importantes funções ecológicas. Em Portugal cerca de 730 mil hectares de Montado de Sobro (nome do bioma que abriga o sobreiros) formam um santuário de biodiversidade que protege mais de 60 espécies de aves, 24 de répteis e anfibios, 37 mamíferos e centenas de espécies de plantas. – veja abaixo um bosque destes. 

Como é uma árvore grande e alta (chega a atingir 25 metros de altura) e tem uma longa vida, o sobreiro estabiliza os ciclos naturais, ajuda a preservar o solo, recicla nutrientes e água, produz matéria orgânica em bom volume, reduz a velocidade dos ventos e pelo fato da cortiça ser um ótimo isolante, ajuda a evitar incêndios florestais. Realmente esta árvore merece um brinde: tim-tim, dona Whistler.

Conheça a videira com 500 anos da Quinta do Louredo, na rota dos vinhos verdes, Portugal – http://www.invinoviajas.com/2015/09/conheca-videira-com-500-anos-da-quinta/
Conheça um vinhedo com 200 na França que virou patrimônio cultural em http://www.invinoviajas.com/2014/11/vinhedo-frances-de-200-anos-vira/

(*) Rogerio Ruschel é editor de In Vino Viajas desdeSão Paulo, Brasil, onde não existem bosques de sobreiros, mas cortiça não falta…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *