Bordeaux: um pouco de gastronomia na capital mundial do vinho

Tempo de leitura: 4 minutos

 

Por Rogerio Ruschel (*)
Cheguei em Bordeaux perto do meio dia, vindo de trem de Paris (TGV, primeira classe, R$ 130,00 com desconto, 3:15 hs). Como tinha quase 2 horas para o check-in no hotel, fiquei na Gare St. Jean (abaixo) confirmando os roteiros para Saint Émillion e tentando entender o mapa do transporte público. Me lembrei que, pelos registros históricos, durante a Segunda Grande Guerra daquela estação sairam centenas de trens carregados de judeus diretamente para Auschwiz.

O transporte público da cidade é ótimo. Cheguei no meu hotel com apenas um tram de superfície e uma caminhada de duas quadras. Larguei a mala e saí correndo para almoçar: estava com fome propositalmente porque todos os guias informam que Bordeaux tem uma das melhores gastronomias da França, ao lado de Paris e Lyon e eu queria confirmar. Aliás, confirmei…

 

Caminhei pelo Cours de Châteaux Rouge, no centro, perto do Grand Thêatre e acabei pousando num dos muitos simpáticos e pequenos restaurantes lotados de pessoas. Evitei frutos do mar, deixei para comer no dia seguinte: pedi uma saladinha light de entrada, uma costelinha de carneiro temperada com vinho e uns raminhos verdes e uma batata soutê, com duas taças de vinho da casa: 32 Euros. 

 

Além de muito caprichada, a comida em Bordeaux é farta. Farta porque os pratos tem mais quantidade do que em Paris e farta porque Bordeaux tem pelo menos 1.000 restaurantes e cafés, para 240.000 moradores: é a cidade com mais restaurantes por moradores. E não é tão cara quanto Paris: com 18 a 22 Euros você pode escolher uma das alternativas do menu fechado, comendo bem.

 

Nos quatro dias que fiquei na cidade experimentei pelo menos duas vezes a segunda especialidade da cidade, os frutos do mar, porque a verdadeira especialidade, ostras, eu não gosto. E experimentei muitos temperos, vinagres e molhos diferentes que costumava ver em lojas especializadas.

 

Em quase todos os momentos em que passava na frente de uma boulangerie ou pâtisserie, tinha que resistir a não provar um “docinho”, especialmente o cannelé, um bolinho macio por dentro e crocante por fora, feito com rum, baunilha e flor de laranjeira – bandidinho de tão bom!

 

Evidentemente também bebi vinho em todas as refeições. Talvez o leitor espere que eu diga que bebi vinhos raros ou que tenha feito coisas bacanas, mas eu não minto: não fui a nenhum grande restaurante estrelado em Bordeaux – e a cidade tem pelo menos 26, pelo que soube. 

Por obrigação turística dei uma espiada no Grand Hotel de Bordeaux e Spa, na praça da Comédie que tem sete restaurantes badalados entre os quais o Le Pressoir D’Argent, estrelado no Guia Michelin, mas confesso que não almocei lá.

 

Posso ser um viajante duro mas não sou burro. Sempre pedia um bordeaux da casa, com preço de taça entre oito e onze Euros, o que é uma boa pedida para uma taça, porque em lojas eu poderia comprar garrafas de médio padrão por este preço. Mas isso não me incomodava porque qualquer vinho que eu pedisse teria sido muito bom, porque afinal eu estava em Bordeaux, a cidade que tem os melhores vinhos do mundo ao alcance da mão.

 

Por curiosidade e dever de ofício estive em várias enotecas e na École du Vin da Academie du Vin de Bordeaux (abaixo), mantida pelo Conseil Interprofessionnel du Vin, e da qual cerca de 60 chatêaux fazem parte entre os quais os Châteaux Haut-Brion, Lafite Rotschinld, Latour e Margaux.

Fiz pequenas degustações e “namorei” vinhos à venda por 20 a 600 Euros, lembrando que no Brasil custariam respectivamente algo como R$ 160,00 a R$ 2.500,00. Na Ecole du Vin vi garrafas com mais de 60 anos custanto 5.300 Euros, um espanto!

 

Estas obras primas são levadas a sério em Bordeaux. Eles não produzem vinhos, eles criam vinhos! Na região de Bordeaux existem cerca de 10.000 châteaux (na verdade nem todos são castelos e nem residências gigantescas como na Borgonha e Champagne).

 

Estive na L´Intendant, talvez a mais famosa loja de vinhos da cidade, perto do Grand Théâtre. As pratelerias desta loja são em forma de espiral (veja abaixo), e cada andar passa por uma região vinícola, pomeroal Margaux, Cadillac, Pauillac, Saint-Émilion – de ambos os lados do rio Garone. Bem mais acima estão os brancos e os vinhos mais caros como os badalados Châtêau Petrus e Château d´Yquem .

Estes châteaux produzem cerca de 950 milhões de garrafas de vinhos finos por ano de 57 apellations muito complicadas de entender, distribuidas por grandes regiões como Médoc (veja foto abaixo), Graves, Blaye, Saint-Emillion, Pomeral e Cadillac, cortadas por dois rios, o Garone e o Ardogne, na foz com o Oceano Atlântico – veja o mapa.

 

Como tinha pouco tempo, escolhi uma destas regiões para visitar. A escolhida foi Saint Émillion e o resultado você vai conhecer em outros posts aqui no In Vino Viajas.
Um brinde a isso, caro leitor.

 

(*) Rogerio Ruschel – rruschel@uol.com.br– é jornalista de turismo e consultor especializado em sustentabilidade; foi a Bordeaux por conta própria, e por isso não precisa ficar elogiando fabricantes de vinhos.

 

3 Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *