Jornalista português responde: se os vinhedos de Portugal fossem um país, qual seria sua dimensão?

Tempo de leitura: 4 minutos

Por Hugo Garcia

Estimado leitor ou leitora, como se deve medir a importância de uma atividade como a vinicultura? O português Hugo Garcia, editor do blogue PapaVinhos, avaliou a dimensão geográfica e econômica dos vinhedos de Portugal para responder a uma pergunta: se os vinhedos de Portugal fossem um país, qual seria sua dimensão? In Vino Viajas está publicando este artigo com exclusividade fora de Portugal. Antes de passar a palavra ao Hugo, lembro que Portugal é um país pequeno para os brasileiros (com 92.256 Km2 é o 112o. do mundo, 92 vezes menor que o Brasil, que tem 8.515.767,00 Km2), mas que se agiganta no crescimentoe conômico, no turismo, na qualidade de vida e na vitivinicultura. Veja a seguir as conclusões a que Hugo Garcia chegou.

“Se os vinhedos de Portugal fossem um país a dimensão do seu território seria o equivalente a 6 vezes a ilha de Malta, tendo em conta que a área de vinha plantada em Portugal no ano de 2016, correspondia a 193 mil hectares. No entanto, as perspectivas indicam que a área de vinha plantada vai aumentar, devido à carência de produção em algumas regiões e ao potencial de crescimento do sector, deste modo, a área de vinha pode atingir a dimensão do Luxemburgo.

A sua divisão administrativa seria complexa, rica e fruto da sua diversidade de microclimas, solos, histórias e tradições na produção de vinho, tendo cada uma o seu perfil próprio. As regiões a existir seriam 14, sendo elas, Vinho Verde, Trás-os-Montes, Porto e Douro, Távora-Varosa, Bairrada, Dão e Lafões, Beira Interior, Lisboa, Tejo, Península de Setúbal, Alentejo, Algarve, Açores e Madeira, onde a maior região seria o Porto e Douro, seguida do Alentejo. De referir que a Região Demarcada do Douro é a mais antiga no Mundo.

A capital do país seria a cidade do Porto, pela sua importância e longa história na comercialização do Vinho do Porto, que tanto potencializou os vinhos portugueses além fronteiras, quebrando o desconhecido, dando notoriedade aos vinhos e por se tratar de uma região pioneira na inovação, com grande capacidade de acrescentar valor ao sector.

Partindo para uma caracterização económica, a soma do seu valor seria superior a 1.6 mil milhões de euros, onde o foco é crescer e afirmar-se nos mercados externos. Em 2017 as exportações atingiram os 777 milhões de euros, o que representa 49% do volume de vendas totais, permitindo beneficiar de uma balança comercial positiva, registando um saldo superavit de 644 milhões de euros. No vasto leque de clientes, como Top 5, podemos encontrar o mercado francês, britânico, americano, alemão e países baixos, mas outros mercados internacionais revelam grandes oportunidades de crescimento, como o brasileiro, canadiano e chinês. No entanto, o consumo interno pronuncia uma longa tradição da sociedade em consumir vinho no dia a dia, faz com que o mesmo, represente um valor simbólico de 745 milhões de euros, onde a distribuição represente 52 % e a restauração 48 % do consumo.

Mas o potencial económico não se traduz somente em vendas de vinho, o enoturismo abriu uma janela de oportunidades, que potencializou a visibilidade e a atractividade do território, tornando a descoberta do sector do vinho, numa das principais razões a visitar, representando 10 % do volume de turistas em Portugal, são cada vez mais os turistas, que procuram degustar vinhos, conhecer as tradições, conhecer as vinhas e participar na vindima.

O dinamismo e potencial de crescimento do sector do vinho, reflete-se no crescimento de sectores complementares, tais como, a industria vidreira, a industria da cortiça, a industria gráfica, os serviços, o sector de transporte e logística, e a agro-indústria. Favorecendo o investimento e a criação de emprego em cada sector, desempenhando em simultâneo um papel crucial na criação de emprego e riqueza no interior do território, contribuindo de forma positiva para a fixação de população no interior.

Se a vinha portuguesa fosse um país, seria uma economia em franca expansão, virado para o mercado externo, procurado por muitos turistas e com muitas cartadas ainda por jogar.”

Saiba mais em https://papavinhos.blogspot.com/2018/10/cronica-se-vinha-fosse-um-pais.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *