Governo espanhol investe 4 milhões de Euros para promover alimentos espanhóis no mercado externo

Tempo de leitura: 3 minutos

Por Rogerio Ruschel

Em setembro passado o governo da Espanha iniciou a campanha “Spain Food Nation”, um esforço promocional para promover e dar maior visibilidade aos alimentos espanhóis, principalmente azeitonas, azeite e vinho, que estão entre os produtos mais afetados pela crise da COVID-19 ou pelas tarifas impostas pelo governo norte-americano.

Os Ministérios da Agricultura, Pesca e Alimentação e Indústria, Comércio e Turismo da Espanha se uniram em um acordo de 4 milhões de Euros para a realização de uma campanha promocional em cerca de vinte mercados internacionais para fortalecer a imagem externa do setor agroalimentar espanhol. O Brasil não é um dos alvos.

A campanha “Spain Food Nation” destaca a qualidade e excelência dos alimentos espanhóis e fornece aos agentes de mercado todas as informações necessárias para promover a comercialização internacional dos alimentos espanhóis. Coordenada pelo ICEX (a Apex dos espanhóis), a campanha que começa esta semana e terá diferentes ações até junho de 2021, desenvolve a imagem da Espanha como um país que alimenta com segurança a Europa e o mundo.

Focado na promoção da azeitona e do azeite, do vinho ou do peixe, a campanha terá ainda atividades de destaque na qualidade diferenciada das carnes e produtos curados, frutas e legumes, vinagre, açafrão e outras especiarias espanholas. Será feita uma referência especial à sustentabilidade ambiental do país com a maior produção orgânica do mundo, à segurança alimentar dos produtos e à inovação aplicada à produção agroalimentar.

Além disso, serão destacados os valores empresariais do setor agroalimentar, revelados durante a crise da saúde. Valores que – segundo eles mesmos – têm estado evidentes no esforço que tem feito para garantir o corredor alimentar que tem assegurado o abastecimento na Espanha, na Europa e no resto do mercado externo, bem como na diversificação da sua produção em um momento de alta demanda global.

A campanha é dirigida a profissionais e consumidores de alto poder aquisitivo e terá como foco a geração de conteúdo para mídia internacional de grande prestígio (geral, estilo de vida e especializada) e a organização de eventos de relações públicas.

Os mercados onde a comunicação será mais intensa são Reino Unido, Alemanha, Estados Unidos, Canadá, Japão, Cingapura, China, Hong Kong e Coréia do Sul; seguido pela Suíça, Rússia, Holanda, países nórdicos, Irlanda, Taiwan e Oriente Médio. Para além da campanha publicitária, serão produzidos seis documentários para o canal de televisão Euronews, com veiculação em toda a sua plataforma digital, que transmite em 12 línguas e tem presença e alcance em 40 países de quatro continentes: Europa, América, África e na Ásia.

Também haverá ações em eventos organizados pelo ICEX, como o Foods from Spain Middle East and Southeastern Asia Tour, que será realizado no Vietnã, Indonésia, Malásia e Catar; Eat Spain, Drink Spain, no Reino Unido; as feiras de importadores Open Day 2020 Spanish Food & Wine Showroom, na China; ou a Semana do Vinho Espanhola, na Irlanda.

Pois é, meu caro leitor, é assim que se apoia a produção e venda de alimentos locais, pequenos, com identidade e orgiem. Tenho certeza que um dia o Brasil vai estar fazendo ainda melhor que os europeus.

Saiba mais sobre a Espanha em http://www.invinoviajas.com/?s=espanha

2 Comentários


  1. Prof. Rogério, uma campanha similar no Brasil poderia promover que tipos de alimentos?

    Responder

    1. Carlos Fioravanti, campanhas deste tipo poderiam incentivar produtos que tenham qualidade (básico para competir internacionalmente), identidade (para ter algum diferencial de similares com muito mais tradição) e condições de exportação como volume e acordos comerciais. Creio que a Apex poderia ajudar, embora nossos produtos “pequenos”, locais, da agricultura familiar, costumam não receber muito incentivo governamental, além de políticas de preço e compra para merenda escolar. Grato pelo prestígio. Rogerio Ruschel

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *