O vinho é declarado bebida nacional do Uruguai e ganha status de alimento.

Tempo de leitura: 2 minutos

 

Por Rogerio Ruschel (*)
O Presidente da República do Uruguai, José Mujica, finalizou o começo de junho de 2014, um longodesejo do tradede vinho do pais vizinho, encabeçado pelo Instituto Nacionaldo Vinho (INAVI): o vinho uruguaiofoi declarado bebida nacional. Desde 2011, o INAVI eo Ministério da Pecuária, Agricultura e Pesca têm trabalhado em conjunto para alcançareste decreto que reconhece o lugar que tem o vinho como alimento. O raciocínio – que o Brasil ainda não faz – é que vinhoconsumido com moderação em todas as faixas etárias, características e tipos, é um alimento que pode ser incluído comoparte de uma dieta saudável porque contribui com a saúde.

 

O Presidente do INAVI JoséLez (foto acima) formalizou o assunto dizendo: “Congratulamo-nos com a conclusão deste decreto, porque reconhece o vinho uruguaio como parte da cultura, do patrimônio e da identidade dos uruguaios”.  O vinho uruguaio – conhecido internacionalmente como baseado na uva Tannat e harmonizado especialmente com cordeiro (foto abaixo) – tem procurado competir em competições internacionais e tem ganho prêmios, justificando a merecida reputaçãodos vinhos com uma clara influência do Oceano Atlântico.  

 

O Uruguai tem aproximadamente 270 produtores espalhados pelo país, a maioria pertencente a pequenos produtores com tradições familiares, mas também existem grandes empreendimentos que produzem vinhos em larga escala. É possível encontrar bodegas bem próximas a capital uruguaia e ainda nos departamentos de Salto, Canelones, Maldonado, Colonia e Rivera. Existe um roteiro turístico formal, o “Caminho do Vinho”, gerenciado pela Asociación de Turismo Enológico del Uruguay, do qual participam 14 bodegas: Alto de la Ballena, Bouza Bodega Boutique, Bodega Marichal, Bodega De Lucca, Viñedos Santa Rosa, Bodegas Carrau, Bodegas Castillo Viejo, Antigua Bodega Stagnari, Bodega Varela Zarranz, Viñedo de los Vientos, Bodega Filgueira, Vinos Finos H. Stagnari, Establecimiento Juanicó e Bodega Spinoglio.

 

A Argentina ja tinha feito o mesmo: em 2013 o Senado argentino aprovou uma lei que formalizou o que o trade já dizia na prátca desde  2010, declarando o vinho como a “bebida nacional” e o mate (foto acima) como a “infusão nacional” argentina.
 
Acho que o presidente do Uruguai esperou a chegada de meus amigos brasileiros Denis Lima e Silva e Tania Canadá, enófilo e sommeliére, respectivamente, como turistas em solo uruguaio, para divulgar o decreto. Saiba mais sobre enoturismo no Uruguai em www.loscaminosdelvino.com.uy

(*) Rogerio Ruschel é jornalista e enófilo brasileiro, gosta de vinho Tannat e um dia vai passar pelo  nos 30 dias no Uruguai para ver se é verdade que lá se desfruta de uma das melhores qualidades de vida do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *