Saint Émilion: visita aos subterrâneos do Premier Grand Cru Châteaux Rochebelle

Tempo de leitura: 2 minutos

 

Por Rogerio Ruschel (*)
Aproveitei minha estada em Saint Emillion, na região de Bordeaux, para conhecer a badalada cave do Châteaux Rochebelle. Fui em abril, quando os primeiros brotos dos vinhedos já estavam escolhidos.

 

Rodeado por boa vizinhança (os Châteaux Troplong Mondot e Tertre Rotebouf), a propriedade Châteaux Rochebelle é da família Faniest desde 1847 – isso mesmo, 1847! – e tem um diferencial em relação aos demais produtores: os produtos não são vendidos em lojas ou para marchands: se você quiser uma caixa dos Grand Crus Classes da empresa vai ter que comprar entrando em contato com eles.

 

O vinhedo tem 5.500 hectares com 85% de uva Merlot e 15% Cabernet Franc, a maior parte qualificada como Premier Grand Cru Classés. A maioria das vinhas tem cerca de 45 anos, e a densidade média é de 6.000 pés de vinha por hectare plantados em um solo basicamente de calcáreo e argila com orientação oeste-sudeste.

 

O vinho é preparado do jeito tradicional; a primeira fermentação tem temperatura controlada entre 15 e 28 graus durante 15 dias em cubas de concreto e o produto é envelhecido em barris de carvalho frances por 15 a 18 meses – nas tais caves substerrâneas. A produção é limitada: anualmente apenas 1.200 a 1.500 caixas (cerca de 18.000 garrafas) do Châteaux Rochebelle são produzidas a cada ano, dependendo da colheita.

 

Um dos atrativos da visita ao Châteaux Rochebelle são as caves monolíticas, um conjunto fabuloso de suterrâneos, cavernas e adegas escavadas no século XVIII em uma única gigantesca pedra de calcáreo – razão pela qual o nome é Rochebelle.

 

Veja a série de fotos abaixo que mostram os corredores, barricas e garrafas descansando.

 

Em uma das pontas do subterrâneo foi aberto um túnel no teto, coberto por uma cúpula de vidro que tem duas funções: permite a entrada de luz para uma área de degustação, e permite a circulação do calor do sol dentro das cavernas, complementando a plena humidade – veja o detalhe da cúpula de vidro abaixo.

Durante a Segunda Guerra Mundial, quando a partir de 1940 grande parte da França foi dominada pelos alemães, os proprietários do Châteaux Rochebelle taparam e disfarçaram a entrada da adega subterrânea para evitar que os alemães consumissem, roubassem ou destruíssem vinhos de grandes safras que estavam envelhecendo ou que utilizassem o subterrâneo como bunker de armas e munições. Isto foi feito em toda a França dominada e é fato histórico que na região da Champagne produtores chegaram a esconder até veiculos nestas adegas subterrâneas. A Moet & Chandon, um dos grandes alvos dos alemães, chegou a emparedar quase 1/10 dos 24 quilometros de caves subterrianeas!

 

Se quiser experimentar o vinho, vai ter que comprar direto da fonte – Saiba mais no site http://www.chateau-rochebelle.com/fr_FR/

 

(*) Rogério Ruschel rogerio@ruscheleassociados.com.br  – é jornalista de turismo e consultor especializado em meio ambiente e foi à Bordeaux por conta dele mesmo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *