Surpresas enológicas: vinho para comer como sorvete, queijo, compota, geleia, caviar e até mesmo pirulito; conheça e saiba onde encontrar

Tempo de leitura: 6 minutos

 

Por Rogerio Ruschel (*)
Evidentemente o que todo enófilo como eu e você desejamos é degustar um vinho: apreciar a cor, saborear o aroma e finalmente sentir o sabor se espalhando pela boca. Esta é sempre uma oportunidade especial: beber um vinho, preferencialmente com amigos. Mas e se pudessemos também comer vinho? Muita gente já se fez e vai continuar fazendo essa pergunta e muitas respostas já estão no mercado. In Vino Viajas pesquisou e mostra para você algumas alternativas comestíveis para saborear vinho – se isso for possivel, é claro. Mas de qualquer maneira, meu caro leitor ou leitora, veja abaixo algumas opções de vinho para comer.

 

Vamos começar com delícias premium: vinho para comer em forma de caviar, compota ou chocolate.  Uma empresa de Portugal, a Sapientia Romanade, lançou recentemente um pacote de produtos que tem aroma e sabor de vinho, mas não têm álcool, e segundo informam, cada produto “mantêm os traços principais da casta que lhe deu origem”. Trata-se do projeto “Wine to Eat” que desenvolveu produtos como caviar, geleias e trufas de chocolate feitos à base de vinho do Porto, de moscatel (de Setúbal?) ou de vinhos de castas monovarietais como a touriga nacional, o pinot noir ou chardonnay. A ideia é, segundo o coordenador do projeto, Ricardo Correia, o coordenador do projeto, levar os vinhos portugueses para “as colheres dos consumidores europeus”.

Os produtos foram desenvolvidos pelo “chef” António Mauritti e resultaram da aplicação de técnicas avançadas de cozinha molecular. “Tudo aquilo que nós fazemos tem um aspecto inovador, são novas técnicas de gastronomia; o caviar é feito à mão. As trufas são cobertas e emulsionadas à mão e as geleias também são totalmente controladas à mão, não temos máquinas especiais”, informou o cozinheiro. O caviar exigiu cinco anos de dedicação para chegar ao resultado final. Ele explica como foi feito: “Reduzimos o álcool do vinho, fazemos uma pequena adição de açúcar, adicionamos ingredientes, neste caso enriquecemos com cálcio e fazemos submergir num banho com gelificante. Quando as gotas caem dentro desse banho cria-se uma membrana de uma geleia muito fina que encapsula lá dentro o vinho. Ficamos com uma bolinha com vinho lá dentro para degustarmos”. Simples, não?  O caviar está abaixo.

 

A aposta principal da empresa portuguesa é o mercado internacional. A marca foi criada em inglês, o site é em inglês e o próximo passo vai ser desenvolver versões destes produtos com vinhos estrangeiros como Pinot Noir e Sangiovese. Em Portugal os produtos podem ser encontrados no aeroporto de Lisboa (foto abaixo), em lojas gourmet, mercearias finas, lojas de vinhos (garrafeiras) e podem também ser adquiridos online, aqui: http://www.winetoeat.com/products.html

 

Outro produto que sempre harmoniza muito bem com vinhos brancos ou vinhos colheita tardia é queijo, concorda? Eu também, mas uma queijaria de Tenerife, nas Ilhas Canárias, Espanha, está fazendo queijos a base de vinho tinto para harmonizar consigo mesmos. E o tal do queijo acaba de ganhar um prêmio internacional. O queijo de vinho feito em Tenerife (foto abaixo) tem a aparência usual de um queijo, mas o sabor e a textura cativaram os jurados do concurso internacional World Cheese Awards, o mais prestigiado do setor, realizado em Outubro de 2015 em Londres, onde competiram 2.600 queijos de 33 países.

 

O queijo cottage com sabor de vinho da pequena produtora Quesería Montesdeoca foi premiado com a medalha de bronze – a mesma empresa também ganhou outro prêmio pelo seu leite de cabra defumado. O queijo com sabor de vinho tinto foi produzido pela família Montesdeoca na pequena aldeia de Tijoco Bajo, no município de Adeje, no sul de Tenerife, que tem apenas 1.500 habitantes. E acredite, meu prezado leitor ou leitora, os recursos da família são apenas um pedaço de terra, 1.200 cabras e muito talento para inovar.

Alberto Montesdeoca, de 30 anos e que dá duro como seus pais e irmãos explicou como chegaram ao queijo de vinho campeão:  “Com trabalho duro todos os dias”. A base é um queijo “velho”, com cerca de 12 meses de maturação, que é colocado por duas semanas em um barril de vinho. Os jurados desconfiaram que não deve ser assim tão simples, mas não forçaram o produtor a entregar a receita. A produção é pequena, mas se você quiser provar tente comprar pelo site dos Montedeosca, aqui: http://www.quesosmontesdeoca.com/

 

E que tal sorvete de vinho? Esse é mais fácil, já vi alguma coisa parecida, mas a empresa norte-americana Mercer’s caprichou e desenvolveu sorvetes (foto acima) com sabores de várias uvas: merlot, cabernet com chocolate, zinfandel, porto, riesling, chardonnay, um “spice” que mistura várias uvas e finalmente um espumante, que segundo os fabricantes, tem mesmo pequenas bolhas…
Alguns dos sabores associam uvas a outros sabores como frutas, chocolate, cassis e muitos deles tem recomendações de harmonização – que eu, pessoalmente, penso que se trata apenas de uma estratágia de comunicação. Mas neste doido mundo do vinho, meu caro leitor ou leitora, não se deve duvidar de quase nada… A Mercer’s fica no estado de Nova Iorque e vende nos Estados Unidos e em alguns paises através de distribuidores como na Alemanha, Holanda, Canadá e México. Se você não está em nenhum destes paises tente comprar pela internet – http://www.mercersdairy.com/#!home/mainPage– embora talvez seja dificil garantir que você consiga receber o sorvete não desmanchado…

 

Mas se estiver em dúvida entre comer ou beber um vinho, anote esta: você pode chupar um vinho – na verdade, um pirulito com sabor de vinho. Pois é, esta também vem dos Estados Unidos.  A Lollyphile é um fabricante de doces nascida em San Francisco, Califórnia e crescida em Austin, Texas – Estados Unidos. Embora tenha apenas 6 anos se tornou muito conhecida nos Estados Unidos pelos sabores originais de seus pirulitos – e pela comunicação baseada em momentos de muita sensualidade – feitos especialmente para jovens moderninhos que procuram novidades diferenciadas. Como por exemplo, este instigante pirulito com sabor de vinho Merlot, na foto acima.

 

A loira da foto acima está degustando um pirulito de Chardonnay – dá para perceber, não? Outro dos novos sabores de pirulitos com sabor de vinhos é um clássico: cabernet sauvignon. Se você prestar atenção, vai ver que a morena abaixo está segurando um pirulito de cabernet sauvignon. Se você estiver em dúvida sobre qual sabor de vinho escolher, não tem problema: compre todos para degustar.

 

Se quiser saber mais sobre estes pirulitos acesse aqui: http://www.invinoviajas.com/2014/04/tirem-as-criancas-da-sala-chegaram-os/

Um brinde a criatividade em torno do vinho.
(*) Rogerio Ruschel é editor de In Vino Viajas desde São Paulo, Brasil, e gosta de vinho para beber e para comer.

 

2 Comentários


  1. O queijo cottage com sabor de vinho da pequena produtora Quesería Montesdeoca foi premiado com a medalha de bronze – a mesma empresa também ganhou outro prêmio pelo seu leite de cabra defumado. O queijo com sabor de vinho tinto foi produzido pela família Montesdeoca na pequena aldeia de Tijoco Bajo, no município de Adeje, no sul de Tenerife, que tem apenas 1.500 habitantes. E acredite, meu prezado leitor ou leitora, os recursos da família são apenas um pedaço de terra, 1.200 cabras e muito talento para inovar.

    gostaria de saber mais informação sobre esse queijo feito com vinho tinto e o leite de cabra ,sou estudante de zootecnia entao meu trabalho de conclusão de curso e sobre queijo do leite de cabra poderia fazer umas perguntas basicas sou grata desde ´ja

    Responder

    1. Marlene, sugiro que você procure o produtor pela internet.
      Grato pela leitura.
      Rogerio

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *