Em 2018 o Brasil vai abrir portas e janelas para enoturistas do Brasil e do exterior; saiba o que precisamos melhorar

Tempo de leitura: 4 minutos

Por Rogerio Ruschel

Prezado leitor ou leitora, o enoturismo no Brasil envolve os patrimônios culturais, gastronômicos, históricos, religiosos, estéticos, artísticos, naturais e arquitetônicos de mais de 5 milhões de pessoas de cerca de 150 localidades e municípios em cerca de 40 regiões de 10 Estados brasileiros. De fato, não é pouca coisa e não existe só na serra gaúcha. Acima: paisagem do Vale dos Vinhedos da Pousada Borghetto Sant’Anna, em foto de Gilmar Gomes. E parece que 2018 será o ano em que o enoturismo – o turismo ligado à cultura do vinho e das comunidades nas quais se produz esta bebida – finalmente receberá alguma atenção e compromisso de políticos, entidades e órgãos de governo de maior expressão. E a Feira Internacional de Turismo de Madri – a gigantesca Fitur, que se realizará de 17 a 21 de janeiro de 2018 – será a primeira vitrine do nosso enoturismo que pretende se posicionar no mapa mundial do segmento.

Isto já é resultado do convênio feito pelo Instituto Brasileiro do Vinho – Ibravin e pelo Instituto Brasileiro de Turismo – Embratur, que assinaram um protocolo de intenções (foto acima, da revista Panrotas) para executar ações conjuntas voltadas à promoção e comercialização do Brasil como destino turístico no mercado internacional. Segundo Vinicius Lummertz, presidente da Embratur, “O grupo de trabalho pode gerar ações concretas como a realização de workshops entre produtores e operadoras de Turismo que comercializam rotas turísticas de vinhos, além da criação de um hotsite e publicações sobre o segmento, que tem um potencial em ascensão no país”.

Na imagem acima resumo do que atrai visitantes a um território vitivinicola da Itália. Este convênio se insere no contexto de mobilizações como a da Frente Parlamentar de Defesa e Valorização da Produção Nacional de Uvas, Vinhos, Espumantes e seus Derivados, presidida pelo Deputado Federal Afonso Hamm, e da Frente Parlamentar da Fruticultura e Vitivinicultura do Rio Grande do Sul, presidida pelo Deputado Estadual Elton Weber, que realizaram uma audiência pública sobre o assunto, em Brasilia, com a presença, inclusive, de Ivane Fávero, presidente da Aenotur – Associação Internacional de Enoturismo. Já antes disso, em 2016 pesquisadores criaram o Cepavin – Centro do Patrimônio e Cultura do Vinho, instalado no Núcleo de Estudos Agrários do Departamento de Geografia da UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, “criado a partir de diversos projetos já desenvolvidos pela UFRGS em parceria com a Chaire UNESCO Cultura et Traditions du Vin” como me disse em entrevista um dos criadores, o professor Vander Valduga.

Nos países vitivinicolas mais desenvolvidos há muito tempo o enoturismo já deixou de ser entendido como um produto menor ou de nicho, porque associa cultura, natureza, gastronomia, museus, história e até mesmo arquitetura diferenciada (na foto acima, fachada da Vinicola Irius, da Espanha, criada para atrair visitantes). Além, é claro, de atrair volumes muito representativos de turistas. Alguns números de enoturistas (visitantes com foco exclusivo no enoturismo) refletem isso:

  • 2,7 milhões de visitantes somente nas rotas de vinhos, na Espanha, em 2016
  • 15 milhões de visitantes somente no Napa Valley, nos Estados Unidos, em 2015
  • 14 milhões na Itália em 2016
  • 10 milhões na França em 2015
  • Vale dos Vinhedos, na serra gaúcha, registrou cerca de 400 mil visitantes em 2016Quadro acima: brasileiros são os principais visitantes a vinicolas de Portugal, segundo a Turismo de Portugal, na frente do Reino Unido e de paises europeus vizinhos. Considerando esta preocupação com o assunto, apresento alguns comentários sobre o que eu, como consultor e jornalista especializado, que estuda o que acontece nesta área no mundo inteiro, acho que deve estar na agenda do Brasil. Entre outros assuntos, lembro:

Agenda do enoturismo no Brasil – o que precisamos

  • Reconhecimento da importância da atividade por parte dos players diretamente envolvidos
  • Reconhecimento da importância da atividade por governantes e formadores de opinião
  • Politicas públicas de incentivo a toda a cadeia produtiva do enoturismo
  • Politicas privadas de incentivo – linhas de financiamento e suporte a investimentos
  • Um programa específico de pesquisas para avaliar e propor ações
  • Treinamento e profissionalização permanentes e em diversos níveis para toda a cadeia produtiva
  • Um modelo estrutural, um modelo organizacional e um código de governança de destinosNa foto acima, o Centro da Cultura do Vinho em Rioja, Espanha – também criado para atrair turistas.
  • Comunicação eficiente entre os diferentes atores públicos e privados envolvidos na atividade
  • Valorização dos diferentes níveis de conhecimento, identidade e diferenciação de destinos de turismo vinícola
  • Falta criar uma entidade que reúna poder público (MTUR, estados e municípios), academia e iniciativa privada (vinícolas, hotéis e hospedagens, museus, restaurantes), com independência ideológica, funcional e institucional
  • Falta criar um observatório que gere dados confiáveis de relevância operacional e apresente ideias de inovação tecnológica, cultural e institucional neste novo segmentoNa foto acima, este editor ajudando Carlos Raimundo Paviani, diretor do Ibravin (de camisa azul), a promover os vinhos brasileiros e pesquisar atividades enoturisticas na região dos Vinhos Verdes, em Portugal, em 2015.

Vamos trabalhar, vamos construir? Brindo a este futuro.

5 Comentários


  1. Parabéns!!!! Para nós que estamos ingressando no turismo rural é de suma importância que toda a cadeia seja impulsionada!!!!

    Responder

    1. Olá, precisamos sempre pensar na cadeia produtiva do turismo, no cluster econômico e social, sem abrir mão do patrimônio cultural.
      Obrigado pelo prestigio da leitura. Abraços, Rogerio

      Responder

  2. Uma das poucas autoridades que fala com total domínio da materia!!! meus parabens pelo teu vasto conhecimento Enocultural!!

    Responder

    1. Olá Maria Elena. Obrigado pelas palavras, vamos em frente avaliar nossas vantagens e limitações para fazer cada vez melhor.
      Abraços, Rogerio

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *