O patrimônio alimentar no turismo criativo é tema do Congresso Internacional INVTUR 2020 na Universidade de Aveiro, Portugal; participe

Tempo de leitura: 3 minutos

Por Rogerio Ruschel

Estimado leitor ou leitora, a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável proposta pela Organização das Nações Unidas (ONU) e adotada por todos os países-membros, tem o objetivo de erradicar a pobreza no mundo, através do atingimento de 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) com 169 metas. Como sabemos, o turismo é uma atividade econômica fundamental neste contexto – e em todos os países – porque de acordo com a Organização Mundial de Turismo, a atividade representa quase 10% do PIB mundial e 30% das exportações de serviços. Além disso, eu, você, seus amigos, todo mundo precisa se alimentar. Então, alimentos e turismo precisam estar alinhados com os ODS.

Por isso a edição de 2020 do INVTUR, uma conferência internacional de turismo de reconhecido importância, organizada pela Universidade de Aveiro, Portugal desde 2010, que vai ser realizado de 13 a 15 de maio de 2020, adotou como tema “Turismo e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: da teoria à prática”.

Várias universidades participam das comissões técnicas e dos diversos painéis. Um dos painéis sera sobre “A dialéticas dos patrimônios alimentares na experiência turística criativa” e será coordenado pela professora Josefina Salvado, do GOVCOPP da Universidade de Aveiro, minha particular amiga, em conjunto com o professor brasileiro Vander Valduga (da Universidade Federal do Paraná), e das pesquisadoras portuguesas Maria José Araújo e Susana Barata Gomes, da Universidade de Coimbra.

Este painel vai debater as dialéticas entre os Patrimônios Alimentares (PA) nas Experiências Turísticas Criativas (ETC) e os impactos no Desenvolvimento Sustentável dos Territórios (DST). Parece complexo, mas na verdade é simples – e muito importante. Será uma uma sessão no idioma Português e pesquisadores dos nove países da Comunidade dos Países de Lingua Portuguesa estão sendo convidados a participarem ativamente com suas contribuições técnicas.

Podem ser enviados resumos alargados (até 6.000 caracteres), artigos completos ou posters, que devem ser enviados em formato digital até 31 de outubro de 2019, através da plataforma PROA (https://proa.ua.pt/index.php/rtd/ ).

Como diz um documento da Universidade do Aveiro do qual reproduzo partes, “É notório que os valores simbólicos da alimentação há muito que se cruzam com o turismo transformando-se em importantes veículos culturais e com efeitos catalisadores do desenvolvimento sustentável das regiões. Todos os territórios possuem uma identidade cultural e alimentar próprias, marcadas pela evolução histórica e social dos seus sabores e saberes tradicionais. Por vezes esses atributos identitários não estão visíveis, exigindo-se um maior envolvimento das comunidades locais, da academia, das entidades políticas e reguladoras, para a sua identificação, reconhecimento, explicitação e disseminação do conhecimento.”

“Se por um lado a comida está ligada à construção de identidades, tanto individuais quanto coletivas, os sistemas culinários constituem por seu turno, espaços de inovação (criatividade) e de permanência (tradições), onde se valoriza cada vez mais o momento de preparar a comida e de partilhar a refeição. Esta dimensão cultural foi acomodada pelo turismo que a cunhou de turismo culinário, turismo gastronómico, e turismo gourmet”.

O painel vai discutir estes temas com os seguintes propósitos: assegurar a salvaguarda e a valorização do patrimônio cultural, material e imaterial existente nos territórios; criar diferenciação na oferta das experiências turísticas criativas; seguir as tendências mundiais de promoção das gastronomias locais e ser um influente domínio na Política Nacional.”

Para mais informações sobre as normas de submissão, taxa de inscrição, programa, alojamento, local da conferência e como chegar, ou formulário de inscrição, visite o website da conferência: http://www.ua.pt/invtur/

Meu caro leitor ou leitora, em 2011, a Universidade de Aveiro foi considerada uma das melhores universidades da Europa e a melhor de Portugal, pela revista britânica Times Higher Education. Aproveite a oportunidade e participe. Brindo a isso com meus amigos professores professor Josefina Salvado e Vander Valduga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *