Arquitetura de Siza Vieira e cardápio de Rui Paula: conheça a Casa de Chá da Boa Nova, o restaurante de Matosinhos, Porto, Portugal, que é um Monumento Nacional

Tempo de leitura: 4 minutos

Por Rogerio Ruschel

Meu caro leitor ou leitora, em dezembro passado fui a Porto, em Portugal, para participar de um congresso de turismo, dar aulas na Univesidade Portucalense, e fazer uma entrevista com uma pessoa para uma revista brasileira. Pois para minha alegria o entrevistado escolheu um local extraordinário para nossa conversa: o restaurante Casa de Chá da Boa Nova, projetado pelo arquiteto português Álvaro Siza Vieira, ganhador do Prêmio Pritzker, o “nobel” da arquitetura em 1992 e que serve a alta gastronomia do chef português Rui Paula, um dos mais badalados do país.

O restaurante da Casa de Chá da Boa Nova ou apenas Restaurante Boa Nova fica em Leça da Palmeira, município de Matosinhos, na região metropolitana de Porto, e é um belíssimo exemplo da inserção da arquitetura na paisagem.

Construído entre os anos de 1958 e 1963 sobre rochas de basalto a poucos metros do mar, em uma região próxima da praia do Aterro e do Farol de Leça da Palmeira, o restaurante Boa Nova alia grandes transparências de vidro com estruturas de cimento e metal e muita madeira em escadarias, no teto, no mobiliário e em detalhes de acabamento.

Um projeto tão exclusivo que em 2011 foi tombado como Monumento Nacional de Portugal. Aliás, os funcionários permitem que você visite a casa, sem necessariamente ter que almoçar ou jantar.

Alvaro Siza Vieira é um dos mais internacionais arquitetos de Portugal, com projetos em vários países e até mesmo no Brasil, onde fez o estudo urbanístico para a Lagoinha, em Belo Horizonte, e o Centro Cultural, auditório e a nova sede da Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre. Além do Nobel da Arquitetura (na foto abaixo), Siza Vieira ganhou outros prêmios importantes como a Medalha Alvar Aaalto, o Prêmio Mies van der Rohe e um Golden Lion da Bienal de Arquitetura de Veneza.

Como estava muito longe da malha urbana de Porto, a construção acabou abandonada por algum tempo, mas depois de profundas obras de restauro no prédio e no mobiliário por parte da Câmara de Matosinhos – sob a orientação do próprio criador Siza Vieira – em 2014 o restaurante foi concedido por 20 anos ao chefe Rui Paula que investiu cerca de 750 mil Euros em equipamentos, especialmente em uma cozinha moderna e funcional que você vê abaixo.

Hoje o restaurante Boa Nova costuma receber empresários e turistas que ocupam as 50 cadeiras de uma sala de refeições com vista para o mar, uma sala de almoços corporativos, uma área para chá da tarde, tudo com serviço de bar e uma adega internacional com 450 rótulos e especialidades portuguesas. Muitas pessoas visitam o prédio apenas para contemplar o mar, no fim da tarde.

E para harmonizar o ambiente e os vinhos, o chef Rui Paula desenvolveu propostas culinárias inovadoras e ousadas, em três menus de degustação: “O Mar e a Terra” e “Atlântico”, cada um com 9 propostas culinárias e algumas surpresas do chefe, num total de 14 sequências (a 120 Euros por pessoa) e o menu “Boa Nova”, menor mas muito interessante, com seis sugestões opcionais (85 Euros).

É possivel também pedir três clássicos fora dos menus de degustação: o “Arroz caldoso de peixe e lavagante da nossa costa”, uma “Cataplana de peixes e mariscos” e um “Robalo ao Sal”, todos a 80 Euros para duas pessoas e servidos em recipientes próprios, segundo a velha tradição portuguesa. Fotografei alguns destes recepientes, veja acima e abaixo.

Rui Paula (foto abaixo) nasceu no Porto, em 1967, e aos poucos foi construindo um grande legado nas artes culinárias. A primeira obra foi o Restaurante DOC (Degustar, Ousar e Comunicar), implantado em 2007 a partir de um edifício de linhas contemporâneas situado no cais da Folgosa, na estrada que margeia o rio Douro entre a Régua e o Pinhão, que se tornou um espaço moderno e cosmopolita. Em 2010, acompanhado de seu irmão e sócio, Rui Paula (foto abaixo) abriu o restaurante DOP, no Palácio das Artes, antigo Convento de S. Domingos do Século XIV, na zona histórica do Porto.

Em 2013 o chef atravessou o Atlântico e em parceria com o empresário brasileiro João Carlos Paes Mendonça, ex-dono da rede de supermercados Bompreço e do Hipercard, abriu o Rui Paula Recife Restaurante no luxuoso Shopping Riomar, o maior centro de compras de luxo do Brasil fora de São Paulo. E em 2014, ano em que passou a integrar o Júri do Masterchef Português e depois de lançar seu segundo livro, Rui Paula terminou a restauração e reabriu o Restaurante Casa de Chá da Boa Nova.

Pois é, meu caro leitor ou leitora, este foi um dia de sorte. Aliás, Porto é uma cidade que parece produzir coisas boas, energéticamente boas. Brindo a isso em companhia de Miguel Marques, um dos maiores especialistas em Economia do Mar do mundo (foto acima), com outra bela lembrança do talento português, um glorioso vinho do Porto com 20 anos – tim-tim!

(*) Rogerio Ruschel é editor de In Vino Viajas em São Paulo, Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *