Conheça a floresta encantada de Hallerbos, na Bélgica, beba uma cerveja exclusiva e sonhe com duendes, fadas e elfos

Tempo de leitura: 4 minutos

Por Rogerio Ruschel (*)

Meu prezado amigo ou amiga, tenho certeza de que você não iria à Belgica exclusivamente para provar seus vinhos, mas sim para provar alguns dos inacreditáveis 450 tipos de cervejas regionais – muitas exclusivas e outras centenárias – visitar os vilarejos graciosos com sua arquitetura histórica, conhecer suas histórias e lendas ancestrais e provar a gastronomia clássica do país que inclui pratos franceses e alemães, queijos diferenciados, doces como o wafel e o spéculoos e o badalado chocolate. Pois agora acrescente outra atração na sua lista: fazer um passeio com duendes e fadas na floresta encantada de Hallerbos.

Localizada no limite das regiões de Flandres (região de cultura germânica, com idioma flamengo/holandês) e Valônia (de herança francesa), no município de Halle, distante cerca de 25 Km da capital Bruxelas, a floresta de Hallerbos é espantosamente linda. Na primavera e no verão a floresta fica coberta de flores, jacintos selvagens chamados Bluebell (no detalhe, na foto abaixo) que misturam azul e violeta, formando um tapete encantador que certamente vai consumir toda a pilha da bateria de sua camêra fotográfica.

Embora atraia muitos moradores da região que fazem passeios, exercícios e caminhadas o ano inteiro, no outono friorento (acima) – e mesmo no inverno com quase 1 metro de neve! –  na primavera e no verão (de março a agosto) Hellerbos fica tomada por fotógrafos profissionais e amadores de todas as partes do mundo procurando recantos, ambientes, árvores, brumas, animais, insetos, fungos, cogumelos e flores, muitas flores. E você não precisa confessar mas procure fadas, duendes, faunos, elfos e outros seres encantados da floresta, que o visitante tem a forte impressão de que estão por lá!

Esta é uma floresta centenária: o registro mais antigo encontrado que faz menção a Hallerbos data do ano 686, no século VII, quando São Waltrudis doou uma boa parte do domínio da floresta à Abadia de St. Waltrudisna comunidade e Ducado de Bergen. Mas não deu muito certo e como os senhores de Bergen nãoforam capazes de gerir a floresta de maneira adequada, Hallerbos foi colocada sob a tutela e proteçãodos senhores da comunidade de Bruxelasem 1229, e assim ficou.

Preservada desde sempre e utilizada na Idade Média como território de caça de poderosos, mesmo perdendo pequenos pedaços, a floresta se manteve viva por séculos. Durante a Primeira Guerra Mundial Hallerbos foi quase destruída pelos nazistas; depois perdeu trechos para “o progresso” moderno do pós-guerra como rodovias, mas também ganhou áreas de agricultura e hoje, com apenas 552 hectares tem sido alvo de campanhas de replantio de árvores do gênero Fagus e carvalhos que levarão dezenas de anos para ficar como estas das fotos. A floresta oferece serviços de primeiro mundo para visitantes – incluindo um museu e mapa de trilhas – que você pode conhecer no site próprio, http://www.hallerbos.be/en/

Mas já que você vai estar na Bélgica procurando elfos e fadas para compartilhar uma bebida, aproveite para conhecer um pouco de seus vinhos. Embora a Bélgica não tenha grande tradição vinícola, vinhedos já existem lá desde o tempo do Império Romano. O país já foi parte das terras do Duque de Borgonha e teve momentos de glória nos séciulos XVI e XVII quando exportava vinhos brancos. Atualmente a produção é muito pequena e os vinhos brancos (90%) são produzidos em duas grandes regiões: no Flemish Brabant, onde convivem quatro AOCs – Appellations d’Origine Contrôlée incluindo a primeira a ser criada em 1997 e a mais importante delas, a Hageland; e em Walloon Brabant que tem uma AOC. 

O país tem menos de 100 hectares de vinhedos no total e se você for procurar em mapas locais, saiba que as vinícolas se chamam Domane ou Weingut, as adegas são chamadas de  Weinkellers e os castelos são Schloss. Mas enfim, para quem investiu seu talento na produção de cervejas maravilhosas e tem vizinhos como a França e a Alemanha, qual a necessidade de competir também com vinhos próprios? Porisso sugiro: depois do seu passeio na floresta mágica de Hallerbos, ofereça um pouquinho do seu copo de cerveja para os novos amigos duendes e elfos – exatamente como você faz aqui no Brasil, dando um pouquinho para o “santo”…
Você gosta de natureza bonita? Então veja estas três reportagens de In Vino Viajas:
·      Conheça o Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima, no Caminho Português de Santiago de Compostela – http://www.invinoviajas.com/2015/09/conheca-o-festival-internacional-de/
·      Percorra os “Caminhos das Maravilhas”, trilhas na floresta com obras de land-art, uma atração turística única na Serra de Francia, Espanha – http://www.invinoviajas.com/2013/11/caminho-dos-prodigios-surpreendente/
·      Faça um passeio pelos belos Vales Pasiegos da Cantabria, Espanha – http://www.invinoviajas.com/2014/01/os-belos-vales-pasiegos-da-cantabria/
(*) Rogerio Ruschel é editor de In Vino Viajas em São Paulo, Brasil, e acredita que as florestas têm vida e duendes, fadas e elfos são alguns de seus moradores.
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *