10 razões para visitar a Adega Cartuxa, em Évora, Alentejo, Portugal, e querer voltar sempre – e com amigos

Tempo de leitura: 5 minutos

Por Rogerio Ruschel (*)

Meu caro leitor ou leitora, vou apresentar 10 razões para você visitar a Adega Cartuxa, no Alentejo, quando estiver em Portugal – mas tenha a certeza de que existem muitas outras. Vamos começar pela primeira, e mais óbvia: a visita satisfaz plenamente o visitante porque o serviço é profissional e organizado. Você pode ir a qualquer momento até a sede da Adega Cartuxa, na Quinta de Valbom, a 2 km do centro histórico de Évora, mas se quiser fazer a visita formal à adega – que um video, a visita com um guia, sentir os aromas das castas nos paineis exclusivos (abaixo) e uma degustação básica – precisa agendar com antecedência.

Outra razão é que a visita agrega valor cultural, se aprende muito sobre o patrimônio, o prédio histórico, a região e a história. A Adega Cartuxa – Quinta de Valbom, uma antiga casa de repouso da Companhia de Jesus, é atualmente o centro de estágio dos vinhos da Fundação Eugénio de Almeida. A Adega fica a 200 metros do Mosteiro da Cartuxa (formalmente Mosteiro Cartuxa De Santa Maria Scala Coeli – que em italiano quer dizer “escada do céu”) construído entre 1587 e 1598 para monges da ordem religiosa dos cartuxos. Os monges foram expulsos por força do Marques do Pombal em 1834, passou a pertencer ao Estado e no fim do século XIX foi adquirido e restaurado pela família Eugénio de Almeida que reinstalou os Monges Cartuxos no mosteiro em 1960. São quase 500 anos de historia acessíveis aos visitantes.

O perfil do produtor é outra razão para visitar a Cartuxa: diferentemente de uma empresa ou cooperativa de produtores, os vinhos e azeites Cartuxa são propriedade da Fundação Eugénio de Almeida que mantém os patrimônios históricos e arquitetônicos do Mosteiro e seus sinos, especialmente o da meia-noite, que forma parte do encanto da cidade-museu de Évora considerada Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Outra razão para voltar é a qualidade dos vinhos. Os vinhos e azeites são a principal atividade que sustenta as demais iniciativas de interesse social e coletivo da Fundação Eugénio de Almeida e suas atividades complentares no Lagar Cartuxa e Enoturismo Cartuxa. Sob a marca guarda-chuva Cartuxa estão produtos de alta qualidade como o EA, o Cartuxa, o Scala Coeli e o famoso Pêra-Manca.

Os vinhedos da Cartuxa ocupam mais de 400 hectares de área e são de cultivo próprio, nas herdades de Pinheiros, Casito, Álamo da Horta e Quinta de Valbom, quase que exclusivamente com as principais castas alentejanas. Todos os cuidados ambientais, agrícolas e técnicos são feitos a partir de um controle técnico de alto nível – afinal, todas as marcas são pelo menos “primos” do Pêra-Manca, a marca que a Fundação Eugénio de Almeida destina aos seus vinhos de excepção.

Aliás, conhecer as historias e degustar o famoso vinho Pêra-Manca (tinto ou branco) é outra razão para visitar a Cartuxa e voltar. Dizem que Pêra-Manca vem do toponímico “pedra manca”, uma formação granítica de blocos arredondados, em desequilíbrio sobre rocha firme. Dizem também que tradição do vinho Pêra-Manca remonta à Idade Média e que por volta de 1365, Nossa Senhora teria aparecido em cima de um espinheiro a um pastor, e no local foi edificado um oratório que se tornou ponto de peregrinação e plantado um vinhedo. Nos séculos XV e XVI, os vinhedos de Pêra-Manca eram propriedade dos frades do Convento do Espinheiro que tinham construido um igreja no local; depois pertenceram a Álvaro Azedo, escudeiro do Rei e dizem que eras u m Pêra-Manca o vinho que Pedro Álvares Cabral transportou em suas naus quando chegou ao Brasil. Verdade ou não, você saboreia esta historia na Cartuxa, com o Pera-Manca.

Outra razão para gostar do passeio é saber como os enólogos e técnicos da Adega Cartuxa gerenciam a produção dos vinhos que envolve aspectos pelo menos tres dimensões: a matéria-prima (as uvas e vinhedos); o processo produtivo (a tecnologia, o ambiente produtivo, a escolha do brand), e o perfil de quem faz o vinho, o enólogo e a empresa. Muito simples, mas ao mesmo tempo complexo.

A localização é mais uma razão: tudo isso está a apenas 2 quilometros de Évora, a bela cidade reconhecida como Patrimonio da Humanidade pela Unesco (na foto acima, a Catedral da Sé de Évora, fundada no século XII). No coração de Évora fica a sede da Fundação Eugénio de Almeida onde recomendo que você visite a Enoteca Cartuxa e o Jardim das Casas Pintadas. A Enoteca é uma loja e restaurante na rua Vasco da Gama, onde você pode conhecer a linha completa de produtos e acessórios e harmonizá-los com alta gastronomia de tradição alentejana como “beiço de porco de coentrada”, “pezinhos de borrego, cenoura, grão e hotelã”, “farinheira corada, favas, gengibre e pimento” ou “salada de coelho assado, avelãs, maçã e tomate seco”, entre outras (foto abaixo).

Já o Jardim das Casas Pintadas é um patrimônio classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1950 de propriedade da Fundação que tem em suas paredes figuras como dragões, centauros, sereias, leopardos, raposas, veados e galos – um mundo de fantasia pleno de simbolismo. Como dizem os portugueses, muito giro.

É claro que os vinhos (e os azeites) são uma forte razão para visitar e voltar, até porque são vendidos na Adega e na Enoteca, a preços diretos para o consumidor.
Em minha degustação (foto acima, com o prestativo Vitor, da equipe de enoturismo da Cartuxa) o EA, um tinto bastante redondo; fiz uma mini degustação horizontal do Cartuxa – branco, tinto e Reserva; provei um Scala Coeli 2012, um vinho encorpado, complexo e elegante feito com castas não alentejanas – e para minha glória, um Pêra-Manca branco.

Enfim, meu caro leitor ou leitora, você tem pelo menos 10 razões para visitar a Adega Cartuxa, em Évora, Alentejo, Portugal, e querer voltar sempre. Como eu. Saiba mais e se agende pelo site http://www.cartuxa.pt/pt/contact/14/40

(*) Rogerio Ruschel edita In Vino Viajas em São Paulo, Brasil, e esteve provando Pera-Mancas na Cartuxa e em outros locais.

 

14 Comentários


  1. Boa tarde, parabens pelo blog.

    Amigo, saberia dizer se na adega cartuxa também há passeios pelos vinhedos ? obrigado

    Daniel

    Responder

    1. Dependendo da época do ano, existe a possibilidade, embora o foco do enoturismo seja na adega e no restaurante de Evora. Sugiro consultar por e-mail. Abraços. Rogerio Ruschel

      Responder

  2. Gostaria de fazer uma reserva para a visita guiada e para jantar no restaurante no dia 17 de outubro (2pessoas)

    Responder

  3. Oi eu vou sozinha até lá , vou até Évora de trem a partir de Lisboa , consigo pegar um táxi ou a pé mesmo ?? Obrigada

    Responder

    1. Ola Liege. Estando em Évora é facil pegar um taxi para visitar a Cartuxa. A sede da Fundação
      Eugenio de Castro, dona da Adega Cartuxa, é em Évora. Abs

      Responder

  4. Ola´Companheiro,
    Parabéns pelo seu blog. Gostaria de saber se dá pra ir até a Adega por meio de transporte publico ou necessariamente tem-se que pegar um taxi. Grato.

    Responder

    1. Luis, na Adega vai ter que pegar um transporte privado. Não me lembro de transporte público que lever até a Cartuxa.
      abs

      Responder

  5. Que coisa…
    Só agora vi esse artigo.
    Estive em Portugal, ano passado, visitei Évora, uma cidade impressionantemente linda e tradicional, com sua catedral de deixar qualquer um boquiaberto, e… infelizmente não conheci a Cartuxa. Que mancada a minha (e dos meus acompanhantes, dois deles, apaixonados por vinho – meu filho e minha nora!)
    Não sei se lá retorno, mas fica a dica e vou espalhá-la!!!
    Abraços

    Responder

    1. Manoel, vai dar tempo de voltar e fazer esta visita a Cartuxa e outras. Abraços

      Responder

  6. Boa tarde.

    Dicas ótimas parabéns, estou tentando agendar mas pelo site sem sucesso. Tem outra forma de agendar?

    Responder

    1. Bom dia Patricia. Que eu saiba os agendamentos são feitos pelo site. Continue tentando.
      Obrigado, abraços, Rogerio Ruschel

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.