Conheça as cervejas brasileiras feitas com misteriosos sabores da Amazônia como bacuri, taperebá, açai, cupuaçu e priprioca

Tempo de leitura: 4 minutos

capa-cervejas

Texto Liana John, da Conexão Planeta (*), edição Rogerio Ruschel                            
Meu caro leitor ou leitora, a premiada jornalista brasileira Liana John pesquisa há muitos anos os benefícios da biodiversidade dos pontos de vista social, econômico e cultural. Pois para alegria de quem gosta de experimentar bebidas diferentes, Liana publicou dia 17/11/2016, no portal Conexão Planeta, uma reportagem sobre cervejas especiais feitas com matérias-primas amazônicas pouco conhecidas, com o título “Sabores da Amazônia inundam cervejas especiais”. E para nossa alegria, Liana permitiu o compartilhamento com os leitores de In Vino Viajas. Com a palavra, Liana John.

EstaÁ„o das Docas BelÈm/PA - 28.07.04 Foto: Flavya Mutran

“A oportunidade de se diferenciar de outros estabelecimentos, na Estação das Docas, em Belém do Pará, acabou se transformando em uma premiada linha de cervejas especiais, com distribuição em todo o Brasil e vendas até para o exterior. A Estação das Docas é um centro cultural e comercial, na zona portuária revitalizada da capital paraense. Lojas de artesanato regional dividem o espaço com bares e restaurantes, incluindo o bar da Amazon Beer, uma cervejaria 100% artesanal, inaugurada em 2000.bar da amazon Beer que fabrica

 

No início, as cervejas eram produzidas somente ali, à vista dos consumidores. Mas em 2011, a Amazon Beer abriu uma fábrica e também passou a engarrafar suas cervejas especiais. “E já multiplicamos por 10 nossa produção”, conta Caio Guimarães, proprietário da empresa, em sociedade com seu pai, Arlindo Guimarães. A distribuição hoje alcança sete estados brasileiros e caminha para o exterior, com as primeiras exportações para o Japão e o licenciamento de produção para uma cervejaria de Londres, na Inglaterra.cervejas

Em geral, as frutas adicionadas às cervejas artesanais são ácidas para conferir frescor, sem arruinar a bebida com um sabor marcante demais. É o caso da primeira cerveja desenvolvida pela Amazon Beer e lançada em 2002, a Forest Bacuri, considerada uma fruit beer, clara e leve. O aroma frutado vem da adição de bacuri (Platonia insignis) na fase de maturação. É uma boa opção para acompanhar frutos do mar, carnes brancas e queijo brie. O mesmo se dá com a Witbier Taperebá, o sabor azedo da fruta facilita o trabalho do mestre cervejeiro. Também conhecido como cajá, o taperebá (Spondias mombin) é consumido em sucos e sorvetes há muito tempo, valorizado pelo alto teor em fibras, com vitaminas A, B e C mais ferro, fósforo e cálcio traduzidos em poucas calorias. A cerveja estilo belga é bem aromática e o fabricante a sugere com saladas, sushi, salmão e lagosta.bacuri-aberto-es

No caso do açaí (Euterpe oleracea), o mestre cervejeiro teve mais trabalho, por causa do sabor marcante. Então a Stout Açaí conta com café, chocolate e malte torrado para acompanhar o fruto amazônico, equilibrando a mistura. Trata-se de uma cerveja escura, com espuma cremosa, indicada pelo fabricante para acompanhar queijos duros, presunto cru e sobremesas à base de chocolate e frutas vermelhas.A Cupulate Porter seguiu um caminho semelhante: café, chocolate ao leite, cacau e amêndoas acompanham o sabor do cupuaçu (Theobroma grandiflorum) – na foto abaixo – com o qual se faz o chocolate amazônico ou cupulate. A cerveja adota o estilo tradicional inglês e o fabricante recomenda consumir com sobremesas à base de chocolate, baunilha ou frutas vermelhas.cupuaçu

Mas nem só os frutos compõem os sabores da Amazon Beer: também raízes e ervas dão um toque de floresta às cervejas. É o caso da Red Ale Priprioca e da Imperial IPA. A primeira é feita com a raiz de um capim aparentado com a tiririca, muito usada nos banhos de cheiro e perfumes regionais, chamado priprioca (Cyperus articulatus). De estilo inglês, harmoniza com carne de porco, carpaccio e aves. A segunda, lançada há apenas um ano, tem bastante malte e lúpulo com a adição de erva chama, uma planta usada por indígenas para atrair bons fluidos. Beer+Art

Agora, na Estação das Docas, onde tudo começou, o happy hour é sempre lotado: a partir das 17 horas cerca 400 pessoas aproveitam diariamente a biodiversidade embutida nas cervejas, em mesinhas com vista para o pôr do sol na Baía do Guajará. E os sabores da Amazônia não marcam apenas as bebidas da casa: estão igualmente nas porções de tira-gosto, como o pastel de tacacá, o bolinho de pato no tucupi com jambu e as unhas de caranguejo! Aos consumidores de outros lugares resta o consolo de encontrar um toque amazônico em supermercados grandes, como Wal Mart, Pão de Açúcar, Zaffari (região Sul) e Zona Sul (Rio de Janeiro) ou em bares e restaurantes gourmet. Tim-tim!”

(*) Liana John é jornalista ambiental há mais de 30 anos. Já recebeu diversos prêmios, entre eles, o Embrapa de Reportagem 2015 e o Reportagem sobre a Mata Atlântica 2013, ambos por matérias publicadas na National Geographic Brasil. Veja outros artigos de Liana John em http://conexaoplaneta.com.br/blog/author/ljohn/

Fonte: Conexão Planeta – http://conexaoplaneta.com.br/blog/sabores-da-amazonia-inundam-cervejas-especiais/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *