Bordeaux inaugura dia 01 de junho de 2016, o Cité Du Vin, o maior museu sobre a cultura do vinho do mundo

Tempo de leitura: 4 minutos

 

Por Rogerio Ruschel (*)

Inauguração está prevista para 01 de junho de 2016; ingressos a partir de 20 Euros já podem ser comprados em http://ticket.laciteduvin.com/en-GB/products. A Cité du Vin (Cidade do Vinho), projetada para “explicar a verdadeira dimensão universal da bebida” teve a pedra fundamental lançada na metade de 2013. A parte externa, que se se destaca pelo design que faz a estilização de um decanter já está pronta (foto acima) e os visitantes podem apreciar sua bela fachada composta por 972m² de vidro e 5.770m² de folhas de alumínio. O trabalho continua para que o museu seja aberto no dia 2 de junho de 2016. Durante a cop=nstrução foram feitas reduções no orçamento orioginal (cortados 18 milhões de Euros) e o nome foi reduzido para Cité Du Vin, para facilitar a comunicação.

 

Será um complexo arquitetônico de madeira e vidro (materiais importantes na atividade vinícola) com 55 metros de altura e um design similar a um decantador gigante, formando uma espiral curva que vai permitir visualizar as margens do rio Garonne (veja acima e abaixo, imagens aplicando a maquete na futura localização). 
 

O logotipo (na abertura deste post), estiliza a concepção arquitetônica e lembra  o traçado Morro do Pão de Açúcar do Rio de Janeiro.

 

A área total será de 14.000 metros quadrados, dos quais 750 serão utilizados para espaços de exposição fixos e 3.500 metros quadrados serão utilizados para um itinerário que vai apresentar 23 salas temáticas. Veja a seguir esquetes gráficos com os módulos do futuro itinerário a começar pelo Módulo 1, sobre “o mundo dos vinhedos”.

 

A visita guiada ao centro, que terá cerca de três horas, será oferecida em oito idiomas e haverá também um itinerário especial para os mais jovens e serviços para idosos. Abaixo o Módulo 2, sobre “no coração dos rerroirs”

 

Serão oferecidos cursos com foco em “uma imersão no universo cultural do vinho”, marcada por “estágios lúdicos, oníricos e sensoriais”, para permitir uma melhor compreensão da importância do vinho. O Módulo 3, abaixo é sobre “vinhos para todos os gostos”.

 

A construção do centro, que “não é nem museu nem parque temático, mas tudo isso e muito mais”, segundo qualificou o diretor do projeto, Philippe Massol, será executado por um consórcio de 40 empresas se reuniram em torno da empresa GTM Bâtiment Aquitaine, subsidiária da empresa de construção Vinci Construction. Abaixo, o Módulo 4, sobre a água e o vinho.

 

“Queremos ajudar a proteger e transmitir ao público em geral a milenar cultura do vinho”, informou aos jornalistas no evento de início das obras Sylvie Cazes, uma das líderes do projeto, para quem o futuro centro será o primeiro de seu tipo na Europa. Veja abaixo o Módulo 5, sobre “o vinho no coração das civilizações”

 

O complexo também contará com um auditório com 250 lugares, uma sala de documentação e leitura, um centro de mídia e seis salas de reuniões para oficinas de iniciação e degustação. Veja abaixo o Módulo 6, sobre “o vinho e o despertar dos cinco sentidos”

 

Em principio o centro terá duas grandes exposições anuais e uma ampla programação com diferentes manifestações artísticas, científicas e culturais como concertos, debates e simpósios. Abaixo o esboço do Módulo 7, que será sobre “o vinho e você”

 

O custo total do projeto está estimado em 63 milhões de Euros, dos quais 77% virão de  financiamento público (compartilhado pela União Europeia , pelo Conselho da Cidade e pelo governo francês, entre outros agências) e os 23% restantes do setor privado. O Módulo 8, abaixo, apresentará o tema “sabores e sonhos”.

O critico de vinhos Robert Parker foi nomeado embaixador da Cidade – veja foto abaixo.

A abertura ao público está prevista para abril de 2016. Com a Cidade das Civilizações do Vinho, a cidade de Bordeaux, que já é considerada a capital econômica do vinho, se tornará também a capital cultural do mundo do vinho. Abaixo, uma concepção do futuro restaurante panorâmico.

 

Em termos empresariais o centro vai criar 600 postos de trabalho durante a fase de construção e 750 empregos, direta ou indiretamente, uma vez concluído; entrando em operação deverá movimentar cerca de 40 milhões de euros por ano para a economia local, com a visitação estimada decerca de 450 mil pessoas cada ano, dos quais 80% seriam turistas franceses e 20% estrangeiros. A cidade de Bordeaux já recebe uma média de três milhões de visitantes por ano.
(*) Rogerio Ruschel é jornalista, enófilo e gostou muito de Bordeaux quando lá esteve.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *