Busca por “identidade geo”

96% da área de vinhedos na Espanha está em territórios com denominação de origem (Identidade Geográfica)

96% da área de vinhedos na Espanha está em territórios com denominação de origem (Identidade Geográfica)

3 minutos Por Rogerio Ruschel Meu prezado amigo ou amiga, a Espanha é um dos três maiores produtores mundiais de vinhos e também um dos maiores exportadores. Todos os anos compete com a França e a Itália por uma das três primeiras posições. Então é importante saber que este poderoso país vitivinicultor se posiciona no mercado internacional utilizando a proteção e agregação de valor de produtos certificados com Identidade Geográfica. Como você sabe, produtos com uma denominação de origem valorizam sua identidade, o que Continue lendo

A CNI mergulha nos rincões do país para revelar os produtos com identidade geográfica do “Brasil que a gente produz”

A CNI mergulha nos rincões do país para revelar os produtos com identidade geográfica do “Brasil que a gente produz”

13 minutos Aldeia no município de Uarini, no coração da Amazônia, produtor da farinha de Uarini Por Rogerio Ruschel Exclusivo: Entrevista com Ariadne Tamm Sakkis, Editora de Conteúdo da Agência CNI de Notícias e diretora da Série “O Brasil que a gente produz” sobre produtos com Indicação Geográfica Meu caro amigo ou amiga, se você pensa que a CNI – Confederação Nacional da Indústria – a poderosa organização que representa mais de 20% do PIB brasileiro – só transita em grandes prédios industriais, ruas Continue lendo

“O Brasil terá que adequar a legislação sobre produtos com Identidade Geográfica ao Mercosul e à União Europeia”, alerta especialista européia.

“O Brasil terá que adequar a legislação sobre produtos com Identidade Geográfica ao Mercosul e à União Europeia”, alerta especialista européia.

13 minutos EXCLUSIVO – Entrevista com Ana Soeiro, Diretora Executiva da QUALIFICA/oriGIn Portugal e Vice-Presidente para a Europa do Movimento Internacional oriGIn. Meu prezado leitor ou leitora, prestando mais um serviço para pessoas qualificados como você, neste momento em que muitos brasileiros começam a despertar para a necessidade de investir na identidade territorial de agroalimentos para sobreviver ao Acordo Mercosul/União Europeia, In Vino Viajas entrevista uma das maiores especialistas no assunto no mundo. Ana Soeiro (na foto acima) é Comendadora da Ordem do Infante Continue lendo

Os 20 benefícios dos produtos e do turismo com identidade territorial para o desenvolvimento local

Os 20 benefícios dos produtos e do turismo com identidade territorial para o desenvolvimento local

7 minutos Por Rogerio Ruschel* Meu prezado leitor ou leitora, nossos municípios foram duramente atingidos pela pandemia, especialmente os pequenos, porque práticamente todos os setores econômicos entraram em crise ao mesmo tempo: o comércio, a agricultura familiar, o turismo e as cadeias produtivas associadas a eles. Pois agora os potenciais consumidores dos produtos e serviços destas atividades estão ansiosos pela volta ao “normal” e começam a reaprender a trabalhar, a viajar, a consumir. Então dirigentes e gestores das cadeias produtivas do comércio, turismo, gastronomia, Continue lendo

Terra Indígena Andirá-Marau é a primeira Indicação Geográfica para povos indígenas do Brasil – agrega valor ao Waraná, o guaraná mágico dos Sateré-Mawé

Terra Indígena Andirá-Marau é a primeira Indicação Geográfica para povos indígenas do Brasil – agrega valor ao Waraná, o guaraná mágico dos Sateré-Mawé

6 minutos Por Rogerio Ruschel Prezado amigo ou amiga, vamos fazer uma pequena viagem ao coração da floresta amazônica para ver como a identidade agrega valor a um produto. A Terra Indígena Andirá-Marau, com 8.000 Km2, localizada na divisa dos estados do Amazonas e do Pará, conquistou a primeira Indicação Geográfica (IG) de Origem concedida a um povo indígena brasileiro, em razão de dois produtos locais: o waraná (guaraná nativo) e o pão de waraná (bastão de guaraná). Pois o Instituto Nacional da Propriedade Continue lendo

O vinho que você não vê:  saiba como leveduras nativas valorizam a identidade territorial de vinhos no Brasil.

O vinho que você não vê: saiba como leveduras nativas valorizam a identidade territorial de vinhos no Brasil.

3 minutos Parte da coleção de leveduras da Embrapa conservadas no freezer. Por Rogerio Ruschel Meu caro leitor ou leitora, a indústria vitivinícola brasileira está evoluindo em qualidade e deve isso a muitas pessoas e organizações, entre as quais a Embrapa Uva e Vinho. E um dos avanços está na possibilidade dos enólogos poderem utilizar leveduras locais para a fermentação dos vinhos, e não apenas leveduras estrangeiras, importadas. Usar leveduras “tropicais”, mesmo que as castas das uvas não sejam naturais do Brasil, pode conferir Continue lendo

Slow Food realiza evento internacional de seis meses para valorizar a identidade e a origem de alimentos saudáveis

Slow Food realiza evento internacional de seis meses para valorizar a identidade e a origem de alimentos saudáveis

4 minutos Por Rogerio Ruschel Meu caro amigo ou amiga, há males que vem para o bem. O mais importante evento de promoção e intercâmbio sobre alimentação saudável do mundo – o Terra Madre Salão do Gosto, realizado pelo Movimento Slow Food internacional – este ano, por causa da quarentena, vai ser ampliado e espichado: em vez de um congresso de 5 dias, vai se realizar durante 6 meses. Os eventos começam dia 8 de outubro de 2020 e terminam somente em Abril de Continue lendo

Porque a Três Corações investe em cafés de terroir, com identidade territorial e cultura comunitária?

Porque a Três Corações investe em cafés de terroir, com identidade territorial e cultura comunitária?

2 minutos Por Rogerio Ruschel Prezado amigo ou amiga, a Três Corações, talvez o maior produtor brasileiro e um dos gigantes exportadores de café do Brasil, está investindo em produtos bem pequeninos, verdadeiramente de nicho, em paralelo às milhares de toneladas exportadas anualmente, que conquistaram o mundo. Afinal, porque faz isso? Porque é ótimo para os negócios – e vou explicar porque. A Três Corações desenvolveu a marca Rituais Cafés Especiais para agregar valor a um produto que no mercado interno é vendido em Continue lendo

Sadia Bio: conheça o primeiro frango com nome e endereço do Brasil, um exemplo de marketing de identidade territorial

Sadia Bio: conheça o primeiro frango com nome e endereço do Brasil, um exemplo de marketing de identidade territorial

5 minutos Por Rogerio Ruschel Prezado amigo ou amiga, em seus mais de 70 anos a Sadia já produziu milhões de unidades de cortes de frango e grande parte disso é considerada pelo mercado como um produto sem diferenciais importantes, um commodity. Para agregar valor ao frango, a Sadia busca a qualidade, investe em pesquisa e utiliza a estratégia básica da indústria de alimentação: oferecer ao consumidor receitas de preparo que ajudam a percepção de sabor do produto pronto: um frango saboroso na mesa Continue lendo

Registro internacional de Indicações Geográficas já é uma realidade, ao lado de registro de marcas; é o fim da pirataria no branding

Registro internacional de Indicações Geográficas já é uma realidade, ao lado de registro de marcas; é o fim da pirataria no branding

4 minutos Por Rogerio Ruschel Meu caro amigo ou amiga, os piratas de marcas e direitos de patentes, no Brasil ou no exterior, estão com os dias contatos: dia 26 de fevereiro de 2020 entrou em vigor o Ato de Genebra da Organização Mundial de Indicações de Procedência (WIPO) no contexto do Acordo de Lisboa. O Acordo de Lisboa assinado em 1979 é a grande convenção internacional que passou a garantir a autoridade de cada país em registrar suas Denominações de Origem (IGs e Continue lendo

Chegou “Tesouros no Fundo do Quintal”, a vitrine digital de produtos com identidade e do turismo com os valores do território

Chegou “Tesouros no Fundo do Quintal”, a vitrine digital de produtos com identidade e do turismo com os valores do território

3 minutos Por Rogerio Ruschel Meu caro amigo ou amiga, produtos que tem uma identidade territorial agregam forte valor econômico ao produto, ao produtor, ao consumidor e ao território. Mas vão além disso: também tem impacto social positivo porque mantém as novas gerações no campo e geram cadeias produtivas de base local mais sustentáveis. Ou seja: valorizar produtos “do lugar”, caipiras, com ou sem uma identidade territorial já formalizada (como Identidade Geográfica ou Denominação de Origem), é tudo de bom. E mais do isso, Continue lendo

Evento mostra o que só a Bahia tem no campo: produtos de terroir com identidade territorial que conquistam o mundo.

Evento mostra o que só a Bahia tem no campo: produtos de terroir com identidade territorial que conquistam o mundo.

10 minutos Por Georgina Maynart, do jornal Correio, editado por Rogerio Ruschel. Fotos jornal Correio. Meu prezado leitor ou leitora, você sabe o que é que a Bahia tem? Tem tudo isso que nós já conhecemos, mas tem muito mais – inclusive muitos produtos com poderosa identidade territorial e que por causa disso crescem em prestígio, valor e aceleram o desenvolvimento regional. Entre estes tesouros no fundo do quintal baiano estão o cacau cabruca (do sul da Bahia), a cachaça de Abaíra, café verde Continue lendo

Um curso internacional sobre Indicações Geográficas para diferenciar produtos na multidão global de commodities

Um curso internacional sobre Indicações Geográficas para diferenciar produtos na multidão global de commodities

5 minutos Por Rogerio Ruschel Meu caro leitor ou leitora, em todos os momentos da vida você pode fazer escolhas; eu escolhi sempre continuar aprendendo. E esta semana minha escolha se transformou no Certificado de Conclusão do curso “Adding Value to the Origin of Products Through Geographical Indications (GIs)” sobre “Como agregar valor à origem dos produtos com a Indicação Geográfica – IG” expedido pela ITC SME Trade Academy, de Genebra, Suiça, a plataforma de capacitação internacional do International Trade Center (ITC). Fiz o Continue lendo

Produtos com identidade territorial: uma mão na roda para ajudar nossa Agricultura Familiar a competir com importados globais

Produtos com identidade territorial: uma mão na roda para ajudar nossa Agricultura Familiar a competir com importados globais

8 minutos Por Rogerio Ruschel A valorização da identidade territorial agrega valor, prestígio e competitividade aos produtos da agricultura familiar no Brasil Meu prezado leitor ou leitora, com o Acordo Mercosul – União Europeia produtos agroalimentares europeus de alta qualidade com identidade territorial (como Camembert, Gorgonzola, Bologna, Pata Negra, Conhaque, Champanhe…) vão competir entre si, por preço, dentro do território brasileiro – e corremos o risco de ficar só assistindo. Na Europa mais de 80% são produzidos por famílias e pequenos produtores. No Brasil Continue lendo

Jorge Tonietto, da Embrapa Uva e Vinho, conta tudo que você precisa saber sobre as Indicações Geográficas do Brasil

Jorge Tonietto, da Embrapa Uva e Vinho, conta tudo que você precisa saber sobre as Indicações Geográficas do Brasil

14 minutos Por Rogerio Ruschel, editor Exclusivo – Entrevista com o Jorge Tonietto, Pesquisador de Zoneamento/Indicações Geográficas da Embrapa Uva e Vinho, de Bento Gonçalves/RS, Brasil Meu caro leitor ou leitora, precisamos valorizar nossos recursos ampelológicos e humanos. Por isso publico hoje uma entrevista com Jorge Tonietto, que trabalha com Pesquisa e Desenvolvimento na Embrapa Uva e Vinho – uma das organizações da Embrapa, empresa de excelência em pesquisa agronômicas. O Dr. Tonietto (na foto acima, de Viviane Zanella) é Engenheiro agrônono com especialização Continue lendo

Espanha investe na promoção da Denominação de Origem de seus vinhos para valorizar a identidade e o valor de mercado e ampliar a base de consumo

Espanha investe na promoção da Denominação de Origem de seus vinhos para valorizar a identidade e o valor de mercado e ampliar a base de consumo

3 minutos Por Rogerio Ruschel Especial “D.O.s na Espanha – 2”. Meu caro leitor ou leitora, a Espanha está entre os três maiores produtores, exportadores e também um dos maiores consumidores de vinhos do mundo. Além disso é o pais que tem algumas das adegas mais bonitas do mundo, criadas por famosos arquitetos modernos, como a Bodega Antion, mais abaixo. O país leva muito a sério a atividade e tem cerca de 90 áreas geográficas certificadas com Denominação de Origem (D.O.) de grande ou Continue lendo

Cooperativa da Vidigueira lança uma preciosidade do Alentejo, Portugal: um vinho de talha de videiras centenárias aprovado por produtores da Georgia

Cooperativa da Vidigueira lança uma preciosidade do Alentejo, Portugal: um vinho de talha de videiras centenárias aprovado por produtores da Georgia

4 minutos Por Rogerio R. Ruschel A Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito (ACVCA), encravada no território de Vidigueira, distante 22 Km de Beja e 25 Km de Évora, é uma das mais tradicionais do Alentejo e está sempre com novidades. Uma delas é bem recente: o lançamento de um vinho de talha com base em uvas de vinhas centenárias, o Vila Alva Vinhas Centenárias certificado como DOC Vidigueira de Talha 2017 aprovado por vinicultores qvevri, da Georgia (foto acima). O vinho de Continue lendo

Artistas espanhois se mobilizam para mostrar que o vinho é parte da cultura e identidade do país: é o Movimiento Vino D.O.

Artistas espanhois se mobilizam para mostrar que o vinho é parte da cultura e identidade do país: é o Movimiento Vino D.O.

3 minutos Por Rogerio Ruschel A Denominação de Origem (D.O.) de produtos alimentícios como queijos, vinhos, azeites, presuntos, pães, embutidos e carnes é considerada fundamental na Europa, porque agrega valor a produtos que normalmente seriam commodities com preços mais baixos. No continente europeu (e em outros territórios vitinícolas mais competitivos) existe a certeza de que a certificação de origem de um alimento reflete os valores culturais da comunidade que o produz, e por isso mesmo deve ser valorizada e protegida! Porisso milhares de produtos Continue lendo

Veja como a certificação de origem preserva territórios, protege a identidade e valoriza as comunidades que produzem vinhos no Brasil

Veja como a certificação de origem preserva territórios, protege a identidade e valoriza as comunidades que produzem vinhos no Brasil

7 minutos Por Rogerio Ruschel (*) Meu caro leitor ou leitora, como você sabe, o vinho tem identidade própria, herdada do território, do tipo de uva, do terroir e construída pela cultura da comunidade e pelo talento do produtor. Embora produza vinhos comercialmente desde 1875, o Brasil começou a se preocupar com a identidade de seus vinhos apenas há 15 anos, com a busca por uma certificação de origem. Só para termos uma referência, a Itália tem 403 vinhos com Denominações de Origem Controlada Continue lendo

Veja como a Città del Vino promove o território, a identidade e a excelência para manter os vinhos e o enoturismo da Itália no mapa dos melhores do mundo

Veja como a Città del Vino promove o território, a identidade e a excelência para manter os vinhos e o enoturismo da Itália no mapa dos melhores do mundo

12 minutos Por Rogerio Ruschel (*) Exclusivo – Entrevista exclusiva de Paolo Benvenuti, diretor da Città del Vino, a Rogerio Ruschel. Meu prezado leitor ou leitora, quero te apresentar Paolo Benvenuti, um grande sujeito e uma conhecida personalidade da vitivinicultura italiana e europeia, diretor executivo há muitos anos da Associação Italiana de Cidades do Vinho – a Città del Vino – a maior e mais eficiente associação de produtores de vinho do mundo. Conheci Benvenuti pessoalmente em um congresso de enoturismo em Portugal, quando Continue lendo

Grande degustação de vinhos portugueses: um brinde a produtos únicos, com personalidade, identidade e classe.

Grande degustação de vinhos portugueses: um brinde a produtos únicos, com personalidade, identidade e classe.

2 minutos Por Rogerio Ruschel (*) Aceitei o convite e esta semana “desafiei meus sentidos, esqueci o comum e aproveitei o único”. Explico: participei da Grande Degustação Vinhos de Portugal, no espaço Rosa Rosarum (detalhe abaixo), em Pinheiros, S. Paulo, organizada pela Exponor, onde pude degustar vinhos diferenciados, únicos, feitos com uvas com identidade e personalidade próprias. Portugal tem uma longa tradição na criação de vinhos únicos. Desde o ano 2.000 Antes de Cristo sucessivas gerações se dedicaram a cuidar de vinhas e aperfeiçoar Continue lendo

Qvevri: a cultura do vinho da Georgia, passada de pai para filho há 8.000 anos, agora é Patrimônio da Humanidade da Unesco

Qvevri: a cultura do vinho da Georgia, passada de pai para filho há 8.000 anos, agora é Patrimônio da Humanidade da Unesco

4 minutos Por Rogerio Ruschel (*) A candidatura da Cultura do Vinho como Patrimônio Imaterial da Humanidade pela Unesco (post anterior a este, aqui no In Vino Viajas), que está sendo preparada pela Association for Culture and Tourism Exchange (ACTE), representará o interesse universal, coletivo de outras iniciativas regionais ou nacionais que já fornecem ao vinho o status de bem patrimonial da humanidade. Humanidade que deve muito à Geórgia, pelo processo produtivo (acima) e pela convivência do vinho com a paisagem das montanhas (abaixo). Continue lendo

Queijo do Marajó, feito artesanalmente com leite fresco de búfala, ganha reconhecimento de Indicação de Procedência – IP

Queijo do Marajó, feito artesanalmente com leite fresco de búfala, ganha reconhecimento de Indicação de Procedência – IP

5 minutos Por Rogerio Ruschel Meu prezado leitor ou leitora, mais uma boa noticia: o Queijo do Marajó, um queijo fresco de leite de búfala, produzido de forma artesanal há mais de 200 anos no arquipélago do Marajó, no Pará, acaba de ser reconhecido como um patrimônio de valor coletivo. O Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) atribuiu a ele o registro de Indicação de Procedência, uma das formas de Indicação Geográfica do Brasil.  Na abertura, veja a alegria das vaquinhas de Marajó, que Continue lendo

Brasil vai ter mais três regiões vinícolas com certificação de origem; solicitações aceleram no INPI

Brasil vai ter mais três regiões vinícolas com certificação de origem; solicitações aceleram no INPI

9 minutos Fonte: Jorge Tonietto Por Rogerio Ruschel Estimado leitor ou leitora, boas notícias: o Brasil está acelerando propostas de certificação de origem para vinhos e espumantese isso vai ajudar a conquistar respeito e mercado, dentro e fora do país. Estamos muito atrasados em relação a produtores com os quais queremos competir: em 2017 existiam 1.043 Identidades Geográficas – IGs apenas de vinhos, na Europa; só a França tinha 473 regiões certificadas, a Itália tinha 464 e a pequena Luxemburgo, que tem pouquíssima experiência Continue lendo

Do Pau-Brasil abandonado ao Guaraná protegido: de olho na certificação de origem dos produtos brasileiros mais tradicionais

Do Pau-Brasil abandonado ao Guaraná protegido: de olho na certificação de origem dos produtos brasileiros mais tradicionais

10 minutos Por Rogerio Ruschel Com 521 anos de história o Brasil reconhece sua primeira Indicação Geográfica indígena e cria o único “terroir com alma” do mundo: o Tekoha dos Sateré-Mawé. Meu prezado leitor ou leitora, fico feliz em poder escrever isso: parece que finalmente o Brasil está levando a sério o reconhecimento do valor de seus produtos locais, nativos, que estamos acreditando qaue vale a pena agregar valor ao nosso próprio patrimônio, especialmente no que se refere a agroalimentos. Esta percepção de valor Continue lendo

Livro da Epagri desvenda os segredos do terroir dos Vinhos de Altitude de Santa Catarina

Livro da Epagri desvenda os segredos do terroir dos Vinhos de Altitude de Santa Catarina

6 minutos Por Rogerio Ruschel Meu prezado leitor ou leitora, já que a opção mais sensata é ficar de resguardo social por causa da pandemia, minha sugestão é relaxar degustando uma taça de vinho  em casa, em boa e segura companhia. E para agregar sabor ao seu relaxamento sugiro que abra um vinho da região dos Vinhos de Altitude de Santa Catarina, e harmonize com a leitura de um excelente livro preparado pela Epagri sobre este terroir: “Vinhos de Altitude de Santa Catarina – Continue lendo

Origens Brasil: uma rede de negócios sustentáveis na Amazonia, onde a união faz a força

Origens Brasil: uma rede de negócios sustentáveis na Amazonia, onde a união faz a força

10 minutos Foto de Simone Giovine, AFP Por Rogerio Ruschel EXCLUSIVO – Entrevista com Luiz Brasi Filho, coordenador de mercado da Rede Origens Brasil. Estimado leitor ou leitora, recentemente um grupo de grandes empresas brasileiras e estrangeiras solicitou ao governo brasileiro providências para conter o desmatamento. Segundo sua mensagem, é estratégico compreender a importância do uso sustentável dos recursos naturais do país, porque “Em nenhum momento da história o futuro da humanidade e do planeta dependeu tanto da nossa capacidade de entendimento de que Continue lendo

Por que o maior varejista da América Latina anuncia um pequeno vidrinho de pimenta produzida por índias Baniwa da Amazônia?

Por que o maior varejista da América Latina anuncia um pequeno vidrinho de pimenta produzida por índias Baniwa da Amazônia?

9 minutos Por Rogerio Ruschel Mais um conteúdo de qualidade e exclusivo de In Vino Viajas. Prezado amigo ou amiga, a rede de supermercados Pão de Açúcar tem milhares de produtos à venda em suas 185 lojas. Mais de 99 % são produtos que também podem estar à venda também em concorrrentes, porque são produtos globais, marcas internacionais. Mas então por que o Pão de Açúcar também oferece e faz propaganda na TV!!! – de produtos pequenos, locais, com volume de produção limitadíssimo, como Continue lendo

Guerras comerciais, motins  e milhões de relatórios: a complexa história de 263 anos de certificação dos vinhos do Porto.

Guerras comerciais, motins e milhões de relatórios: a complexa história de 263 anos de certificação dos vinhos do Porto.

7 minutos EXCLUSIVO – Entrevista com Alfredo José Silva, Diretor dos Serviços de Fiscalização e Controlo do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto, IP Meu caro leitor ou leitora, como é possivel avaliar, auditar, verificar, gerir e certificar milhões de litros de vinhos produzidos com dezenas de castas de uvas, por milhares de vitivinicultores em uma centena de diferentes tipos de micro-terroir, numa região de topografia complexa como o Norte e Vale do rio Douro e num ramo do agronegócio onde todo mundo Continue lendo