Veja porque Lagoa, no Algarve – que tem uma das praias mais lindas do mundo – foi eleita a Cidade do Vinho 2016 de Portugal

Tempo de leitura: 5 minutos

Por Rogerio Ruschel (*)

Meu prezado leitor ou leitora, anote: Lagoa, uma pequena cidade com menos de 6.000 habitantes na região do Faro, no Algarve, bem no sul de Portugal, vai aparecer com mais frequência em publicações de enoturismo e turismo neste ano de 2016. É que ela foi eleita a Cidade do Vinho de Portugal 2016 pela AMPV – Associação dos Municípios Portugueses do Vinho.

Lagoa substitui Reguengos de Monsaraz, do Alentejo, que foi a Cidade do Vinho 2015 – e que apresentei aos leitores em vários reportagens. Para vencer a concorrência da AMPV, Lagoa apresentou um grande projeto envolvendo quase todos os municípios do Algarve e uma centena de instituições ligadas ao mundo do vinho, da gastronomia, do turismo, da agricultura, dos negócios e do desenvolvimento em geral.

Desidério Silva, Presidente da RTA – Região de Turismo do Algarve, informou que o enoturismo complementa a oferta turística da região e que “em 2016 todo o Algarve estará em festa para celebrar a gastronomia e os vinhos do maior destino turístico português”.  E o projeto apresentado promete realizar um grande conjunto de eventos e iniciativas de cultura, esportes, gastronomia, patrimônio e turismo durante 2016. Evidentemente In Vino Viajas vai acompanhar e documentar tudo para você.

O município é considerado um centro da agricultura no Algarve; sua outra mais importante atividade econômica é o turismo, especialmente ao longo da costa, nas áreas de Carvoeiro e Ferragudo, que alia patrimônio histórico, identidade regional, gastronomia supimpa e muitas praias ensolaradas (abaixo) – entre as quais a praia da Marinha, de prestigio internacional, na foto acima – e campos de golfe como o Gramacho e o Pinta, que fazem parte do Pestana Golf Resort, e o Campo do Vale de Milhocom nove buracos. 

 

O Convento de São José (detalhe do claustro, abaixo), construído em 1738, na parte histórica de Lagoa é o ícone da cidade. No jardim do convento está um menir proveniente da região de Porches, com origem entre 5000 a 4000 A.C. Hoje o convento é o Centro Cultural da cidade e sedia exposições de pintura, fotografia e escultura, concertos e peças de teatro, palestras e pequenas feiras. 

Outros patrimônios arquitetônicos e históricos são o Castelo de São João do Arade, de 1643, no bairro Ferragudo (foto abaixo); o Forte com a capela da Nossa Senhora da Rocha, também denominado Castelo de Porches, que aparece em registros do ano 1250, também abaixo; e a igreja de Nossa Senhora da Luz, no centro da cidade, reconstruída em finais do século XVIII após o terremoto de 1755, que mantém a porta original do século XVI. 

A cidade fica a apenas 7 quilometros do litoral e tem tradição vinícola ancestral, que foi perdida mas está em recuperação. O Algarve é uma das regiões mais quentes de Portugal, favorecendo a produção de vinhos brancos e rosés frescos e atraentes com as uvas Siria, Arinto, Perrum, Malvasia Fina, Manteúdo e Negra Mole e e tintos aromáticos e elegantes especialmente com as uvas Touriga, Alicante, Castelão, Aragonez, Trincadeira e Negra-Mole. Existem quatro DOCs na região: Lagos, Portimão, Lagoa e Tavira, mas os melhores vinhos estão na denominação genérica de Vinho Regional Algarve porque têm regras mais flexíveis e fazem blends das castas autorizadas com ótimas surpresas.

Lagoa já teve uma produção muito maior do que atualmente e sedia quatro vinícolas – outras três vão iniciar a produção em 2016. Uma das vinícolas, a Quinta dos Vales (acima e abaixo) em Estômbar, é uma combinação de adega com um centro de arte montado no coração dos vinhedos. A vinícola recebe muitos visitantes que procuram os bons vinhos e exposições de escultura moderna. 

A Única – Adega Cooperativa da Lagoa (foto abaixo) tem 64 anos, vários rótulos com premios internacionais e também organiza degustações de vinhos e visitas guiadas às vinhas; no verão aproveita seus mais de 26.000 metros quadrados de área e realiza a Feira Fatacil onde é possivel conhecer os maiores produtores da região e também a produção de artesanato, turismo, agricultura, comércio e indústria do Algarve – além, é claro, de degustar a gastronomia local.

Foi de Lagoa e da vizinha Tavira que no final do século XIX, quando a filoxera devastou os vinhedos da região do Douro (bem como de quase toda a Europa), milhares de pipas de vinho foram enviadas para Gaia, para que o Douro não parasse de produzir os vinhos do Porto.

 

O Algarve, bem no sul do país, é frequentemente citado como um dos melhores lugares do mundo para morar depois de aposentadoria; quando você for conhecer suas atrações enotrísticas, saiba que a Rota dos Vinhos do Algarve tem quatro roteiros e muitos vinhos para provar. 
In Vino Viajas já solicitou entrevista com o prefeito de Lagoa, o Sr. Francisco Martins, que com certeza vai nos atender porque os portugueses são sempre educados e atenciosos. Assim você e os demais leitores de 129 países que me prestigiam com sua leitura, vão poder acompanhar as iniciativas da Cidade do Vinho 2016 de Portugal.
Para saber mais sobre as rotas de vinhos, veja o que já publicamos sobre o Algarve aqui: http://www.invinoviajas.com/2014/10/algarve-portugal-eleito-o-melhor-lugar/

 

(*) Rogerio Ruschel é editor de In Vino Viajas em São Paulo, Brasil, e espera conhecer Lagoa e a região do Algarve em 2016.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *