A art noveau nas ruas de Praga: a arquitetura kafkafiana

Tempo de leitura: 3 minutos

 

Por Rogerio Ruschel (*)
Praga tem uma arquitetura que considero kafkafiana: confusa, criativa, inventiva, assim como o escritor nascido em Praga – o que você vai ver nas fotos de fachadas e prédios deste post, como abaixo.

 

Praga é realmente uma cidade muito interessante. É diferente de outras cidades européias pela história, cultura, idioma, arquitetura – pela cor.

 

Paris é esverdeada por causa dos parques e bronzes urbanos; Roma é escurecida pelo tempo; muitas cidades francesas como Bordeaux e Saint Emillion e cidades espanholas tem cor de argila (que é ótimo para o terroir dos vinhedos) veja abaixo, visual de Sanit-Emillion; as cidades suiças são brancas ou azuis e muitas cidades italianas tem a cor dos mármores que utilizam – tipo assim cor de Duomo…

 

Mas Praga é avermelhada (veja a foto abaixo), talvez por causa dos telhados das casas, mas também porque me parece que os tchecos gostam de cores vibrantes.

 

Praga é criativa, colorida, simpática, fácil de se locomover, não é hostil ao turista – desde que você consiga se comunicar falando ingles ou tcheco. Mas acho que o traço mais marcante de Praga é sua “cara art-noveau”: a cidade inteira é surpreendente, como nas fotos abaixo.

 

  O Art Nouveau é um estilo de arte, arquitetura, mobiliário e arte aplicada que se tornou muito popular entre o fim do século XIX e o começo do século XX. Veja esta porta gigantesca, abaixo, comigo e minha mulher como referências.

 

Talvez o grande influenciador do estilo tenha sido o artista tcheco Alphonse Mucha, quando em janeiro de 1895 produziu um pôster de propaganda para a peça Gismonda com Sarah Bernhardt, que apareceu nas ruas de Paris – veja abaixo.

 

O poster popularizou um novo estilo artístico, inicialmente denominado Style Mucha e logo conhecido como Art Nouveau, que em francês significa “arte nova”.

 

Trata-se de um estilo inspirado por formas e estruturas naturais, flores e plantas, linhas curvas e ambiente natural. Isto é o que a História da Arte ensina, mas pessoalmente acho que a Art Nouveau se trata de uma manifestação antecipada do que veríamos muitas décadas depois, nos anos 1960: uma arte psicodélica sem saber disso, hippie sem artistas “bicho-grilo”, “chapada”, mas não de LSD, talvez de absinto – que, aliás, você encontra com grande facilidade em Praga.

 

A Art Nouveau foi mais popular na Europa, mas sua influencia foi global.  O estilo ficou conhecido como Jugendstil, na Alemanha (“estilo da juventude”), Arte Moderna na Rússia, arte Secessão na Áustria-Hungria e como Stile Liberty na Itália. Foi amplamente adotado na propaganda, como se vê nos cartazes abaixo, de Theóphile Steilein, Manuel Orazie e Mucha.

 

Art Nouveau também era o estilo de artistas e intelectuais como Gustav Klimt, Charles Rennie Mackintosh, René Lalique, Antoni Gaudi (como na Casa Batló, em Barcelona, abaixo) e Louis Comfort Tiffany, cada um dos quais interpretou o estilo de sua própria maneira.

 

Mas a grande estrela certamente foi Alphonse Mucha (retratado abaixo), e a cidade mais art-noveau do mundo é Praga. Um brinde a isso, caro leitor.

 

Em outro post você pode ver como a art noveau se apresenta nas obras de arte urbanas de Praga. Acesse

(*) Rogerio Ruschel – rruschel@uol.com.br– é jornalista de turismo e consultor especializado em sustentabilidade e foi a Praga por conta dele mesmo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *