Vale do Alcântara: vilarejos mágicos, maccaruni di casa e lemoncellos inigualáveis

Vale do Alcântara: vilarejos mágicos, maccaruni di casa e lemoncellos inigualáveis

5 minutos Vale do Alcântara, Sicília: onde você é dono do seu destino Por Rogério Ruschel (*) Na Província de Messina, entre os montes Peloritanos e o vulcão Etna, na Sicília, fica um vale muito fértil cortado geológicamente pelo rio Alcântara – um dos poucos cursos d’água da Sicilia que tem água o ano inteiro: o Vale do Alcântara  Em casas como essas, de Malvagna, famílias literalmente moram há séculos! O rio nasce no Parque Nebrodi, perto do vilarejo de Floresta (considerado o povoado Continue lendo

Taormina, Don Corleone e o vinho de Plínio, o Velho

Taormina, Don Corleone e o vinho de Plínio, o Velho

6 minutos   Por Rogério Ruschel (*) Construída pelo menos 400 anos antes de Cristo sobre o monte Tauro, na beira do mar Jônico, Taormina é uma das cidades mais encantadoras da Sicília – e olha que esta frase é difícil de dizer, caro leitor! Fundada por antigos siculianos, refundada pelos gregos e adotada por romanos poderosos e ricos, a cidade fica entre Messina (52 Km) e Catania (85 km), um dos roteiros mais freqüentados por turistas.    Na verdade Taormina tem sido um Continue lendo

Vinhos vulcânicos, as montanhas Peloritani e as maravilhas de Tindari

Vinhos vulcânicos, as montanhas Peloritani e as maravilhas de Tindari

4 minutos O promontório de Tindari Por Rogério Ruschel (*) A Província de Messina é delimitada pelos oceanos Tirreno e Jônico e pelos montes Peloritani, uma cadeia de montanhas não muito altas (a Montagna Grande, maior pico, atinge 1.374 metros). De formação ígnea e metamórfica, a cadeia faz parte dos Montes Nebrodi a oeste e da estrutura do vulcão Etna, ao sul, e esconde pequenos vilarejos como Novara di Sicilia, Castroreale e Antillo. Os montes Peloritani vistos de Novara Saindo de Messina pelo litoral Continue lendo

Messina: a terra das Cruzadas, de monstros gregos e vinhos brancos

Messina: a terra das Cruzadas, de monstros gregos e vinhos brancos

3 minutos Messina é uma tres maiores cidades da Sicília (250 mil habitantes) e o ponto da ilha mais próximo do continente italiano: uma ponte imaginária cruzando o Estreito de Messina teria menos de 3,5 quilometros até Villa San Giovani, na Calábria. Como tudo na Sicília, o Estreito – local de tráfego pesado de grandes navios de cruzeiro – é superlativo: fica no Mar Mediterrâneo e liga o Mar Jônico ao mar Tirreno. Muitos mares, muitas travessias, caro leitor… Do Porto de Messina se Continue lendo

Sicilia:  um passeio pela terra dos três mares

Sicilia: um passeio pela terra dos três mares

3 minutos Por Rogério Ruschel (*) Lembra das brincadeiras na escola? O mapa da Itália parece uma “bota” – e a “bola” que ela está chutando é a Sicilia. Banhada por três oceanos – os mares Tirreno, Jônico e Mediterrâneo, de onde se originou seu slogan de Trimare (tres mares) – a Sicília é um mundo à parte, separada da Itália pelo Estreito de Messina, ponto de passagem entre o Ocidente e o Oriente.  Ao longo dos séculos esta ilha foi cobiçada por todos Continue lendo

O Movimento Cittaslow, Greve in Chianti e Slow Food

O Movimento Cittaslow, Greve in Chianti e Slow Food

9 minutos Por Rogerio Ruschel, de Florença, julho de 2012. Exclusivo Nesta matéria publico a segunda parte da entrevista com Paolo Saturnini, ex-presidente nacional da Associazzione Cittá Del Vino; ex-prefeito de Greve in Chianti entre 1990 e 2004; autor de dois livros de culinária envolvendo vinhos e do livro “L’armonia Del Chianti – riflessioni su una terra in bilico” sobre seu território e as memórias do nascimento do Movimento Cittaslow. Proposto e implantado por Saturnini em Greve in Chianti em 1999, o Movimento Cittaslow Continue lendo

Cittaslow: a revolução de gestão pública  inspirada no vinho

Cittaslow: a revolução de gestão pública inspirada no vinho

9 minutos Por Rogerio Ruschel, de Florença, Itália, junho de 2012 – EXCLUSIVO Paolo Saturnini (com casaco escuro na foto acima, comigo) foi presidente nacional da Associazzione Cittá Del Vino, que reúne as cidades italianas produtoras de vinhos e é um especialista sobre chiantis. É autor dos livros “Vini da mangiare”, com 200 receitas de uso do vinho na culinária, e “Giallo in cucina”, sobre o uso do açafrão, em parceria com Marco Mazzoni, produtor de açafrão.   Saturnini foi prefeito de Greve in Continue lendo

Safaris, a experiência da Vida Selvagem com Luxo e Mordomia na África do Sul

Safaris, a experiência da Vida Selvagem com Luxo e Mordomia na África do Sul

4 minutos Safáris são a principal atração da África do Sul e podem ser realizados em “game parks” privados (cerca de 350 no país), ou em parques administrados pelo governo. Para poder concorrer com os preços dos parques públicos – especialmente o Kruger – e atrair a exigente clientela formada especialmente por ingleses, alemães e norte-americanos, os parques privados oferecem muito conforto e qualidade. Administrados por empresas de turismo ou pelos próprios proprietários, eles tratam os hóspedes como verdadeiros reis. Os turistas circulam em Continue lendo

Cidade do Cabo, o charme holandes e a rota de vinho mais longa do mundo

Cidade do Cabo, o charme holandes e a rota de vinho mais longa do mundo

5 minutos   Por Rogerio Ruschel (*)   Vinhedo na região holandesa, Provincia do Cabo Ocidental Algumas das atrações turísticas mais interessantes da África do Sul estão na Provincia do Cabo Ocidental, no extremo sul do continente africano, mais de 1.200 quilometros de Joanesburgo. “Descoberta” pelo navegador holandes Jan Van Riebeeck em 1652, a Península do Cabo oferece mais de 100 praias de areia branquinha, montanhas e vales lindos e verdejantes, jardins botânicos e reservas ecológicas. Parece clichê, meu caro leitor, mas é verdade.  Continue lendo

Aventuras em Durban e na Zululândia, degustando as Amarulas da África do Sul

Aventuras em Durban e na Zululândia, degustando as Amarulas da África do Sul

4 minutos Depois de conhecer Joanesburgo, andar em elefantes, fazer safaris congelantes, degustar vinhos locais e curtir uma vida de “buana” inglês, fui para Durban com os outros jornalistas brasileiros do grupo de fantur. Durban, na costa do Oceano Índico, a pouco mais de 500 quilometros de Joanesburgo, tem uma população próxima de 1,1 milhão de habitantes, dos quais mais de 70% têm algum componente asiático/oriental no DNA (especialmente indianos, malaios e árabes). Principal cidade da Província de KwaZulu-Natal, que faz fronteira com Moçambique, Continue lendo

Conheça a África do Sul: terra de Aventuras, Safaris e vinhos Pinotage

Conheça a África do Sul: terra de Aventuras, Safaris e vinhos Pinotage

8 minutos O ranger acendeu o holofote e levei um susto ao ver uma leoa enorme, agachada na escuridão, a menos de cinco metros de mim, os olhos brilhantes fixos em um grupo de gazelas a 50 metros de distância. Congelei ainda mais (era uma madrugada muito frio), porque com apenas um salto ela me alcançaria, já que o Land Rover era aberto. Esta cena de safári fotográfico, emocionante e assustadora para quem está lá naquele momento, é inesquecível! Era a segunda vez que Continue lendo

Pizzas, Cafés e um Sforzato di Valtellina nas Ruas de Milão

Pizzas, Cafés e um Sforzato di Valtellina nas Ruas de Milão

2 minutos Saindo de Veneza, com duas horas e pouco de trem estávamos em Milão. As pessoas que visitam Milão têm opiniões diferentes sobre o “agito”, mas comungam com o fato de que é uma cidade muito bonita. Ficamos num hotel perto da boca de um metrô para facilitar o embarque no aeroporto, no fim do roteiro. Nos 4 dias que passamos em Milão, entre uma pizza e outra com vinho da casa – ou de vez em quando um jantarzinho mais caprichado com Continue lendo

Cotoveladas em Veneza e Um Bardolino Superiore com Russos

Cotoveladas em Veneza e Um Bardolino Superiore com Russos

4 minutos Continuando nosso roteiro de pique-niques pela Europa, (ver o blog Lago di Garda, meia ópera em Verona – e vinhos locais) em Milão pegamos um trem e fomos para Veneza, que ainda não conhecíamos. Veneza – ah! Veneza, você diria – estava lotada de turistas! Coisa de se acotovelar nos decks de embarque, fazer fila para comer um sanduíchezinho, fila para entrar em museus, fila para tirar fotos em qualquer lugar. Fizemos amizade com um casal de russos hospedados em nosso hotel – Continue lendo

Conhecendo o Norte da Itália: Lago di Garda, meia Ópera em Verona sem Romeu e Julieta e vinhos locais

Conhecendo o Norte da Itália: Lago di Garda, meia Ópera em Verona sem Romeu e Julieta e vinhos locais

4 minutos Depois de Genebra, Chamonix, Portobelo, Lucca e de rodar cinco dias pelas colinas da Toscana bebendo chiantis e brunellos em piqueniques gloriosos (veja outros posts) minha mulher, eu e mais um casal abrimos o mapa e orientamos o valoroso Mitsubishi para o lago Garda (ou di Garda, como os italianos preferem). O Lago Garda fica no nordeste da Itália, no Vêneto e Friuli, divisa com a Lombardia, uma região onde os romanos construíram muitas cidadelas e postos de guarda que hoje são Continue lendo

Parma, Lucca e San Giminiano: um brinde à beleza

Parma, Lucca e San Giminiano: um brinde à beleza

6 minutos   Em Parma, um glorioso Albana di Romagna DOCG Em nosso roteiro de piqueniques na Europa saímos de Chamonix pelo Valle D’Aosta e entramos na Itália pela região de Ivrea, onde pegamos a auto-estrada em direção a Alesandria e Piacenza, cortando o Piemonte – veja o blog “Nos Alpes, degustando bordeaux“,   O objetivo de dormir em Parma tinha uma motivação familiar: minha mulher Marisa e Suzana, sua irmã, queriam rever a propriedade onde bisavô delas havia morado, antes de migrar para Continue lendo

Nos vinhedos de Lavaux, Suíça, um patrimônio da Humanidade pela Unesco

Nos vinhedos de Lavaux, Suíça, um patrimônio da Humanidade pela Unesco

6 minutos A Suíça é um pequeno país (41.285 K2, do tamanho do estado brasileiro do Espírito Santo), com uma população total menor do que a cidade de São Paulo (7,8 milhões de habitantes) e com um dos maiores PIBs per capita do mundo – US$ 42.600.00 em 2010. Neste território, encravado no coração da Europa, convivem quatro principais regiões linguísticas e culturais oficiais: alemão, francês, italiano e romanche – uma mistura de todos os outros e quase uma raridade. Os suiços de origem Continue lendo

Experimentando os sabores da Borgonha e Dijon

Experimentando os sabores da Borgonha e Dijon

6 minutos Para aproveitar milhagens que estavam por vencer e o convite de um casal de amigos, fui conhecer de perto os sabores de uma região francesa muito badalada: a Borgonha e sua capital Dijon, território dos poderosos Duques da Borgonha, no Departamento Côte-d’Or, localizada a 310 quilometros de Paris e cerca de 200 quilometros de Lyon. Os primeiros habitantes datam da época do Neolítico e, cortada pelo canal da Borgonha e pelos rios Ouche e Suzon que contribuiram para o transporte e a Continue lendo