Feira livre de Genebra: especialidades, queijos, vinhos e diplomacia no cardápio

Tempo de leitura: 3 minutos

Por Rogerio Ruschel (*)
Quem me dá a honra de ler meus posts sabe que uma das coisas que gosto de fazer é visitar as feiras livres das cidades que visito. Acho que é nas feiras livres que se encontra o essencial da alma e da cultura gastronômica da comunidade, porque é lá que as familias se encontram, e é lá que se conhece realmente os hábitos alimentares das pessoas.
Estive algumas vezes em Genebra, e em uma destas vezes fui com minha filha fazer compras na feira livre do bairro Les Eaux-Vives (bem à direita, no centro da foto abaixo) e aproveitei para tirar algumas fotos. 
Mesmo com menos de 200 mil habitantes, Genebra é a segunda maior cidade da Suiça; destes, pelo menos um terço são estrangeiros, o que a torna uma das mais globalizadas da Europa.
Isto porque a Suiça é a sede de mais de 20 organizações multilaterais da rede da ONU e de 250 organizações internacionais de primeiro time. E embora a capital seja Berna, muitos diplomatas ficam em Genebra, onde se fala francês como idioma oficial e principal, um pouco de alemão e italiano (outros idiomas oficiais da Suiça) além do inglês, e onde se pode comprar especiarias como cogumelos (abaixo) em vários idiomas.
Então fiquei curioso: o que esta população de estrangeiros consome para comer na sua residência, ou ainda: o que poderia encontrar na feira livre? As fotos neste post mostram um pouco disso.
A feira fica próxima de vários restaurantes onde você vê amigos confraternizando, pedindo queijos e vinhos – ou comprando azeite de primeira qualidade por litro, como na máquina abaixo.
Aqui no Brasil a gente vai à feira para fazer compras e volta para casa. Lá – pelo menos na primavera e verão – este momento é transformado em uma oportunidade de bater papo e encontrar amigos. Suíços e estrangeiros pedem o cardápio especializado de queijos para fazer deliciosas harmonizações com taças de vinho branco.
É claro que você pedir vinho branco de qualquer pais, mas se quiser prestigiar os suiços, tem muitas oportunidades para conhecer novos rótulos. Só na loja Vinorama (veja foto abaixo), existem vinhos de mais de 150 produtores locais!
Os vinhos brancos suíços da denominação Lavaux, região mais próxima de Genebra (depois de Satigny) e mais importante do pais, são produzidos com uvas Chasselas (68% da produção, uma cepa suíça), Pinot Gris, Viognier, Sauvignon, Chardonnay, Silvaner ou Doral numa região debruçada sobre o Lago Leman, tombada como Patrimônio da Humanidade – veja abaixo.
Então já sabe: a feira livre pode apresentar parte da alma do morador.

Um brinde à feira livre de Genebra e à diplomacia do queijo com vinho.

(*) Rogério Ruschel é jornalista de turismo e enoturismo e consultor especializado em sustentabilidade. Esteve em Genebra por conta própria

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *