The Porto Protocol: a indústria do vinho enfrenta com muita classe seu pior inimigo, o aquecimento global

Tempo de leitura: 5 minutos

Por Rogerio Ruschel

Prezado leitor ou leitora, as mudanças provocadas pelo aquecimento global já são suficientemente graves para a humanidade, com tormentas, tempestades, furacões e incêndios cada vez mais agressivos, ondas de frio e de calor nunca vistas antes – e como se isso não bastasse, horror dos horrores, já estão ameaçando os nossos vinhos!!!!! Mas podemos ajudar a enfrentar isso com coragem, veja nesta história.

Segundo a NASA, nos últimos 136 anos desde que a temperatura começou a ser registrada, 17 dos 18 anos mais quentes ocorreram desde 2001, exceto em 1998; e o ano de 2016 foi o mais quente já registrado. Ora, vinho depende de uvas, um produto agrícola que depende do clima, que depende de sistemas como o ciclo do oxigênio, o ciclo da água, o ciclo da temperatura, o aquecimento dos oceanos e tantos outros. Pois nossas atividades predadoras com os recursos do planeta estão desequilibrando ou destruindo estes ciclos, e isso já está chegando às garrafas e adegas.

Al Gore vem denunciando isso há mais de uma década, como na foto acima, com o cantor Bono, no World Economic Forum. Na indústria vitivinícola estas mudanças vem sendo sentidas de diferentes maneiras, em diferentes partes do mundo. E há bastante tempo, como eu mesmo tenho publicado aqui no ”In Vino Viajas” (veja no fim deste terxto).

Um relatório de 2016 da AdviClim, uma organização independente que avalia o impacto das alterações climáticas, informa que as flutuações no clima previstas a longo prazo podem causar “mudanças geográficas em variedades de videiras e áreas de produção e mudanças na qualidade e estilo dos vinhos”. Isso significa, meu caro leitor ou leitora, que o status atual de “referência em qualidade” de determinados terroirs, uvas e produtores (como os franceses, italianos, californianos ou alemães) pode simplesmente virar pó, acabando com a dedicação das comunidades, o talento dos winemakers e a herança cultural de centenas de anos.

O relatório também informa que “A terra está ficando mais quente, os padrões climáticos cada vez mais irregulares e isso se torna uma das principais questões ambientais e socioeconômicas enfrentadas pelo desenvolvimento e produção vitícola sustentável no próximo século.” Traduzindo: até mesmo quem estava tranquilo com sua liderança em prestígio e lucratividade na atividade vitivinícola vai precisar pensar com seriedade no assunto.

Muitas organizações começam a se preocupar com isso e hoje quero lhes apresentar uma delas, o The Porto Protocol – o Protocolo do Porto. Está em inglês porque foi concebido assim: global, inclusivo, persuasivo e com forte sentido de urgência. O Protocolo do Porto nasceu na cidade do Porto, Portugal, pela força criativa de Adrian Bridge (foto acima), CEO da The Fladgate Partnership, empresa proprietária de marcas de vinho do Porto como Taylor’s, Fonseca, Krohn e Croft Port, além de hoteis como o fantástico Yeatman e o World of Wine, o gigantesco centro de visitantes, com museus, lojas e restaurantes que está nascendo no centro histórico de Vila Nova de Gaia.

Bridge explica porque se preocupou em formalizar uma proposta de ação no Protocolo do Porto: “A razão pela qual eu comecei a liderar este movimento sobre mudanças climáticas é simples: estou cansado de ir a conferências onde as pessoas me dizem qual é o problema. Eu entendo o problema. O que precisamos é da solução.”

Por isso em julho de 2018 a Taylor’s Porto da The Fladgate Partnership patrocinou o The Porto Summit 2018, uma conferência sobre mudanças climáticas, na qual o ex-presidente dos EUA Barack Obama (acima) participou como orador principal. Na oportunidade Adrian Bridge justificou porque sua empresa estava tão preocupada: “Vivemos de um produto agrícola extremamente vulnerável”. O evento reuniu especialistas e ouvintes e lançou o Protocolo do Porto, um conjunto de compromissos que busca incentivar a indústria global de vinhos para um objetivo comum: minimizar os efeitos da mudança climática o mais urgente possivel, reduzir as emissões de CO2 e compartilhar suas experiências e conhecimentos através da plataforman de internet https://www.portoprotocol.com/Pois agora entre os dias 5 e 7 de março de 2019 vai ser realizada a segunda conferência da série, denominada “The Climate Change Leadership Porto – Solutions for the Wine Industry”. Muitos cientistas, especialistas e empresários do primeiro escalão do mundo do vinho estarão reunidos na bela cidade do Porto – a Invencível – para refletir sobre as propostas do Protocolo do Porto. A palestra principal estará a cargo de Al Gore, ex-vice do presidente Bill Clinton, dos Estados Unidos, autor de vários livros e do documentário extremamente elucidativo denominado “Uma Verdade Inconveniente”, pelo qual acabou recebendo o Prêmio Nobel da Paz em 2007.

O evento deve reunir cerca de 750 pessoas que tem forte compromisso econômico e social com a indústria (veja acima). Adrian Bridge diz que Al Gore deve fornecer informação e inspiração para os participantes. “Estou à procura de inspiração. O que mais eu posso fazer? Que lugar melhor para encontrar motivação do que estar com outras empresas do vinho que lidam com essas questões, em outras partes do mundo? “

Atualmente a The Porto Protocol já está agindo além das fronteiras vinícolas, com a participação de universidades, empresas de consultoria, hotéis, organizações de turismo – e midias, entre as quais o blogue “In Vino Viajas”, um orgulhoso membro associado. Aliás, In Vino Viajas é o primeiro associado da The Porto Protocol no Brasil, e o segundo da America do Sul, depois da Bodega Catena Zapatta da Argentina. E seguramente é o blogue de cultura de vinho que mais pesquisa e publica sobre meio ambiente e sustentabilidade.

Este é meu compromosso pessoal como cidadão e editor. Brindo a isso!!!!

Para saber mais sobre o evento, acesse http://www.climatechange-porto.com/

Para conhecer algumas das reportagens de In Vino Viajas sobre sustentabilidade acesse http://www.invinoviajas.com/?s=sustentabilidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *