Entrevista exclusiva com Don Sandeman, o mais antigo, mais internacional e mais misterioso personagem do mundo dos vinhos do Porto

Tempo de leitura: 9 minutos

Por Rogerio Ruschel

Uma entrevista exclusiva (e ficticia) de In Vino Viajas. Meu prezado leitor ou leitora, Don Sandeman – o misterioso cavalheiro da foto acima) – é o mais antigo, mais conhecido e mais badalado personagem do mundo dos vinhos. E um dos mais populares também, porque cerca de 26.000 garrafas com sua imagem são vendidas por dia, todos os dias, em mais de 100 países. O personagem Don Sandeman foi criado em 1928 pelo escocês George Massiot Brown encomendado pelo também escocês George Sandeman V para representar uma marca de vinho do Porto de sua familia, que já existia desde 1790. Desde 2002 é uma marca da Sogrape Vinhos, George Sandeman VIII é um dos gestores da marca, e muito longe da aposentadoria o personagem vale muitos milhões de Euros, razão pela qual está em tudo que é lugar.

Sim, Mr. Don Sandeman não é humano, mas mesmo assim tentei várias vezes conseguir uma entrevista com ele. Como criar personagens para representar a marca hoje em dia é moda na publicidade mundial, In Vino Viajas foi entrevistar este personagem que é importante para quem gosta de vinhos, mas que também é uma raridade no mundo dos negócios, um verdadeiro case de marketing.

Mister Sandeman me recebeu em duas oportunidades: na cave de Vila Nova de Gaia, depois de uma reunião com seus assessores (foto acima) e na Quinta do Seixo, no Douro (foto abaixo), onde verificava a amadurecimento das uvas que utiliza para sua própria constituição. Me concedeu a entrevista em Português, foi muito gentil e acho que abusei um pouco desta gentileza porque aproveitei para descobrir a verdade sobre algumas fofocas relacionadas com suas aventuras amorosas; no final Don Sandeman saiu das sombras das caves e revelou segredos inesperados de um Don Juan do mundo fermentado. Veja os principais trechos da entrevista a seguir.

Rogerio: Mister Sandeman, o senhor é português ou inglês? Como devo chamá-lo?

Don Sandeman: Mister Ruschel, obrigado pela oportunidade de falar com seus leitores; sei que são pessoas sofisticadas de 134 países, e muitas delas com certeza devem me apreciar há muito tempo porque também estou em tantos países assim… Na verdade todos deveriam me chamar de Mister Don Sandeman, porque sou um cavalheiro britânico. Nasci em Londres em 1928 mas cresci no Douro, a primeira região vinícola com Denominação de Origem do mundo, criada em em 1756 pelo Marquês de Pombal. Aliás, uma região digna da minha pessoa porque foi reconhecida como Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Mas como você é o primeiro jornalista a conseguir me entrevistar, pode me chamar de Don Sandeman, ou Don. E veja como sou elegante na foto abaixo vestido de coleção de 225 anos.

Rogerio: Quando entrevistei o Sr. Fernando da Cunha Guedes, CEO da Sogrape, ele me disse que o senhor foi muito importante para a empresa ser eleita por duas vezes seguidas como a melhor vinícola do mundo. Você se considera importante?

Don Sandeman – Não quero que você me considere esnobe, mas acho que represento a mais importante marca de vinho do Porto e sou um dos ativos mais importantes da empresa. Afinal, a Sogrape tem mais de 100 marcas, e eu sozinho sou responsável pela venda em média de cerca de 26 mil garrafas por dia em mais de 100 países! Sei que só perco para a marca Mateus Rosé, também da Sogrape, mas todos me dizem que sou muito mais sofisticado!

Rogerio – Dizem que o senhor representa uma marca muito inovadora. Porque?

Don Sandeman – Porque sempre fui pioneiro. A Sandeman foi a primeira empresa de vinhos do Porto a engarrafar seus próprios vinhos, o que era feito por terceiros. Foi a primeira a exportar vinhos engarrafados e rotulados; a primeira a gravar o nome nas barricas (como na imagem acima); a primeira a fazer investimento publicitário na marca, em 1905 – e em Londres. E entre estes pioneirismos, devo ressaltar que Sandeman foi também a primeira marca a ter um personagem-simbolo – eu, o Don Sandeman, criado em 1928, como um cidadão misterioso com capa de estudante da Universidade de Coimbra e chapéu de Jerez.

Rogerio: É verdade que o uniforme dos alunos da Escola de Hogwarts da série Harry Potter (foto acima) foi inspirado na sua roupa?

Don Sandeman: Eles não confessam mas eu tenho certeza que sim, até porque a autora, a inglesa K. Rowling, morou na cidade e costumava frequentar a Livraria Lello aqui do Porto, que inspriou parte das historias de Potter – e sinceramente é impossivel viver no Porto sem me conhecer, estou em todos os lugares …

Rogerio: É verdade que o senhor vai virar marca de hotel?

Don Sandeman – As minhas caves em Vila Nova de Gaia, onde hoje está o museu que cuida da minha imagem (foto acima), vão também abrigar um hostel com um total de 73 camas, um restaurante, uma esplanada, um bar, uma sala de convívio e uma sala para eventos. É um investimento grande que deve estar pronto em 2018. Soube que a Sogrape – a empresa que tem a felicidade de utilizar meu nome – fez uma parceria com o grupo The Independente Collective para fazer o que eles estão chamando de The House of Sandeman Hostel & Suites. Na verdade meu nome já batiza um restaurante em Lisboa, no Chiado (o The Sandeman Chiado, foto abaixo) e o Sandeman’s Sherry Visitor Centre na cidade espanhola de Jerez de La Frontera.

Rogerio: Como o senhor se sente vendo gente tão importante investindo em si?

Don Sandeman – Fico satisfeito porque meu nome já não cabe mais em uma garrafa de vinho do Porto, por melhor que seja. Não tenho muita intimidade com estes rapazes da The Independente Collective, mas me disseram que fazem hotéis e restaurantes com marcas de muito sucesso, embora com nomes um tanto quanto estranhas como The Decadente, The Insólito, Trincas e Cobre, em Lisboa, e a guesthouse Uva do Monte, na Comporta, com ótima imagem.

Rogerio: Por falar em imagem, o senhor me desculpe, mas não posso resistir à oportunidade: é verdade que o senhor teve um affair romântico na Russia com uma vodka, em um jantar em homenagem ao ex-presidente Vladimir Putin?

Don Sandeman – Mr. Ruschel, pensei que seu blog “In Vino Viajas” fosse um veiculo sério, que não se preocupava com este tipo de fofocas, mas vejo que todo mundo tem o mesmo interesse na vida alheia de um nobre como eu … Mas vou responder, porque sou solteiro e dono do meu chapéu. Vou com frequência à Rússia porque tenho milhares de admiradores por lá. Numa destas viagens fui levado a um jantar muito sofisticado com a cúpula dos dirigentes russos, entre os quais este tal de Vladimir Putin. Enquanto os convidados bebiam vinhos comuns, fiquei em uma mesinha ao lado de três vodkas da região, esperando minha vez de entrar em cena. Como uma delas falava inglês, ficamos conversando, trocamos receitas, segredos gastronômicos e a conversa estava tão boa que não vimos, tropeçamos e rolamos fora do carrinho e caímos no chão, atrás da cortina, quando fomos socorridos por um dos seguranças. Este tipo de coisa faz com que algumas pessoas me considerem um galanteador, um Don Juan, embora outros me considerem um grande guerreiro – e até já me chamaram de Darth Vader do mundo dos vinhos.

Rogerio: Então é verdade, o senhor teve um caso com esta vodka. Lembra como era o nome dela?

Don Sandeman – O nome dela era Despudorovka. Mas não foi nada muito importante, apenas um encontro mais caloroso, porque ela me disse que estava congelada por dentro…

Rogerio – Ela é uma dessas moças que foram fotografadas visitando sua adega em Portugal como mostra a foto abaixo?

Don Sandeman – Não, não conheço estas moças, esta foto com certeza não foi tirada na minha adega.

Rogerio – Para encerrar, senhor Sandeman, circularam boatos de que o senhor estaria namorando uma grappa que conheceu no Piemonte, na Itália, no verão passado. É verdade?

Don Sandeman – Não, as pessoas exageram. Sou muito popular e tenho amigas no Piemonte, na Sicilia, na Provence francesa, em Saint Emillion, no Alentejo e no Dão, uma grande amiga na Africa do Sul, a Pinotage, e amigos em várias partes do mundo como o Super Toscano em Siena e um tannat sul-americano. De fato conheci uma Grappa ragazza no Piemonte, era mesmo interessante, mas não tivemos nada mais sério, continuo solteiro – e feliz. Mas seu tempo está esgotado, Mister Ruschel!

Pois é, meu caro leitor ou leitora, depois destas perguntas indiscretas Mister Don Sandeman encerrou a entrevista. Fiquei pensando se o Sr. George Sandeman I sabia que estava fazendo marketing de primeira classe nos idos de 1790. Mas tanto sucesso é só charme deste personagem ou é um bom produto? Pois é bom mesmo, vive ganhando prêmios; por exemplo, o Sandeman Porto Tawny 40 Anos foi o sétimo vinho mais pontuado na classificação geral do ranking 2015 da Association of Writers and Journalists of Wines and Spirits – WAWWJ. Nenhum marketing sem conteúdo sobrevive 227 anos, nem que seja baseado em um britânico elegante, educado e conquistador como Mr. Don Sandeman! Brindo a isso.

Saiba porque Sandeman é importante: Fernando Guedes, CEO da Sogrape, explica porque sua empresa foi eleita pela segunda vez a melhor vinícola do mundo – http://migre.me/uVoOI

Conheça onde nascem as uvas que fazem o Sandeman: 30 fotos da impressionante beleza dos vinhedos do Douro em uma visita à Quinta do Seixo, da Sogrape http://migre.me/vXFLO

2 Comentários


  1. Meu amigo Rogério, que belo trabalho e entrevista perfeita com Dom Sandeman, se não for o melhor vinho do Porto, com certeza é o mais conhecido no mundo, portanto, vc conseguiu trazer uma entrevista perfeita, com grande conteúdo de informação. Parabéns!!!!

    Responder

    1. Obrigado, Edgard, foi muito dificil porque ele não queria falar… abraços

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *