Vinhos mais sustentáveis crescem até 67% em preferência nos Estados Unidos e China. E no Brasil?

Tempo de leitura: 5 minutos

Vinhos sustentáveis ​​preferidos pelos consumidores do relatório “Wine Intelligence Opportunities in Alternative Wine 2022”

Por Rogerio Ruschel

Meu estimado leitor ou leitora, se você acompanha In Vino Viajas pode ler com bastante frequência meus artigos sobre como o mundo dos vinhos está se mobilizando por uma viticultura mais sustentável – pelo menos no mundo mais civilizado.

Pois os consumidores deste mundo mais civilizado vem aumentando a preferência por vinhos mais sustentáveis que se apresentam com diversas abordagens e nomes como orgânicos, naturais, veganos, biodinâmicos, sem sulfitos,sustentáveis, de comércio justo… Recente pesquisa sobre “Wine Intelligence Opportunities in Alternative Wine 2022” mostrou que entre 56% e 67% dos consumidores nos principais mercados vitivinícolas afirmam ter preferência por versões mais sustentáveis ​​do mundo do vinho – embora na prática isso se reduza bastante por causa dos preços. Veja a seguir a matéria completa.

Segundo dados compilados pela Wine Intelligence em 2021, os consumidores são influenciados por bebidas que oferecem garantias de sustentabilidade, como é o caso, por exemplo, em dois mercados tão importantes como o norte-americano, onde quase metade dos adultos americanos (48%) que bebem bebidas alcoólicas afirmaram estar dispostos a comprar marcas que ofereçam garantias ambientais ou de sustentabilidade demonstráveis, ou o mercado chinês onde esse percentual atinge 70% dos consumidores.

Em outros mercados, como a Suécia, graças à forte defesa do seu monopólio estatal de varejo, Systembolaget, esses vinhos representam cerca de 25% de todas as garrafas vendidas no país. Em suma, a história da sustentabilidade e do vinho não é algo novo, pois remonta no tempo, muito mais antigo do que a maioria das indústrias: os vinhos orgânicos, por exemplo, estão nos cardápios de restaurantes e lojas independentes desde o início dos anos 1980.

Mas afinal, o que são vinhos mais sustentáveis? Mais recentemente, a categoria de vinhos viu novos desenvolvimentos de sustentabilidade. Estes incluem vinhos biodinâmicos, que levam o conceito de vinho orgânico mais longe, aplicando técnicas agrícolas desenvolvidas pelo filósofo Rudolf Steiner (que também fundou o movimento Steiner Schools), e vinhos naturais (ou de baixa intervenção), que levam o conceito de sustentabilidade para baixo a um nível bastante básico, permitindo que os processos de fermentação natural ocorram sem insumos químicos ou leveduras modificadas.

Vários países e regiões produtoras de vinho também estabeleceram seus próprios padrões de sustentabilidade, incentivando os produtores a fazer esses tipos de vinhos.

Com a realidade das mudanças climáticas batendo às portas dos vinhedos, os consumidores de vinho estão interessados ​​na sustentabilidade, como afirma o Relatório Estratégico da consultoria britânica Wine Intelligence, “Oportunidades para vinhos alternativos 2022” que informa que entre 56% e 67% dos consumidores nos principais mercados vitivinícolas declararam uma preferência por versões mais sustentáveis ​​do mundo do vinho. Mas espere: no entanto, de acordo com a consultoria parece haver uma divergência entre a vontade e os fatos, ou seja, a vontade e a ação, já que quando se pergunta ao consumidor se pagaria mais por esses vinhos, o percentual cai para 33% nos mesmos mercados.

Essa discrepância entre o que os consumidores dizem que gostariam de fazer sobre o meio ambiente e os produtos sustentáveis ​​e o que eles realmente fazem está bem documentada. Em um artigo histórico da Harvard Business Review de 2019, Katherine White e dois colegas da Universidade da Colúmbia Britânica apontam que a lacuna entre desejo e ação em sustentabilidade é grande. Parece haver uma variedade de fatores que influenciam o que os consumidores dizem que fariam quando pesquisados ​​sobre o que realmente fazem, incluindo influência social (as pessoas copiam os hábitos umas das outras), efeito cascata (pessoas que gostam de ser consistentes) e se sentir bem emocionalmente e eticamente.

No entanto, White e colegas concluíram que fazer com que as pessoas comprem de forma sustentável continua sendo um grande desafio, pois há muitas razões para retornar a alternativas menos sustentáveis, e uma delas é muito poderosa: o preço. Independentemente, seja mais rápido (o que os consumidores dizem nas pesquisas) ou mais devagar (o que eles realmente fazem), o que fica claro pelos dados do relatório da WI é que a tendência de aumento do consumo de vinhos sustentáveis, chame-os de orgânicos, naturais, veganos, biodinâmicos , comércio justo, sem sulfitos… são uma realidade com tendência ascendente.

O campeão da preferência: o vinho natural

De todos eles, o produto que mais se destacou nos últimos dois anos foi o vinho natural. E têm sido os prescritores de vinho, nomeadamente os sommeliers, que têm inclinado o mercado para o consumo destas categorias de vinhos, segundo a consultoria britânico: por causa deles os vinhos naturais podem ser encontrados nos menus de muitos bares e restaurantes de moda nas principais cidades do mundo desenvolvido. O que parece diferenciar o vinho natural de muitos outros produtos vitivinícolas “sustentáveis” é que ele inclui a palavra “natural”, sete letras que, quando lidas, produzem maior atração para os consumidores.

O próximo tipo seria o vinho orgânico, que também continua a construir poreferência, mas a uma taxa de crescimento menos espetacular. Segundo o relatório, a principal diferença de percepção do consumidor entre “natural” e “orgânico” estaria no sabor: embora ambos os vinhos atendam como uma opção ética e sustentável, os consumidores associariam aquele definido como “natural” como um vinho com mais sabor.

Assim, o vinho natural parece se beneficiar desse efeito halo (veja mais sobre isso aqui: https://www.invinoviajas.com/duas-armadilhas/ ) , entre um segmento mais engajado da população que bebe vinho em cidades maiores, como Londres e Nova York, observa o relatório. Embora existam mercados onde o vinho orgânico ganha, como a Suécia, onde a estratégia deliberada da Systembolaget de incluir um número crescente de vinhos orgânicos em suas lojas de varejo levou este país a se tornar um dos maiores mercados de vinhos orgânicos e bem sucedidos do mundo. 

Fonte: Vinetur, março de 2022

Para saber mais:  https://www.invinoviajas.com/sustentabilidade-na-industria-vitiviniola-uma-palestra-internacional/

Para ampliar seu conceito de vinhos sustentáveis: https://www.invinoviajas.com/chegou-a-slow-wine/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.