Post 101 do In Vino Viajas: um brinde ao mundo que passa na minha janela

Tempo de leitura: 3 minutos

 

Por Rogerio Ruschel (*)

Meu querido leitor ou leitora: neste que é o post de numero 101 do In Vino Viajas, quero registrar muitos agradecimentos. O  primeiro é para Deus, que está em algum lugar e em todos os lugares, e que tem me permitido trazer pedacinhos deste planeta maravilhoso e mostrar para você. Este Deus que se apresenta às vezes como um desconhecido, como um amigo ou como a minha família (abaixo) e que me ajuda a voltar para casa são e salvo, saudoso, cansado mas feliz.

 

Foi Deus quem me acompanhou em lugares estranhos como no teto de um trem nos Andes, beirando precipícios de mais de 1.000 metros. E que me levou para conhecer as surpreendentes maravilhas da natureza na Amazônia, na África do Sul, nos picos nevados do Mont Blanc ou em Galápagos.

 

Com certeza foi Ele que no caminho de Lençóis Maranhenses me enviou um macaquinho gentil como mensageiro da paz (abaixo), o que me comoveu por um loooooongo tempo.

 

Foi Ele também que me alimentou com sanduíches e gastronomia e me mostrou os melhores roteiros do vinho e da cultura sinmples dos produtores em vinhedos e adegas na Alsácia, Bordeaux e Borgonha; na Silicia e na Toscana; na Espanha, nos Carvelos de Portugal e na Savóia, em Stellenbosch e Franschhoeck.

 

Foi Ele que me levou para conhecer a beleza de locais maravilhosamente inesquecíveis como Praga, Paris, Genebra, Berna, Toronto, Florença, Berlim, Milão, Nova Iorque, Roma, San Francisco, Taormina e tantos outros.

 

Era Ele que também estava comigo naquele jardim parisiense, de frente para a alegria, e naquela janela em Veneza – e que me permite sempre poder ver um dia a mais na janela da minha vida.

 

Mas se Deus me permite escrever, quero agradecer a você que me honra com a sua leitura, que me incentiva compartilhando com seus amigos, e me faz sentir mais humano e útil trazendo pequenos momentos de paz, alegria, talvez encantamento e um pinguinho de cultura: é para você que visito vinhedos, museus, ruelas, praças, igrejas e calçadas pelo mundo.

 

Agradeço poder compartilhar minhas percepções com você que pode estar em algum dos 38 países onde até este momento este bloguezinho tem leitores registrados. Você pode estar na Alemanha, Áustria, Italia, França ou Canadá, que já conheço pessoalmente. Ou em países que habitam meus sonhos e estão na minha lista para um dia trazer para cá, como Índia, Eslováquia, Hungria e Irlanda; Letônia, Malta, Noruega, Moçambique ou Marrocos. 
Você, meu prezado leitor ou leitora d’além mar, um patrício que está em algum dos mais de 60 locais de Portugal onde o In Vino Viajas tem leitores regulares –  locais com nomes mágicos como Salvaterra de Magos, Figueira Da Foz, Caldas Da Rainha, Linda-a-velha, Vila Nova de Gaia, Lousa, Torre da Marinha, Viana Do Castelo, Peso Da Régua e outros poemas comunitários. Onde quer que eu vá cada passo será em sua direção.

 

Meu querido leitor ou leitora, tenha a certeza de que todos os dias, nos textos e fotos que você vai encontrar aqui no In Vino Viajas, estão a alegria de viver de um jornalista curioso e o agradecimento profundo de um ser humano a todos que o permitem ser feliz.
Dedico aos amigos e amigas este post de número 101. Um brinde a você: tim-tim.
(*) Rogerio Ruschel é editor deste blogue e um cara feliz.

 

10 Comentários


  1. Parabéns Rogério! Ja falei aqui e no face, adoro seu blog e as informações super úteis que você sempre divide conosco. Antes de ir para qualquer lugar sempre passo por aqui para pegar referências! Que venham mais 100 posts…e mais 100 e mais 100! 🙂

    Responder

  2. Olá Rogério. Cheguei num momento de reflexão… belíssimo por sinal. Já me "instalei" à sua mesa, como seguidora e amiga.
    Um abraço desde Portugal
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *