Slow Food realiza evento internacional de seis meses para valorizar a identidade e a origem de alimentos saudáveis

Tempo de leitura: 4 minutos

Por Rogerio Ruschel

Meu caro amigo ou amiga, há males que vem para o bem. O mais importante evento de promoção e intercâmbio sobre alimentação saudável do mundo – o Terra Madre Salão do Gosto, realizado pelo Movimento Slow Food internacional – este ano, por causa da quarentena, vai ser ampliado e espichado: em vez de um congresso de 5 dias, vai se realizar durante 6 meses. Os eventos começam dia 8 de outubro de 2020 e terminam somente em Abril de 2021. Isso mesmo, seis meses! E será realizado em dezenas de locais do mundo, a maioria eventos online mas também alguns eventos físicos, onde for possível. E nesta edição histórica de 2020, o tema do evento será “Nossa Comida, nosso Planeta, nosso Futuro” e vai se discutir também o impacto da Covid-19 nos sistemas produtivos da alimentação do planeta.

A identidade e a origem como valor

O Movimento Slow Food foi criado pelo italiano Carlo Petrini em 1986, e tem como objetivo promover uma maior apreciação da comida, melhorar a qualidade das refeições e uma produção que valorize o produto, o produtor e o meio ambiente. Atualmente a organização atua através de mais de 1 milhão de associados em 160 países. Por esta razão os militantes valorizam a identidade e a origem dos alimentos – e a força dekes está na valorização da biodiversidade. Exemplo: o Slow Food colocou na Arca do Gosto 12 tipos de méis nativos do Brasil e que não são valorizados comercialmente, porque todo o sistema produtivo do capitalismo faz com que o mercado prefira o mel de abelhas africanizadas, que não são nativas do Brasil. A Arca do Gosto é um catálogo mundial que identifica, localiza, descreve e divulga sabores quase esquecidos de produtos ameaçados de extinção, mas ainda vivos, com potenciais produtivos e comerciais reais.

Pequeno produtor de mel de abelha Mandaçaia na Caatinga.

Em 2019 centenas de milhares de pessoas de dezenas de países se reuniram durante 5 dias em Turim – foi um happening grandioso. O contato pessoal de um evento assim não vai ser possível, mas se ampliam as oportunidades de conhecer pessoas, alimentos e culturas locais e com identidade, porque será possível participar dos eventos digitais ao vivo ou vê-los à vontade depois de terem acontecido, como dos Fóruns, Conferências, Palestras sobre Alimentação, Como é Feito e muito mais.

Aos jornalistas credenciados será permitido utilizar todos os materiais em vídeo ou parte deles para publicação online, para acompanhar os artigos, ou como fonte das histórias. 

Por causa da quarentena, o Movimento Slow Food vai realizar a maior e mais ampla edição de todos os tempos em termos de número de países envolvidos (quase 160!), de participantes e de quantidade de “ações por mudança” que será posta em prática por um milhão de ativistas em todo o mundo. Além disso, na nova geografia do Terra Madre, o Slow Food colocará em segundo plano as fronteiras políticas entre estados e regiões e concentrará a atenção em quatro ecossistemas globais (terras de altitude, territórios aquáticos, baixadas e áreas urbanas).

Os ativistas do Slow Food analisarão as várias fragilidades, problemas, soluções e oportunidades compartilhadas por esses ecossistemas, enquadrando o debate como parte da luta contra a atual crise climática e ambiental, que continua sendo a maior ameaça ao futuro da humanidade. Nossas relações com nossos alimentos – como produzimos, distribuímos, escolhemos e comemos – têm enormes impactos em nosso planeta e, consequentemente, em nosso futuro.

No Terra Madre, a idéia é entender para onde estamos indo e identificar as ações corretivas necessárias para garantir um futuro melhor… porque estamos ficando sem tempo! Para piorar as ameaças das mudancas climáticas, da poluição e do uso excessivo dos recursos naturais, o sistema alimentar foi profundamente afetado pela pandemia do Covid-19. Os impactos na oferta e demanda de alimentos estão ocasionando sérias consequências nos quatro pilares da segurança alimentar: disponibilidade, acesso, utilização e estabilidade. Então, como é possível alimentar o planeta e garantir alimentos bons, limpos e justos para todos?

O Slow Food tem a resposta: biodiversidade. O movimento sustenta que o único caminho a seguir é através da promoção da biodiversidade em todas as suas formas: desde bactérias invisíveis até as maiores espécies, bem como a diversidade de conhecimentos e culturas humanos. Esta missão é mais oportuna e urgente do que nunca. E para cumprir esta missão, é que o Terra Madre Salão do Gosto é necessário.

Acompanhe e participe dos eventos acessando aqui: https://terramadresalonedelgusto.com/en/event/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *