Pesquisa mostra que na Espanha enoturistas gastam mais do que turistas de sol e mar e também mais do que turistas estrangeiros

Tempo de leitura: 4 minutos

Por Rogerio Ruschel

Meu prezado leitor ou leitora, In Vino Viajas publica regularmente pesquisas e ações positivas sobre o enoturismo realizadas em outros países para que tenhamos humildade para aprender com quem faz melhor. Pois neste momento em que alguns políticos se mobilizam em Brasília para alavancar a atividade em nosso país, publico uma pesquisa da Espanha com dados que podem ajudar a romper a inércia de vontade e mostram que o enoturismo há muito tempo deixou de ser atividade de nicho.

O novo Relatório sobre a Demanda de Enoturismo apresentado pela ACEVIN – Asociación Española de Ciudades del Vino – indica que o enoturista na Espanha é o que mais gasta em turismo, e mostra também que a atividade continua crescendo: o valor gasto e a estadia média dos enoturistas aumentaram novamente nas Rotas do Vinho de Espanha certificadas nos últimos 12 meses.

O Observatório Turístico de Rotas do Vinho na Espanha da ACEVIN apresenta os resultados relacionados ao segundo semestre de 2016 e ao primeiro de 2017 e estatisticamente se refere a cerca de 2,5 milhões de enoturistas registrados nas 27 Rotas do Vinho de Espanha certificadas nos últimos 12 meses. Os resultados são semelhantes aos obtidos em relatórios anteriores, embora algumas diferenças significativas sejam observadas. Alguns dos mais proeminentes serão aqueles relacionados à despesa média e permanecer no destino, fatores que retornam para dar números que excedem os do estudo anterior.

Assim, a despesa média do turismo de vinho atingiu a média de 156,6 Euros por dia (em comparação com 144,3 do relatório anterior) e a estadia média agora atingiu 2,65 dias (em comparação com 2,19 anteriores). Multiplicando os 156,6 Euros/dia pelos 2,65 dias no destino, chega-se a um total de 397,83 Euros por pessoa (em comparação com 316,10 do estudo anterior), um valor que está mais uma vez acima da despesa diário do turista estrangeiro geral (129 Euros/dia, de acordo com a última publicação do INE-EGATUR 2016) e das despesas diárias do turista geral espanhol em suas viagens pelo país (53 euros por dia, de acordo com dados FAMILITUR 2016).

No capítulo de despesas, os novos dados indicam que a maior parte é dedicada à restauração (alimentação), seguida de acomodação que, até agora, ocupava o primeiro lugar. Veja o quadro acima.

A pesquisa mostra que a demanda é predominantemente espanhola e o perfil sócio-demográfico do visitante continua a manter um equilíbrio entre os dois sexos, embora o número de mulheres (52,5%) seja um pouco mais alto do que o de homens (47 , 5%). A faixa etária predominante neste novo estudo é mais uma vez entre 46 e 65 anos, embora mais e mais turistas de vinho tenham entre 36 e 45 anos (27,2%). O intervalo de 26 para 35 anos foi reduzido nos últimos períodos, o que mostra a necessidade de focar tanto o produto do turismo de vinho quanto as ações de promoção para um público mais jovem.

Os resultados também mostram que o turismo de vinho continua a se comportar como uma fuga turística, um produto associado a fins de semana ou feriados-ponte. Os dados relativos às dormidas são muito semelhantes aos do estudo anterior: 53,7% dos turistas do vinho ficam durante a noite e 46,3% não, refletindo a importância do turismo local.

As acomodações hoteleiras das Rotas do Vinho de Espanha ainda são as mais exigidas pelo turismo vinícola, sendo os hotéis de 4 estrelas (com 24,7%) e os de 3 estrelas (com 21,2%) os preferidos. Mesmo assim, vale a pena notar o aumento notável que o alojamento rural experimentou, passando de 12,6% para 16,3%, uma porcentagem que é praticamente o dobro da demanda por este tipo de acomodação no ano de 2013. Só para lembrar, meu caro leitor, cerca de 65 milhões de turistas visitam a Espanha anualmente – e os segmentos relacionados a gastronomia e vinho são os que mais crescem na Espanha, e no mundo.

Será que algum gestor de vinícola ou gestgor de politicas públicas em regiões de produção vinícola ainda tem dúvidas sobre “se vale a pena investir em enoturismo”.

Fonte: Revista Digital das Rutas de Viño de España, novembro 2017 – https://www.wineroutesofspain.com/ver/4489/El-gasto-y-la-estancia-media-de-los-enoturistas-vuelve-a-aumentar-en-las-Rutas-del-Vino-de-Espa%C3%B1a.html

Saiba mais: Enoturismo e a economia da Espanha: 42.000 vinícolas receberam 2 milhões de visitantes, gerando 50.000 empregos em 2014 – http://www.invinoviajas.com/2014/12/enoturismo-e-economia-da-espanha-42000/

Saiba mais: Pesquisa na Espanha mostra que 91% dos turistas buscam informações sobre enoturismo em sites especializados e apenas 9% nos sites das vinícolas – http://www.invinoviajas.com/2015/12/pesquisa-na-espanha-mostra-que-91-dos/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *