Duas ou Tres Taças de Poesia e de Vinho com Pablo Neruda, Mario Quintana, Jorge Luis Borges e Gilberto Carvalho

Tempo de leitura: 6 minutos

imagem livro 
Por Rogerio Ruschel (*)

Meu prezado leitor ou leitora, hoje vamos falar de poesia e de como poetas conhecidos como Pablo Neruda e Mario Quintana a utilizaram para falar de vinhos. Mas vou também apresentar a poesia de meu amigo Gilberto Carvalho, gaúcho da principal região vinícola do Brasil, a serra gaúcha. Ele é publicitário e sociólogo, mas é poeta. E gosta de vinhos. Por isso não é de estranhar que logo escrevesse sobre o vinho e tudo aquilo que o cerca, a chamada cultura do vinho. Sua principal obra tomou forma com “De vinho e vida” – um conjunto de livro e CD com 14 poemas recitados pelo autor acompanhado pelo quarteto Os Polifenóis, em um belo estojo – a quarta obra do autor (veja abaixo).
capa livro gilberto1

 

A união da literatura com o vinho sempre me pareceu um caminho natural e adequado porque ambos tocam na alma, alegram o dia e melhoram a vida. Embora a união da literatura com o vinho (e da arte com o vinho) seja bastante usual na Europa – especialmente na Espanha, Portugal e Itália onde Rotas de Vinhos, museus especializados e vinícolas promovem eventos, saraus e lançamentos – no Brasil isto é raro, uma novidade. Ou era quando o livro de Gilberto Carvalho foi lançado em 2011 (foto abaixo) e mereceu o apoio do Ibravin – Instituto Brasileiro do Vinho. Aliás, Carlos R. Paviani, diretor do IBRAVIN, lembra o porque: “O vinho sempre foi um parceiro permanente do homem em todas as civilizações, estando presente no dia-a-dia, inclusive, da arte dos povos. O Ibravin, atento à esta realidade, alia-se a esta obra, exibindo a arte poética e musical da nossa gente como temática dos nossos vinhos do Brasil.”

espetaculo De Vinho e Vida no Rio de Janeiro,

Gilberto Carvalho traduz muitos dos sentimentos de quem ama o vinho com o calor dos amigos e a paixão do sabor, mas com a sobriedade necessária de quem se refere a uma bebida alcoólica. O poema “Encantamento” traduz parte disso: “Me agrada este flertar com as labaredas do fogo/de teu corpo/em minhas mãos./Ver tua alma inteira/desenhada em cada gole/de satisfação./ Gosto de te saber/assim, entre segredos,/onde confio/meus questionamentos./ (…) A insaciável decisão da nossa hora/é quem nos leva os dois pelo caminho/Tu, nos incontáveis goles que bebi/Eu, infetiçado em ti e neste vinho.” (Na foto abaixo, o lançamento do livro em Santa Maria – RS).

CESMA em Santa Maria - Gilberto

Outro poema interessante é Orquestração: “O vinho baila redondo/no cálice junto a mão/sob a batuta entusiasta/do maestro coração./No carnaval desta vida/meio a dores e alegrias/o vinho marca o compasso/no bloco das fantasias./Mas quando chega a manhã/vai-se até o vinho e então/bate um tambor solitário/o maestro coração!”. Muitos poetas conhecidos e experientes enalteceram esta profunda relação entre o coração, a poesia, a vida e o vinho. Pablo Neruda, o poeta chileno que recebeu o Premio Nobel em 1971, escreveu uma conhecida “Ode ao Vinho” da qual estes poemas fazem parte: “Vino color de día/vino color de noche/vino con pies púrpura/o sangre de topacio/vino, estrellado hijo de la tierra/vino, liso/como una espada de oro,/suave/como un desordenado terciopelo/vino encaracolado/y suspendido,/amoroso, marino/nunca has cabido en una copa,/en un canto, en un hombre,/coral, gregario eres,/y cuando menos mútuo.”

imagem piano

Já em “Soneto del vino” o escritor argentino Jorge Luis Borges tenta identificar os segredos do vinho: “¿En qué reino, en qué siglo, bajo qué silenciosa/Conjunción de los astros, en qué secreto día/Que el mármol no há salvado, surgió la valerosa /Y singular ideia de inventar la alegria?/Com otoños de oro la inventaron./El vino fluye rojo a lo largo de las generaciones/Como el río del tiempo y en el arduo camino/Nos prodiga su música, su fuego y sus leones./En la noche del júbilo o en la jornada adversa/Exalta la alegria o mitiga el espanto/Y el ditirambo nuevo que este día le canto/Otrora lo cantaron el árabe y el persa./Vino, enseñame el arte de ver mi propia historia/Como si ésta ya fuera ceniza en la memória.” (Na foto abaixo, o lançamento do livro em Bagé – RS).

Casa de Cultura Pedro Wayne en bage

Gilberto Carvalho (na foto abaixo) também procura desvendar o universo do vinho, como Borges e Neruda. Entre os poemas de “De vinho e vida” estão achados como em “Diferenças”: “Um vinho bom/tem música/é redondo/ e leva nossa alma para dançar./ Já o vinho ruim/é um velho rabugento/que estraga tudo/até o melhor momento/que brota de um olhar”. Ou este pequeno segredo minimalista: ”Eu trago um vinho guardado/feito de sonho e paixão,/alma e verso, voz e sangue/das vinhas do coração.” 

capa-gilberto e capa de livro
Como Gilberto Carvalho tem sangue português, “De vinho e vida” foi lançado também em Portugal. O circuito começou nos Açores, com dois lançamentos: na Ilha de São Miguel, com o apoio do gabinete da Governadora Sandra Souza e cobertura da RTP – Radio e Televisão de Portugal e na Ilha do Fayal, com um evento no auditório da biblioteca pública da cidade de Horta com a música da Jazz Band da Praia do Almoxarife. Já no continente, os poemas de Gilberto foram apresentados em Lisboa na Casa dos Açores; em Braga e no Famalicão – terra dos ancestrais do autor – os lançamentos foram na Universidade de Braga e na biblioteca municipal de Famalicão, com a presença de gente das artes e imprensa local.    

 

Gilberto me disse que está finalizando uma nova obra, a “De vinho e vida II”, que deve ser lançada em breve. Isto é ótimo porque precisamos prestigiar os amigos, o vinho e quem produz o vinho. Como o fez o poeta Mario Quintana – também gaúcho e conterrâneo da cidade de Alegrete como Gilberto Carvalho – que escreveu esta pequena pérola (veja acima): “Por mais raro que seja, ou mais antigo,/Só um vinho é deveras excelente/Aquele que tu bebes, docemente,/Com teu mais velho e silencioso amigo.”

De fato, como Gilberto Carvalho escreveu na abertura de seu livro, “Pior que uma vida sem vinho somente uma vida sem poesia”. Brindo a isso. Para  contacatr o autor acesse www.facebook.com/O-poeta-do-vinho
  frase-do-sabor-das-coisas-por-mais-raro-que-seja-ou-mais-antigo-so-um-vinho-e-deveras-excelente-mario-quintana-107369
(*) Rogerio Ruschel gosta de poesia e de vinho – e tenta harmonizar isso em São Paulo, Brasil, onde edita este blogue. 

3 Comentários


  1. De fato, como bem o disse MARIO QUINTANA – nada supera quando se bebe com calor de amizade – antiga como a nossa, meu querido Rogério ! Obrigado pelas sabias e doces palavras que sabem engrandecer a poesia, seus mestres e teus amigos,como este singelo autor.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *