Produtos locais já são 77% das compras de distribuidores e varejistas na Catalunha

Tempo de leitura: 6 minutos

Por Rogerio Ruschel

Prezado leitor ou leitora, uma pesquisa recente na Espanha mostrou que produtos locais representam 77,6% das compras realizadas pelos distribuidores e varejistas, e a razão é simples: a preferência por produtos locais pelos consumidores aumenta cada vez mais. Neste início de 2022 mais de um terço dos consumidores dizem que produtos locais respondem por mais da metade de suas compras. Parte disso é por causa das campanhas realizadas durante a pandemia do tipo “Prefira o produto local no comércio local”, mas outra causa é a percepção das vantagens para a comunidade que esta escolha apresenta: o desenvolvimento sustentável de base local.

O “Relatório sobre o consumo e comercialização de produtos agroalimentares locais e globais”,  foi divulgado em março de 2022 pela Área de Conhecimento e Estratégia do Prodeca – Departamento de Ação Climática, Alimentação e Agenda Rural (órgão do governo regional da Catalunha) com base em pesquisas de consumidores, varejo,  distribuidores e produtores com o selo “Venda de Proximidade” para aferir o valor de mercado dos produtos locais e de proximidade.

Para determinar a percepção do consumidor em relação aos produtos locais e de proximidade, o relatório utilizou pesquisas quantitativas com mais de 500 pessoas responsáveis ​​pela compra de alimentos nos lares catalães. Uma primeira conclusão é que 85,6% dos consumidores catalães consideram que os produtos da cesta de compras são alimentos locais e quase metade prioriza produtos locais na cesta de compras. Para mais de um terço (37,4%) a compra local representa mais da metade da cesta de compras. Frutas e legumes são os produtos em que a “localidade” é mais importante para o consumidor.

Entre os principais motivos valorizados na escolha de um produto local estão a contribuição para a economia local (53,2%) e o apoio aos pequenos produtores (48,4%). Por outro lado, o preço e a falta de estabelecimentos são o principal freio na compra do produto local pelo consumidor. É evidente que a grande maioria dos consumidores (75%) prefere comprar produtos locais através da loja física e, apesar de 70% conhecerem as plataformas de compras online, apenas 19% afirmam utilizá-las na compra do produto.

O consumidor preza pela comodidade, mas seu interesse é bastante moderado devido ao preço e a falta de confiança que geram. Por fim, analisando o impacto do Covid-19 nos hábitos de compra dos consumidores catalães, 37,5% pensam que compraram mais produtos locais devido à pandemia, especialmente frutas, legumes e carne fresca. Por outro lado, 55% dos pesquisados ​​afirmam que não foram influenciados na compra de produtos locais por conta da pandemia.

O consumo e a venda de produtos locais na distribuição

A segunda parte do relatório teve como foco os distribuidores, por meio de pesquisas quantitativas com cerca de 90 distribuidores e atacadistas (mercearias, varejistas, catering e hotéis) da base de dados Prodeca e entrevistas qualitativas entre grandes distribuidores (responsáveis ​​por grandes redes de supermercados).

De acordo com o relatório, 77% dos produtos adquiridos pela distribuição e revenda são locais, com destaque para as carnes e embutidos (40%), seguidos pelo vinho e espumantes (20%) e multiprodutos (19%). Assim como acontece com o consumidor, 75% dos distribuidores varejistas pesquisados ​​associam o atributo “proximidade” ao conceito de distância e as características do valor agregado do produto são deixadas em segundo plano.

Os mesmos motivos dos consumidores na valorização do produto local (contribuição para a economia local e apoio aos pequenos produtores) também são aqui reproduzidos. No entanto, para os grandes varejistas, o atributo de proximidade é um elemento muito valorizado para gerar vínculos com o consumidor e o selo “Venda de Proximidade” representa valor agregado para seus produtos. Relativamente aos canais de distribuição, mais de metade dos distribuidores de retalho (67,3%) afirma receber encomendas online dos seus clientes, uma percentagem muito superior aos consumidores que dizem comprar online.

Os grandes varejistas também detectaram um claro aumento da venda online de produtos de proximidade em resultado da pandemia, fato que saturava a logística das cadeias que ofereciam esta opção e penalizava as que não ofereciam.

A venda de produtores com o selo “Venda de proximidade”  

O relatório também inclui uma centena de pesquisas quantitativas de produtores aderentes ao selo “Venda de Proximidade” da Secretaria de Ação Climática, Alimentação e Agenda Rural, com o objetivo de detalhar a importância desse segmento agroalimentar. Desta forma, o faturamento dos produtores com o selo “Venda de proximidade” é estimado em 1.470 milhões de euros, o que representa 3,85% do faturamento do setor agroalimentar total e 8,9% do gasto total dos consumidores na Catalunha em alimentos e bebidas.

De acordo com o relatório, quase metade (43%) do volume de negócios dos produtores com o selo “Venda de Proximidade” provém das vendas a particulares e o restante da distribuição, destacando-se o peso das lojas e restaurantes tradicionais. Em relação aos canais de venda online, apenas 19% dos produtores dizem que vendem online, enquanto 54% mostram o desejo de fazê-lo no futuro. Entre os produtores que já vendem online, a captação de clientes e a falta de presença na internet destacam-se como as principais dificuldades. Por outro lado, para quem ainda não o fez, a gestão das entregas ao domicílio é o principal impedimento para não ter dado o passo para as vendas online.

Relativamente ao peso que a pandemia teria tido, teve menos influência nas vendas dos produtores com o selo “Venda de proximidade” em 2021 do que em 2020. Embora tenha havido um crescimento significativo das vendas em 2019 face a 2018 (+9, 5%), em 2020 houve uma estagnação associada ao impacto do Covid-19 (para 47% dos produtores a pandemia levou a uma diminuição das suas vendas), seguida de uma ligeira subida em 2021 de 5,3%. Claro que as perspectivas futuras para os produtores com o selo “Venda de Proximidade” são positivas e espera-se um aumento médio significativo do seu volume de negócios para os próximos 3 anos de 15%: 49% dos inquiridos pensam que as vendas vão aumentar, estimando um crescimento de 38 % de aumento médio e apenas 11% acham que as vendas vão diminuir, com uma queda média de 33%. Os produtos que prevêem maior crescimento são as categorias de Frutas e Hortaliças e a multiprodutos

Esta apresentação do relatório foi feita no âmbito da celebração do segundo Fórum Alimentar Catalão, para discutir como agregar valor a produtos desde a Origem. O Fórum é um evento corporativo anual realizado pela Prodeca com o objetivo de se tornar um ponto de encontro empresarial para o setor agroalimentar catalão. Sob o título “Origem como valor”, esta edição reuniu dia 10 de março de 2022, especialistas e profissionais para discutir como agregar valor aos nossos produtos, analisando estratégias competitivas ligadas à origem dos alimentos.

Fonte: Vinetur, Espanha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.